Dr. André Colapietro: diabetes e a população idosa

Diabetes
Os números são expressivos, diz o autor: uma a cada quatro pessoas acima dos 65 anos pode desenvolver o diabetes

Por André Colapietro Guida Barbosa

Palavra de especialista: cuidados precisam ser redobrados

O “diabetes mellitus”, ou simplesmente diabetes, é uma doença crônica definida pela dificuldade ou incapacidade do organismo manter controlado o nível de açúcar no sangue (glicemia).

O diagnóstico pode acontecer pela suspeita clínica, através dos sintomas mais comuns (excesso de sede, aumento do volume urinário e perda de peso) ou por exames laboratoriais de rotina.

Sabe-se que a idade é um fator importante no desenvolvimento do diabetes. Por conta disso, a população acima dos 45 anos deve ser rastreada rotineiramente.

É tão importante assim?

Sim, os últimos dados mostram que na população brasileira a prevalência do diabetes está em torno de 7,6%. Estimamos, portanto, um total de 16 milhões de brasileiros com diabetes.

Quando analisamos separadamente as pessoas entre 55 e 64 anos, a taxa sobe para 16,8% e, no grupo acima dos 65 anos, cresce ainda mais, para 23,1%.

Isso significa que aproximadamente uma a cada quatro pessoas acima dos 65 anos pode desenvolver diabetes.

Existem algumas razões que justificam esse aumento. A insulina, que é o principal hormônio controlador do nível de glicemia, tende a reduzir a produção com o envelhecimento.

Associado a esse fator, existe uma progressiva perda de massa muscular que ocorre devido ao sedentarismo e também à mudança de dieta com diminuição da quantidade da ingestão de proteína.

Sabe-se que a perda da massa muscular aumenta a resistência à ação da insulina, contribuindo de forma negativa ao controle da glicemia.

Tratamento e melhor qualidade de vida

O diabetes não tem cura, mas tem tratamento. E com as medicações adequadas e hábitos saudáveis, é possível ter uma vida normal. No entanto, quando o diabetes não é tratado, pode causar uma série de complicações.

O açúcar elevado é tóxico ao organismo e praticamente toda parte circulatória pode ser comprometida, assim como os órgãos relacionados.

As conhecidas complicações circulatórias mais frequentes do diabetes são a retinopatia diabética (relacionada à visão), a nefropatia diabética (ao funcionamento dos rins) e a neuropatia diabética (à sensibilidade dos membros, o que inclui dor nos pés e dificuldade de cicatrização das feridas).

O diabetes também é um importante fator de risco para as doenças cardiovasculares como o AVC e o infarto agudo do miocárdio.

Manter controle do peso, atividade física regular e dieta balanceada é a chave para a prevenção e também constitui uma das mais importantes ferramentas na manutenção do tratamento dos pacientes que já tem diagnóstico confirmado.

Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então.

Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então.

E mais…

Veja também no portal avŏsidade:

E quando falha a memória?

Dr. José Francisco Saraiva: o que é a fibrilação atrial

Dr. Octávio Neto: cuidados para evitar um AVC na maturidade

Dr. Fabio Ancona: nutrição x afeto

Dr. Oberdã: o envelhecimento e o risco de queda

Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então.

Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então.

Acompanhe o portal avŏsidade também no Facebook!

 

André Colapietro Guida Barbosa é médico endocrinologista e metabologista e tutor da especialidade de Endocrinologia e Metabologia da Prevent Senior

Posts relacionados

*

Topo