Juca Kfouri: “A recompensa por envelhecer é ser avô”

O jornalista Juca Kfouri conta que sua vida mudou muito quando chegaram as netas: “Voltei a nadar, a caminhar, parei de fumar, tudo por causa delas”

● Entrevista com o jornalista esportivo Juca Kfouri

 

Não chame Juca Kfouri para sair num sábado. É o dia sagrado do seu encontro com duas garotas: “Lulu” e “Juju”. Um dos mais respeitados jornalistas esportivos do País, colunista da Folha de S. Paulo e titular do principal blog de Esportes do UOL, ele virou “vovô Juca” para assinar crônicas sobre suas netas. Diz que até rejuvenesceu, retomou atividades físicas e parou de fumar depois das pequenas: “Ser avô é a recompensa da vida por envelhecer”.

 

A primeira vez que Juca Kfouri pegou Luiza no colo, com duas horas de vida, ele jura que ela disse: “Vovô, eu te amo”. Três anos depois, veio a Julia. Lulu e Juju pegaram o jornalista esportivo de jeito: “Não tem essa de que neto é uma felicidade na hora que chega e outra na hora que vai embora. Não é nada feliz quando vão embora. O que mais gosto de fazer é ficar com elas”.

Ele passou até a escrever, por mais de um ano, crônicas sobre as graças das meninas e a vivência entre eles. Só parou quando a mais velha começou a ficar grande: “Vovô, você não pode falar isso pra todo mundo”.

Hoje elas têm 10 e 7 anos e continuam passando os sábados na casa do avô. “Não adianta me chamar para nada nos sábados. Pode ser show do Chico Buarque na primeira fileira, o que for. Sábado é meu dia de dormir com elas”. Juca Kfouri virou até sinônimo de avô babão, entre os amigos. Quando teve a primeira neta, o cronista Luis Fernando Veríssimo escreveu: “Vou ser avô. Mas não vou ser como o Juca Kfouri”.

O jornalista conta que sua vida mudou muito depois das netas: “Eu voltei a nadar, a caminhar, parei de fumar, tudo por causa delas”. Recentemente, ele ficou internado no hospital, doente, e, quando achou que podia morrer, lembrou delas. “É uma coisa assim, realmente, que eu não imaginei que fosse desse tamanho”, diz, emocionado.

Pequena trapaça corintiana

Juca comandou a equipe que denunciou a máfia da loteria esportiva na revista Placar, que ele dirigiu, e também dirigiu a revista Playboy, onde denunciou a corrupção na CBF há mais de 30 anos. Publicou livros, apresentou programas em diversas emissoras de TV e de rádio. Mas um dos maiores feitos de sua carreira foi convencer as duas netas a torcerem pelo seu time, o Corinthians. Mesmo que tenha feito uma pequena sabotagem com Luiza, a mais velha.

Ela começou a entender o que era torcer em 2006, quando o Corinthians terminou o campeonato invicto, enquanto o time dos outros avós, o São Paulo, era apenas um time normal. O avô Juca só não contou um detalhe: o Timão jogava a segundo divisão. “Alguém dirá que eu não fui, digamos, elucidativo. Mas é o caso de dizer que não precisava, né?”

Assista aos principais trechos da entrevista com o jornalista Juca Kfouri:

 

Vovô, eu te amo

Em entrevista ao Jô, Juca disse que ouviu a declaração da neta com duas horas de vida.

“Eu dei uma entrevista para o Jô Soares, e ele me perguntou do André, meu filho, que trabalha na ESPN. ‘Ah, mas é seu filho…?’. E eu falei: ‘É claro, é mais do que meu filho. É pai da minha neta’. E aí ele: ‘Ah, mas você já é avô?’. Eu falei: ‘Sou. Quer ver?’. E tirei a carteira e mostrei uma foto dela. E aí ele pôs naquele telão do programa dele. E ela, linda. Aí todo mundo: ‘Aaah’. Eu falei assim: ‘Ô, Jô, ainda bem que você me perguntou, porque você vai poder ser testemunha. Você sabe que assim que eu peguei ela no colo, tinha duas horas de vida, ela virou-se pra mim e disse: ‘Vovô, querido, te amo’. Ele olhou pra mim… ‘Eu acredito!’. Falei: ‘Tá chancelado então, que aconteceu isso’. Eu mostro isso pra ela, ela fica enlouquecida, cada vez que vê, né? ‘Mas vovô, como você falou uma coisa dessas?’ ‘Você falou, sem falar, você falou!’ É indescritível.”

