Amor maior

Maior
Vovó Ana Maria, jornalista que estudava desenho, resolveu dar um presente pra neta Helena, que chegou como um forte sopro de vida

Por Ana Maria Leopoldo e Silva

Vovó escreve e faz as ilustrações do livro de presente para a neta

Finalmente conheci o amor especial que liga avós e netos. E reconheço que é um amor que nunca vivi antes. Sempre ouvia falar de como era intenso e único esse sentimento. E duvidava, não entendia. “Como pode existir amor maior do que sinto pelos meus filhos?” – me perguntava.

Mas hoje sei muito bem que não é um amor maior do que outros, mas uma enxurrada de emoções onde o afeto é a única linguagem. E tudo isso é tão novo e leve que sinto meu coração dar piruetas e flutuar quando estou com ela.

Helena, minha primeira neta, nasceu numa manhã fria de junho de 2016. Eu tinha acabado de perder minha mãe quatro dias antes e me curava de uma profunda depressão. Meu mundo era cinzento, sem graça, inodoro.

Eu sentia que minha capacidade de amar estava esgotada. A vida ficou dura, pesada, sem sentido. E eu que sempre fui uma sagitariana alegre, batalhadora, cheia de vida e projetos.

A chegada da Helena me ajudou a reagir, a renascer. Com a supervisão delicada de minha filha Teresa, que é psicóloga e mãe da netinha, passei a cuidar dela uma tarde por semana.

Superação da crise maior

E aí a relação com Helena me devolveu tudo o que eu era antes, com o acréscimo da maturidade que veio com a superação da minha crise pessoal.

Recuperei antigos prazeres, brincadeiras esquecidas, redescobri desejos e emoções, a menina que já fui um dia e que, às vezes, ainda sou hoje.

A chegada da Helena foi um forte sopro de vida em mim. Virei, com muito orgulho e prazer, a “Vovó Querida”, como ela me chama algumas vezes.

Para celebrar e registrar meu mundo com a pequerrucha – que está com dois anos e meio – resolvi escrever sobre esse amor tão leve e mágico. A ideia era presenteá-la no Natal com uma declaração de amor no formato de livro artesanal.

E como eu estava fazendo um curso de desenho, criei coragem para ilustrar a história. Com o apoio de minha professora, desenvolvi a figura da personagem e comecei a fazer os desenhos. Me diverti muito e adorei o resultado.

Por uma série de felizes coincidências, o livro artesanal acabou virando um livro de verdade, que só poderia se chamar “Vovó Querida”, claro. Ele foi lançado no final de 2018.

Ficou delicado e singelo. E acho que captei bem a carinha e o jeito dela. Tanto é que Helena se reconheceu na hora nas ilustrações.

Muitas vezes, em nossas tardes deliciosas de sexta-feira, lemos juntas o “Vovó Querida”. E meu coração se enche desse amor tão especial que sentem avós e netos.

Serviço maior

Livro: Vovó Querida
20 páginas, Editora Papagaio
Venda pelo site www.editorapapagaio.com.br

Maior

Então. Então. Então. Então. Então. Então. Então. Então. Então. Então.

Então. Então. Então. Então. Então. Então. Então. Então. Então. Então.

E mais…

Veja também no portal avŏsidade:

Época de ser avó é mágica

Vó, neto e tecnologia

A magia das histórias

A distância entre mim e minha neta

Parece que foi ontem…

Vovozando! Lulu não dorme

Milton Leite: “Passando rápido demais”

A invasão dos netos

Então. Então. Então. Então. Então. Então. Então. Então. Então. Então.

Então. Então. Então. Então. Então. Então. Então. Então. Então. Então.

Acompanhe o portal avŏsidade também no Facebook!

 

Ana Maria Leopoldo e Silva é jornalista, mãe de 3 filhos e avó da Helena

Posts relacionados

*

Topo