A poesia do dia a dia

Poesia
Para esse avô que espera ansioso a chegada da neta, a poesia vem preencher homens ocos de substância para que se tornem plenos

Por José Lopes Agulhô Junior

Quarto texto da série escrita pelo avô para a neta em gestação

O poeta Carlito Azevedo disse, em entrevista ao programa Sangue Latino, do Canal Brasil, que não é possível aos homens viver apenas a vida não simbolizada. Portanto, é a poesia que vem preencher homens ocos de substância para que se tornem plenos. poesia

Todos sabemos que a vida em si não faz mesmo sentido e ainda temos (alguns) a inexorável consciência existencialista do nada. Sabemos da inutilidade do esforço da procura, mas temos que ter presente a inevitabilidade da tentativa.

Passados esses anos todos, me valeu a procura em cada dia, nos estreitos espaços de manobra, um ou outro momento de reflexão aguda. Especialmente nos dez anos enquanto professor de MBAs em que alunos trouxeram experiência poética extraordinária encontrada no cotidiano.

Poesia é vida

Porque a poesia a qual me refiro, aquela que substancia o viver, transcende a de Neruda, Drummond e todos os outros e outras que atingiram e atingem a um seleto grupo de iniciados, esclarecidos, raros.

Não. Afinal, falo da poesia concreta, fora do poema, independente da métrica e da rima. Aquela encontrada no dia a dia, nas ruas, nas barbearias, casas de comércio, campos de futebol, ou outros lugares onde o humano se explicita.

Falo da poesia do momento d’Ela na varanda de nossa casa em Santa Luzia, absorta em achuliar contornos da manta que agasalhará Liz. ªFalo de cada instante em que me encontro com Pretinha e Claudinho e os percebo grávidos de imensa alegria. Falo da reunião para o Chá de Fraldas que ocorrerá hoje em nossa casa. Acho que é por isso que é poesia e não poesio. Nós homens temos que aceitar de pronto que o que nos substancia é elas.

Cotidiano poético

Afinal, quando que algum de nós homens iria pensar em chá? E quando nós construiríamos um poema concreto como chá de fraldas? Só se for na perspectiva econômica com direito a reclamar de algumas amigas que nos deixaram faldas de marca duvidosa. Um horror, portanto!

Por isso, espalhei pela mesa de centro folhinhas com gravuras em branco para colorir com giz de cera. As filhas e os filhos das amigas de Pretinha vão se esbaldar. Ela vai fazer pipoca, gelatina, sucos, cocadinha e outras guloseimas.

Isso é poesia pura e na veia.

Eu, de minha parte, não participarei. Irei com Claudinho para a casa do Gil para assistir algo poético para nós homens e pronunciar ou fazer coro com as cordas vocais estendidas no limite:

– Vai tomar no…, seu juiz!

Numa dessas, Liz dirá:

– Homem é grosso, né mamãe?

Juro que sinto cada palavra vinda da vozinha de Liz. E são elas que preenchem esse sessentão oco, oco, oco.

Até breve.

 

E mais…

Veja também no portal avŏsidade:

Vovô, por que a gente morre?

Vovô, de onde vêm os bebês?

A distância entre mim e minha neta

Tempo de repensar

Como nossos pais? Nem tanto…

Um avô que só serve como enfeite, não é um avô. É uma jarra

Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então.

Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então.

Acompanhe o portal avŏsidade também no Facebook!

 

José Lopes Agulhô Junior é avô de Liz

*

Topo