Coincidências familiares, talentos de avô pra neto

Coincidências
Risos e brincadeiras que estavam escondidos entre histórias do avô Sebastião são revelados pelos estudos do seu neto, o ator Rafael

Por Denilson Oliveira

● Terceira geração que espalha alegria por onde passa

► Foi em uma reunião familiar de fim de ano que o ator Rafael de Barros, de 30 anos, sem querer se deu conta das coincidências que o ligavam ao avô Sebastião, de 86 anos.

Formado em artes cênicas pela Universidade Estadual de Londrina, no Paraná, o neto se especializou em comicidade. Mais precisamente na arte de ser palhaço, sem saber de quem tinha herdado esse talento.

Vovô Sebastião, sempre comedido nos gestos, nunca foi de falar muito. Até que a família começou a cantar junto a canção Calix Bento, do folclore brasileiro das Folias de Reis. Que se tornou um sucesso fonográfico ao ser adaptada pelo compositor Tavinho Moura e gravada por Milton Nascimento.

A cantoria puxou do fundo da memória os velhos truques do Seu Sebastião a arte de fazer graça. Todos os anos, em janeiro, na sua juventude, ele era o palhaço da Folia de Reis da cidade de Guaxupé, no Sul de Minas.

– Resolvi conversar com ele a respeito – conta Rafael. Foi quando me contou que, além brincar com o povo, o palhaço da Folia de Reis também causava espanto, porque entrava na casa das pessoas.

“Causos” curiosos

A história foi tão boa que rendeu ao neto um trabalho de faculdade. Rafael gravou um vídeo com o avô e assim conseguiu concluir o curso.

Entre tantas histórias, conheceu outros “causos” curiosos do palhaço Sebastião. Como o dia em que ele teve problemas com um boi.

 

Coincidências

Vovô “palhaço” Sebastião, vovó Esmeralda e a história do boi que comeu o estandarte

 

– Certa vez, o avô Sebastião e a avó Esmeralda estavam encarregados de levar o estandarte durante uma procissão. Ao final, bastante cansados, resolveram repousar num pasto nos arredores da cidade. E cochilaram. Aí, apareceu um boi que comeu o estandarte.

Sebastião não ficou no prejuízo. O acontecido o inspirou a acrescentar uma nova música na cantoria:

Senhor da casa, me desculpa o que aconteceu, dá dinheiro pro mastro que o boi comeu.’

Essa e outras memórias também ajudaram o ator a montar o repertório de uma companhia teatral intitulada Exército Contra Nada, em que ele é o único integrante. Até a inspiração do nome da companhia veio de histórias antigas contadas pelo avô.

 

Coincidências

O ator Rafael de Barros tem um projeto de contação de histórias enriquecido com os “causos” que ouviu do avô

– Um batalhão que ficou sem ter o que fazer após o fim de uma guerra. Então, os soldados tiveram a ideia de se juntar a um grupo de saltimbancos. E começaram a se exibir em praça pública, pois já não lutavam mais contra ninguém. Foi a dica para o nome da companhia Exército Contra Nada.

Mais coincidências

Rafael também tem um projeto chamado “Contação de Histórias”, inspirado nos textos do poeta paraibano Chico Pedrosa. Por conta disso, descobriu outra afinidade com seu velho avô.

– Uma vez me sentei ao lado dele para mostrar algumas histórias que aprendi como ator. Ele ficou tão empolgado que começou contar as aventuras de sua juventude. Isso para mim foi muito gratificante! Toda vez que ele desanda a contar seus “causos”, fico encantado. Apenas olho e observo a calma com que me fala da vida dele.

 

Serviço

Quem quiser conhecer de perto o trabalho de Rafael de Barros pode conferir as apresentações que ele fará em São Paulo neste mês.

Dias 22 e 29 de abril

“Contação de Histórias” – Rafael de Barros como convidado da Cia Arte Negus

Sesc Belenzinho, Bairro Belenzinho, São Paulo, SP

 

Dia 30 de abril

“El General”, grupo Exército Contra Nada no II Festival de Circo do Bixiga

Rua Pedroso, 238, Bairro Bixiga, São Paulo, SP

 

E mais…

Veja também no site avǒsidade:

Dona Hilda, Seu Inácio e o neto do meio

Laura, o encontro com a avó desconhecida

A homenagem da neta aos avós Zélia Gattai e Jorge Amado

Denilson Oliveira é jornalista

Posts relacionados

*

Topo