Sonia Hess: missão das avós vai além da família

Vovó Sonia com o marido João e os netos Joaquim e Julia (acima) e ela com os netos João Guilherme, Gustavo e Joaquim (abaixo)

● Entrevista com a empresária Sonia Hess

Ativa participante das atividades de mulheres brasileiras empreendedoras, Sonia Regina Hess de Souza conta que, depois que se tornou avó, há cinco anos, passou a fazer o que nunca fez antes: largar tudo para ficar com a família. Sua história de vida sempre foi de muita dedicação ao trabalho e como líder de ações na sociedade civil, mas ela assegura que sempre soube conciliar a intensa atividade externa com as relações familiares.

 

Sonia foi presidente durante 12 anos, até o ano passado, da empresa de confecções e moda Dudalina, fundada pela sua mãe Adelina e seu pai Rodolfo (Duda), onde começou a trabalhar quando era muito jovem e se destacou entre 16 irmãos para assumir o comando dos negócios familiares. É hoje presidente do Lide Mulher e membro ativo do Grupo de Mulheres do Brasil – ambos reúnem mulheres empreendedoras, empresárias e executivas, para promover ações que contribuam para o desenvolvimento do país.

Sonia-268-(770x1154)c

Formada em Administração de Empresas e se especializou em confecção em Barcelona. Também é conselheira do Instituto Ayrton Senna e membro do Conselho Curador da renomada Fundação Dom Cabral, além de ocupar diversos cargos que exerce paralelamente. Nasceu em Santa Catarina, seu pai era poeta (que fez para os netos um livrinho de histórias em versos – ver abaixo a imagem da capa) e a mãe conseguiu se tornar uma empreendedora de destaque, a despeito da vasta prole de 16 filhas e filhos.

Capa-livro-(770x1048)

No lado familiar, Sonia criou três filhas (que na verdade são do primeiro casamento de seu marido) e hoje tem cinco netos (João Guilherme e Gustavo, gêmeos de 5 anos; Joaquim, de 3; Júlia, de 2 anos; e Vitória, ainda bebê). Ela deixou o comando da Dudalina no ano passado, depois de transformá-la, durante sua gestão, na maior camisaria da América Latina, com quase 2 mil empregos diretos.

Nesta entrevista exclusiva para o portal avǒsidade ela conta que “chegar aos netos tendo pulado a etapa dos filhos é “o melhor presente de toda a vida”, mas ter crianças tão próximas a faz se preocupar ainda mais com o futuro das novas gerações do país, e afirma que as avós e as mulheres em geral têm muito a oferecer para o conjunto da sociedade brasileira.

A seguir os principais trechos da entrevista:

 

Pulando etapa

Chegar aos netos tendo pulado a etapa dos filhos é “o melhor presente de toda a vida”

 

Recompensa

Netos são a recompensa porque não matamos nossos filhos, diz um amigo bem humorado

 

Largo tudo

E nunca fiz isso antes, com os filhos, mas hoje eu largo tudo para ficar com os netos

 

Avó presente

A primeira coisa que os netos dizem para mim quando chegam é: “vovó, cadê meu presente?”

 

Limites

Criança precisa de limites, sem duvida, mas não são os avós que têm de impor limites

 

 

Escolhas

Existem hoje muitas exigências que limitam o tamanho das famílias modernas

 

Outro país

Articulação de mulheres empresárias e executivas a favor do desenvolvimento do país

 

Bater panelas

Modelo do Instituto Airton Senna é uma esperança para educar as novas gerações

 

Educação

As mulheres, avós e mães, podem ajudar a mudar a situação da educação no Brasil

 

Dar e receber

As avós têm muito a oferecer além dos limites das suas próprias famílias

 

Posts relacionados

Um comentário

*

Topo