100 livros infantis com meninas negras

Objetivo do projeto é listar livros que destacam a presença feminina negra nas histórias infantis, e há muito material disponível no Brasil

Por Jorge Luiz de Souza

► A riqueza do universo da literatura infantil no Brasil acaba de revelar mais tesouro. É o projeto “100 livros infantis com meninas negras”, que alcança vários objetivos ao mesmo tempo: estimula a leitura para crianças, contribui para reduzir o preconceito racial, eleva a autoestima das crianças negras a partir de referenciais positivos e dá munição de sobra para pais, avós e professores agirem nesse sentido.

A importância da leitura para crianças afortunadamente está na moda. Até a candidata à presidência dos Estados Unidos, Hillary Clinton, está propagandeando isto em sua campanha. O Brasil, esta novidade surgiu em janeiro deste ano por iniciativa da socióloga Luciana Bento, que é uma jovem mãe de duas meninas pequenas e também e negra, e com a maternidade se tornou blogueira com o blog “A Mãe Preta”.

Do que ele chamou de um blog sobre “como é ser mulher e mãe preta em uma sociedade machista e racista”, ela resolveu criar com o marido a livraria itinerante InaLivros, especializada em conteúdo de protagonismo negro. E agora abre o projeto “100 livros infantis com meninas negras”, com o objetivo de dar visibilidade para as meninas negras na literatura infantil. Ao mesmo tempo, seu trabalho se torna uma fonte de informação para professores e todos que atuam na formação de crianças.

“A educação é fundamental para combater o racismo. Afinal, a criança não nasce racista, ela se torna pelo que vê na sociedade”, diz Luciana. “Se a escola for um espaço que desconstrói o preconceito, que mostra a diversidade e valoriza todas as etnias, aí sim é possível formar cidadãos que saibam conviver com a diferença e não se achem inferiores ou superiores que ninguém”, acrescenta.

Lindara-770x770

No blog, ela explica que “a literatura é uma estratégia muito eficiente para a formação de uma autoimagem positiva (…) para que crianças possam lidar bem com o racismo e elevar sua autoestima a partir de referenciais positivos, se reconhecer em diferentes contextos, se inspirar e aprender com as personagens destes livros e escrever suas próprias histórias sem se importar pelas limitações impostas pesa sociedade”.

Outro objetivo que ela busca é “desconstruir essa desculpa de que existe pouco material infantil que trabalha a questão racial. Não é falta de material, mas de interesse e de conhecimento. Os professores não estão aprendendo a lidar com esse tipo de questão, não sabem como trabalhar isso. Acabam reproduzindo meia dúzia de atividades que se restringem ao Dia da Consciência Negra, em vez de costurar a questão racial durante todo o ano, de forma contínua e transversal, em todas as disciplinas”.

Em uma entrevista, ela perguntou: “Diz pra mim se você não gostou de ver a Beyoncé arrasando no clipe de “Formation” e falando por exemplo que gosta do cabelo afro do seu bebê? Então, o mesmo sentimento as meninas negras sentem quando olham um livro infantil com uma protagonista negra fazendo coisas maravilhosas e não só sendo alvo de racismo”.

O endereço do site é “100meninasnegras.tumblr.com” e ele contém um resenha curta sobre os livros. Já são 35 títulos resenhados e a meta de 100 livros dentro da temática escolhida já está garantida e logo será ultrapassada. Três exemplos:

Menina bonita do laço de fita”, autora Ana Maria Machado, ilustrador Claudius, Editora Ática – Conta a história de um coelhinho bem branquinho que faz de tudo para ficar pretinho como aquela menina do laço de fita que ele acha linda. Mas ele não sabe como a menina herdou aquela cor.

Flávia e o bolo de chocolate”, autora Míriam Leitão, ilustradora Bruna Assis Brasil, Editora Rocco – Em meio aos questionamentos da pequena Flávia sobre a sua pele marrom – tão diferente da pele branquinha da mãe –, a jornalista Míriam Leitão aborda temas delicados como adoção e questões raciais de forma sensível e lúdica para os pequenos.

Lindara”, autora Sonia Rosa, ilustrador Marcial Ávila, Editor: Nandyala – Conheça a história da linda menina negra de tranças, com seus sonhos, brincadeiras e muita falação. Sonia Rosa, assim como a menina Lindara, sempre gostou de falar pelos cotovelos… Um dia, sem mais nem porque, ela resolveu colocar as ideias arrumadas num papel, em forma de histórias…

 

Serviço

https://100meninasnegras.tumblr.com/

 

Jorge Luiz de Souza é jornalista e avô de Mateus (3 anos), Sofia (1 ano), Rafael (1 ano), Natalia (10 meses) e Andrew (2 dias)

Posts relacionados

2 Comentários

  1. Natan Luiz Furtuoso said:

    Sou escritor e Filósofo. Meu livro atual é uma menina negra que ajuda na preservação do Meio Ambiente. Moro em Juiz de Fora-MG. Seria possível ajudar a divulgar minha obra neste blog?
    O livro se chama: A ENCANTADORA DE BORBOLETAS. É meu terceiro livro

*

Topo