 

A recompensa de ser avô

Ao ter a primeira neta, 10 anos atrás, Juca diz ter entendido a recompensa pelo envelhecimento.

“Eu cheguei à conclusão, assim que a Luiza nasceu, 10 anos atrás, que tinha que existir uma compensação para a gente envelhecer, e essa compensação é ser avô. É indescritível o sentimento que eu tive quando peguei a Lulu pela primeira vez no colo. Ela tinha duas horas de vida no berçário da maternidade.”

 

A segunda neta conquista seu espaço

“Vovô, você é só minha”, disse Julia. Sim, ainda cabia mais uma no coração do vovô Juca.

“Depois dela, três anos depois, nasceu a Julia. A Julia, irmã da Luiza. A minha nora achava que, quando se descobriu que seria outra menina, que ela não teria assim muito espaço, porque afinal a Luiza era a primeira neta de todos os lados, primeira sobrinha de todo mundo e tudo. E a Julia rapidamente ocupou o espaço dela a tal ponto, e isto não é nenhuma brincadeira, é a pura verdade, ela tinha coisa de dois anos, um dia sentou-se no meu colo, aqui neste sofá, pôs o dedinho em riste no meu rosto e falou ‘Vovô, você é só minha’. Eu falei ‘Juju, o vovô já te explicou que, quando você chegou, já tinha a Lulu. O vovô é seu e da Lulu’. “Não, vovô, você é só minha’. Eu falei ‘Mas, Juju, o papai e a mamãe não são seus e da Lulu?’. ‘São, vovô.’ ‘A vovó Ledinha não é sua e da Lulu?’. ‘É, vovô”. Ela falou: ‘Vovô, o papai e a mamãe podem ser só da Lulu, a vovó Ledinha pode ser só da Lulu, mas, você, é só minha’. Você imagina? E são coisas assim. São tantas coisas, tantas histórias…”

 

As crônicas do vovô

As historinhas que viveu com Luiza acabaram virando assunto de uma coluna chamada “Vovô Juca”.

“A Luiza, um dia, ainda sem ter a irmã, porque eu a pegava toda terça-feira, ela passava o dia aqui, e depois devolvia na hora de dormir… Até hoje, todo sábado elas vêm pra cá, eu pego de manhãzinha e só devolvo domingo, na hora do almoço, elas sempre dormem aqui. A Lulu, um dia, ouvindo música no carro comigo, as musiquinhas dela, e eu, sem perceber, comecei a cantar junto. E ouvi ela falar assim: ‘Vovô, não canta’. ‘Mas, por que, Lulu? Vovô é tão desafinado assim?’ ‘Vovô, você é ‘midículo’ e desagradável.’ (ri) E fazia declarações de amor… O Fernando Morais é meu vizinho aqui. Um dia eu tava passeando com ela pelo quarteirão, encontrei o Fernando, ficamos conversando um pouco, de repente ela puxou a calça do Fernando. Ela olhou para o Fernando e disse: ‘O vovô é apaixonado da Luiza.’ Aí o Fernando se deu conta de que tava interrompendo nosso passeio. Falou: “Oh, desculpe, Luiza. Vão, vão, caminhem”. Ela abriu as duas mãozinhas e fez assim pra mim, como se dissesse: “Como esse cara demorou pra perceber!” E aí foram tantas coisas que um belo dia comecei a fazer uma coluna pro ‘Pais & Filhos’ chamado ‘Vovô Juca’, contanto histórias das duas. E fui contando, durante mais de um ano, 13 ou 14 colunas.”

 

O fim da coluna do Vovô Juca

Quando a neta mais velha aprendeu a ler, não perdia as colunas nas quais o avô falava dela, e foi o começo do fim…

“Acho que ali pela 15ª coluna, a Luiza, já maiorzinha, com sete anos, eu contei um episódio. Ela não sabia o que era fita cassette. E eu contei. Ela já sabia ler. Ela chegava aqui em casa e perguntava sempre se já saiu a revista, ela queria que eu lesse pra ela a coluna. Mas ela pegou a revista e começou a ler. Ela já tinha reclamado, no mês anterior, que eu tava falando mais da Julia do que dela. Claro, porque aí a Julia tava em plena fase das gracinhas mais gracinhas. Aí eu fiz uma entrevista só com ela. Publiquei uma entrevista com ela. E, no mês seguinte, ela pega essa revista, começa a ler, a história da fita cassette, vira-se pra mim e fala: “Ah, vovô. Você não precisava ter contado isso”. Eu falei: “Por quê?”. “Porque se alguém da minha sala ler isso, vão me chatear”. E aí eu me dei conta que tava na hora de acabar a coluna, porque, enfim, era capaz de eu contar coisas que elas não gostassem. Até hoje ela me cobra. Ela fala: ‘Eu reclamei, mas não era pra você ter parado de fazer!’”

