Ranimiro Lotufo: ser avô é melhor porque não tem que educar

Vovô Ranimiro com a neta Sofia: “resolver problemas faz parte da vida e passar isso para os netos é o que eu mais quero”

● Entrevista com o modelo e vovô Ranimiro Lotufo

Ele foi um modelo de renome internacional e agora é um avô jovial. Mas sua carreira foi marcada por uma interrupção surpreendente ao perder uma perna em acidente esportivo. Isto lhe valeu uma história de superação que o leva a ser hoje palestrante motivacional. Ranimiro Lotufo Neto, 55 anos, casado com Alessandra Secco Lotufo, é avô há três anos. Seus netos são Sofia, de 3 anos, e Theo, de 3 meses, filhos de Bruno, seu único filho.

“A coisa mais difícil é educar, e avô não tem mais que educar, isto é tarefa dos pais”, diz o vovô Ranimiro. Para os netos ele pretende passar sua variada experiência de vida. Ele nasceu em São Paulo, mas foi criado no campo, numa granja em Botucatu, no interior paulista, depois fez carreira profissional fora do país em ambientes badalados, e depois enfrentou com notável otimismo sua nova condição de deficiente físico.

Entre 1989 e 1995, Ranimiro desfilou como modelo em passarelas de Milão, Paris, Madri e Tóquio, apresentando coleções de estilistas renomados, entre eles Jean-Paul Gaultier, Giorgio Armani, Christian Dior e Kenzo. Sua carreira de modelo foi interrompida por um acidente quando participava de uma competição de parapente e perdeu uma perna, em 1995.

Atualmente, faz palestras motivacionais, divulgando seu próprio exemplo de superação. Além de palestrante, Ranimiro é dono de um estúdio de conteúdo multimídia onde trabalha como cinegrafista e fotógrafo especializado em imagens offshore.

Ranimiro também apresenta um programa sobre vinhos chamado “Vinho do Bom”, que é veiculado pela Internet. Durante quatro anos, Ranimiro apresentou um quadro de ação e aventura no programa de televisão “É Show”, apresentado por Adriane Galisteu, na Rede Record.

Ranimiro-prótese-770

Vovô Ranimiro conseguiu retomar, após perder a perna direita, tudo o que fazia antes em matéria de esportes radicais e até mesmo sua carreira como modelo, e por isso diz que “perder a perna serviu para mostrar que não de deve achar que não consegue fazer algo”. E acrescenta: “se você só olhar para o lado ruim das coisas, você emburaca nas dificuldades”.

A seguir, os principais trechos da entrevista do vovô Ranimiro para o portal avǒsidade.

 

Não tem que educar
A coisa mais dífícil é educar, e avô não tem mais que educar, isto é tarefa do pai

 

Lado espiritual
Resolver problemas faz parte da vida, passar isso para os netos é o que eu mais quero

 

Passar pelas dificuldades
Perder a perna serviu para mostrar que não de deve achar que não consegue fazer algo

 

Alguma coisa boa
Se você só olhar para o lado ruim das coisas, você emburaca nas dificuldades

 

Melhorando cada vez mais
Se eu aprendesse com o pai e o avô e melhorasse em cima disso, seria ótimo

 

Forma de educar
O filho educa os filhos de uma maneira diferente daquela que ele foi educado

 

Posts relacionados

*

Topo