Para os dias de chuva, ou mesmo para dias lindos, jogo da onça

Riscado com ponta de faca no assoalho de madeira, assim é o jogo da onça nas casas dos caboclos ribeirinhos da Amazônia

► É um jogo que tem uma onça e vários cachorros. Eles querem cercar a onça e não deixar que ela escape. Mas a onça quer mesmo é comer vários cachorros.

Esta é a versão brasileira de um jogo muito popular em todo o mundo, com pequenas diferenças de um continente para outro. Na Europa, são gansos que cercam uma raposa, na Ásia é um tigre que quer comer as cabras…

E há quem diga que o jogo é quase tão antigo quanto a nossa contagem dos anos e vem de Roma nos tempos dos césares.

A professora Renata Meirelles viajou para a Amazônia e descobriu que lá se joga entalhando o tabuleiro com uma faca no assoalho de madeira, ou simplesmente se risca no chão, como no jogo de amarelinha.

No livro Giramundo, vencedor do Prêmio Jabuti em 2008, a professora descreve as regras do jogo da seguinte maneira:

  • Depositar os 15 “cachorros” nas interseções das linhas inferiores do tabuleiro, e a “onça” na interseção central próxima da linha.
  • Todas as peças movem-se de um ponto a outro seguindo essas linhas.
  • A “onça” tem o objetivo de comer os “cachorros”, e o faz da mesma maneira que se come no jogo de damas.
  • Os “cachorros” têm como objetivo interceptar a “onça”, cercando-a de tal maneira que ela não tenha mais para onde andar.
  • As peças podem andar por qualquer parte do tabuleiro, incluindo as duas abas em suas extremidades.

O livro Giramundo, da editora Terceiro Nome, tem esta e muitas outras dicas de brincadeiras espetaculares.

Giramundo - capa

 

Posts relacionados

Um comentário

  1. Sonia Borghi Callas said:

    Cuidei e cuido dos meus sobrinhos netos, como se fossem meus netos. Ser tia avó também é ser avó. As mesmas preocupações, as mesmas alegrias e o mesmo amor.

*

Topo