 

Não acho bom quando vão embora

Desmistificando chavões sobre ser avô, Juca diz que coloca sim limites e que não é uma alegria na hora que chegam e outra na hora em que vão embora.

“A minha relação com elas não é uma relação sem limites. Eu também não acho que essa coisa que virou um chavão, que as pessoas dizem que neto é bom porque é muito bom na hora que chega e muito bom na hora que vai embora. Eu não acho nada bom na hora que elas vão embora. Por mim elas ficavam e ficavam e ficavam e ficavam. Ponho limites. Não faço coisas que os pais não querem que sejam feitas. Claro que, com ligeiras exceções, em determinados momentos, vamos ao teatro infantil domingo de manhã, antes do almoço, querem pipoca, eu dou pipoca e… paciência! Chego aqui e conto: ‘Não tão almoçando bem porque comeram pipoca, pronto’”.

 

“Não vou ser igual ao Juca”

Quando teve a primeira neta, o cronista Luis Fernando Veríssimo escreveu: “Vou ser avô. Mas não vou ser como o Juca Kfouri”.

“Eu sei que eu rejuvenesci. Pra você ter uma ideia, eu que tive vida de atleta entre 14 e 19 anos de idade, e parei completamente e passei a ter uma vida absolutamente sedentária, com os quatro filhos, e tudo, embora jogasse bola com eles, mas era uma vida sedentária, voltei a nadar, a caminhar, parei de fumar, tudo. Por causa delas. E não me arrependo. Por que eu faço tudo com elas. Eu faço tudo. Pra você ter uma ideia, um dia o Luis Fernando Veríssimo escreveu uma coluna no ‘O Globo’, com o desenho de uma pessoa magra e alta, dizendo: ‘Vou ser avô. Mas prometo que não vou fazer que nem o Juca Kfouri. Pliê eu não vou fazer’. Pois eu fazia pliê. Eu fazia o que fosse. O que elas mandem, eu faço.”

 

Sábado é o dia delas

Uma das diferenças entre ser pai e ser avô, diz, é a maior disponibilidade de tempo: “Não me convide para nada no sábado, é o dia delas.”

“Veja: no meu caso, seria injusto até eu comparar a minha relação com meus avós porque, principalmente os avós maternos, tiveram mais de 30 netos. Eu era o sétimo da fila. Tenho deles a melhor memória, eram carinhosíssimos comigo, mas eram avós diferentes. Não eram avós de sentar no chão, não eram avós de jogar bola, não eram avós de levar pro teatro, pro cinema. Era muito neto. Eu faço isso muito. Pra mim a questão essencial é a seguinte: eu sempre fui pai coruja, mas houve um momento da minha vida, como todos nós, em que eu trabalhava muito e tinha menos tempo para dedicar do que tenho hoje, que organizo minha agenda mais ou menos como eu quero. Então posso dedicar a elas um tempo que pra eles eu não pude dedicar. Você não me convide para nada no sábado. Pode ser a melhor coisa do mundo, um show do Chico Buarque de Hollanda, na primeira fila. Eu não vou. Sábado à noite eu tô com delas. É o dia de elas dormirem aqui.”

 

Indo parar no hospital

“Chegou um momento em que tava tudo errado a tal ponto que só não tinha vontade de desistir porque eu pensava nas duas. Pensava ‘eu não posso fazer isso com elas’.”

“Agora, recentemente, seis meses atrás, eu tive um perrengue de saúde, fui fazer uma cirurgia que redundou numa hemorragia. Uma coisa simples, fui passar três dias no hospital e eu passei 25. E houve um momento em que estava tudo errado e eu achei que ia morrer. A coisa que mais me incomodava – quer dizer, meus filhos tão adultos, minha mulher… Todos vão sofrer, mas todos são adultos. As duas pequeninhas… não é justo com elas. Viram o avô ir pro hospital segunda-feira, bem, tinham almoçado aqui no dia anterior, e agora vão entregar o avô delas… Era o único sentimento que me dava. Chegou um momento em que tava tudo errado a tal ponto que só não tinha vontade de desistir porque eu pensava nas duas. Pensava ‘eu não posso fazer isso com elas’. É uma coisa assim, realmente, que eu não imaginei que fosse desse tamanho.”

 

O que deixar para os netos

“Vivemos num país injusto, que a gente precisa se preocupar com os outros, precisa ser correto nas coisas que faz.”

