Vovô, por que a gente morre?

Gente
“Quando a gente morre, a gente vai pra onde, vovô?” – pergunta a neta. Será que a melhor resposta é dizer que a gente vira estrelinha?

Por José Lopes Agulhô Junior

 Este é o 3º texto da série escrita pelo avô para a neta em gestação

► Vovô… gente

– Oi, Liz.

– Por quê que a gente morre?

– A gente morre, Liz?

– Sim. A Luciana, minha colega da escola, não foi à aula hoje. Aí eles falaram que foi porque a vovó dela tinha morrido.

– Você conhecia a vovó dela?

– Ela já foi muitas vezes na nossa festinha… Brincava comigo…

– Ela era muito legal, então, Liz…

– Sim, muito legal.

– Sei.

– E então, vovô? Por que a gente morre?

– A vovó da Luciana estava doente?

– Não sei.

– A gente morre quando fica doente…

– Outro dia, você lembra, vovô? Eu fiquei doente.

– Gripada, né?

– É. E por que eu não morri?

– Porque a gripe não é uma doença grave…

– Grave?

– É. Uma doença grave é quando ela deixa a gente tão fraquinho que aí a gente não aguenta…

– E morre. E aí?

– Aí o quê, Liz?

– O que acontece com a gente?

– A gente nunca mais vê a pessoa e…

– Ela vai pra onde?

– Ô Liz… Meu celular. Deixa eu atender…

– Pai…

– Oi, Pretinha.

– É a mamãe, vovô? Deixa eu falar com ela.

– Pode falar, toma…

– Oi, mamãe…

– Oi, querida! Tá tudo bem aí?

– Eu estou conversando com o vovô.

– Ele está te contando histórias?

– Não.

– Então vocês estão conversando sobre o quê?

– Sobre morte.

– Deixa eu falar com o vovô, minha filha.

– Beijo, mamãe.

– Pai, que história é essa?

– Ela que perguntou.

– Desconversa pai… Como você vai sair dessa?

– Espero que só daqui alguns anos. Eu quero viver muito ainda.

– Êh, pai, tô falando da pergunta da Liz.

– Eu sei lá!

Despiste… filminho gente

– Pai, faz o seguinte: despiste ela, chama ela pra ver um filminho, leva ela lá pra baixo. Vê se faz ela esquecer desse assunto…

– A avó da coleguinha dela morreu.

– Qual coleguinha?

– A Luciana.

– Nossa, a dona Clara morreu? Que pena, meu Deus!

– Você a conhecia, minha filha?

– Sim, estive com ela na semana passada.

– Pois é.

– Vou ligar pra escola, pra saber o que aconteceu.

– Faça isto minha filha.

– Puxa, que dó, né, pai?

– É, minha filha.

– Beijo, pai. Tchau!

– Vamos ver um filminho, Liz?

– Agora não.

– Vamos dar uma volta?

– Onde?

– Lá embaixo.

– Quero agora não, vovô.

– Então o que você quer fazer?

– Continuar conversando.

– Então tá.

– Fala, vovô.

– Sabe que hoje eu fiz um exercício legal lá no pilates?

– Como foi?

– A gente fica pendurado em duas barras… Assim ó, sabe?

– É perigoso, vovô?

– Não, perigoso não é não.

– Se você cair você morre?

– Não… Posso só machucar um pouquinho.

– Quando a gente morre, a gente vai pra onde, vovô?

– Liz, o vovô não sabe.

– Mamãe sabe?

– Não.

– O papai sabe, num sabe?

– Também não.

– As vovós? Vovó Tucha é professora, ela sabe. O vovô Cláudio…

– Acho que não.

– Quem sabe, então, vovô?

(…)

Até breve.

PS: Estou acatando sugestões.

O autor escreveu 41 “diálogos hipotéticos” com a neta ainda em gestação, entre a data do primeiro ultrassom e o nascimento dela, em 2012. Este é o 3º texto dessa série aqui no portal avŏsidade, e outros serão publicados brevemente.

Então. Então. Então. Então. Então. Então. Então. Então. Então. Então.

Então. Então. Então. Então. Então. Então. Então. Então. Então. Então. Então.

E mais…

Veja também no portal avŏsidade:

Vovô, de onde vêm os bebês?

A distância entre mim e minha neta

Nossas noites

A magia das histórias

Tempo de repensar

Conviver faz bem à saúde

Meu pequeno torcedor

Então. Então. Então. Então. Então. Então. Então. Então. Então. Então. Então.

Então. Então. Então. Então. Então. Então. Então. Então. Então. Então.Então.

Acompanhe o portal avŏsidade também no Facebook!

 

José Lopes Agulhô Junior é psicólogo, consultor, ex-executivo de grandes empresas e ex-professor no Ibmec e na Fundação Dom Cabral; também é avô de quatro netos: Liz, Valentin, Antônio e Helena

Posts relacionados

*

Topo