“Uma coisa que me incomoda é que tem muita pouco literatura sobre avós. Acho que na minha primeira coluna para a ‘Pais & Filhos’ eu digo isso. Tentar contribuir de alguma maneira para a avosidade. Mas tem um livro de um terapeuta português que é magnífico, falando sobre o novo papel dos avós. Em que ele diz que, primeiro, hoje em dia, os avós trabalham. Quando a gente era criança, em regra, os avós já estavam aposentados. Os avós de hoje em dia, ele diz, tem avós que têm até namorados. Né? Mudou. Eu sempre acho isso. Da mesma maneira como eu olho pro meu pai e digo que a grande herança que meu pai me deixou foi a retidão, foi a correção, eu procuro bater muito nessa tecla. Bater na tecla de que, enfim, vivemos num país injusto, que há muita coisa que precisa ser feita, que a gente precisa se preocupar com os outros, que precisa ser correto nas coisas que faz. E eu acho, eu acho não, eu tenho certeza que consegui isso com meus quatro filhos. E aposto que consigo também com as duas pequenas.”

 

Não estraguem seus netos

Ninguém tem diploma de ser avô, mas a experiência e o afeto ajudam a fazer as coisas certas.

A primeira coisa que digo é o seguinte: aproveitem. Aproveitem porque é uma coisa que realmente não tem preço. E não estraguem seus netos. Porque isso não tem graça. Eles são a continuidade da gente. A gente não quer que a continuidade da gente tenha estragos. É claro que ninguém tem diploma de ser avô, como não tem diploma de pai e mãe. Ninguém faz curso pra isso. Mas acho que a vantagem que a gente tem, inclusive em relação aos nossos filhos, pais dos nossos netos, é que a gente já errou muito com eles, já sabe que algumas coisas não funcionam. A gente já sabe que há alguns exageros desnecessários. E fundamentalmente tem carinho, muito carinho. Confesso que tenho amigos que dizem assim: ‘Eu não consigo ser tão avô assim como você’.”

 

Paixão pelo Corinthians

Os quatro filhos e as duas netas são corintianos, mas Juca confessa uma pequena trapaça para convencer Luiza a torcer para seu time.

“Aqui em casa é tudo muito democrático… Todos corintianos. Mas eu vou te explicar porque: a minha paixão por futebol me leva a pensar da seguinte maneira: primeiro, eu faço questão… Agora não mais, bem mais moço, quando nascia um filho de um amigo meu, eu levava a camisa do time do pai. Fosse palmeirense, fosse são-paulino, fosse santista, fosse Bahia, fosse o que fosse… Por quê? Porque eu acho que mexe no vínculo que você tem com seu time. Se você tem um filho ou uma neta que não seja do seu time, seja o filho, uma neta, que não seja do seu time. Por quê? Ah, o Corinthians perdeu do São Paulo. Eu tô chateado, mas tudo bem, fulaninho tá feliz, porque ele é são paulino. Ah, o Corinthians ganhou de 6 a 1 do São Paulo, nossa, ele tá acabado… Não. Isso aqui em casa não tem. Todo mundo fica triste ou fica alegre no mesmo momento por causa de futebol. E eu te confesso que com a Luiza eu fiz uma pequena trapaça, que não precisei fazer com a Julia. A Luiza, como eu disse, ela passa os sábados aqui, e eu entrego na hora do almoço. Em regra, elas vão almoçar na casa dos nonos. Os nonos são os avós por parte de mãe. E os nonos são são-paulinos, moram ali perto do Morumbi, do estádio. A Luiza tinha três pra quatro anos e o São Paulo era tricampeão brasileiro, ela via os jogos nos nonos aos domingos. E o Corinthians caiu para a segunda divisão. Então o que que ela via? Ela via a festa permanente na casa dos nonos e via o André, o pai, chateado porque o Corinthians perdeu. Ela não entendia bem, mas ela via que tinha um que ganhava e outro que perdia. No ano seguinte, o Corinthians foi jogar a segunda divisão, aos sábados à tarde. O Corinthians só ganhava. O Corinthians fez uma campanha invicta pra subir. É óbvio que eu não expliquei pra ela que havia uma pequena diferença entre a primeira divisão e a segunda divisão. Ela viu o Corinthians ser campeão. Aí reforçou. Aí foi que ela começou a fazer inclusive “Aqui tem um bando de louco, louco por ti Corinthians…”. Foi aí. E aí fixou o corintianismo dela.”

 

 

Posts relacionados

*

Topo