Auraclara: qual a relação do estresse e do câncer?

Sentimentos podem afetar o sistema imunológico e reduzir a capacidade de combater o surgimento de inúmeras doenças, como o câncer

Por Daniele Floresani e Marina Amaral

● Programa de vŏ

► O estresse compreende um conjunto de reações fisiológicas, as quais, quando exageradas em intensidade e duração, acabam por causar desequilíbrio no nosso organismo.

Sentimentos marcados por tristeza profunda, ansiedades, relacionamentos que precisam de perdão, medos encurralados procurando saída… Os eternos fins e recomeços resultam na supressão do sistema imunológico.

Com a imunidade baixa, perdemos a capacidade de produção de anticorpos e de combater o surgimento de células anormais, de onde se originam inúmeras doenças, como o câncer.

Segundo a Medicina Tradicional Chinesa, o câncer se desenvolve por três fatores. O primeiro é a deficiência de yin, que representa tudo que é parado, escuro, mais denso, mais lento, mais frio. O yang seria o oposto, quente, rápido, agitado e seco.

A deficiência do yin gera um excesso de yang no corpo e a pessoa fica agitada, mais magra, mais ansiosa e mesmo assim com menos energia para realizar tarefas. A deficiência de yin geralmente é causada por uma dieta pobre em vitaminas e nutrientes, como no caso dos alimentos industrializados.

O segundo fator é um excesso de yang externo – é o caso de excesso de sol, de fogo, de agitação, fumaça dentre outros riscos que estamos todos expostos.

Estresse prolongado

O terceiro fator é o enfraquecimento do Wei Qi, sistema imunológico, que enfraquece quando se leva uma vida estressante, com poucas horas de sono, reiteradas horas extras de trabalho ou treinos excessivos. Na verdade, tudo que é feito em excesso pode ser um agravante para o sistema imunológico.

Dr. Carl Simonton e a Dra. Stephanie-Matthews Simonton, pioneiros nos estudos que relacionam as emoções com o câncer, ensinam que o nosso organismo produz células cancerosas com frequência, mas que temos uma vigilância natural do sistema imunológico para combatê-las, impedindo a formação dos tumores.

No caso do estresse prolongado, contudo, temos uma deficiência na identificação destas células. Fatores genéticos, hábitos e comportamentos também são influenciadores do surgimento de doenças e do câncer.

Portanto, não podemos ter uma visão reduzida de que somente as emoções são responsáveis pela doença. Mas temos que admitir que elas podem ser o gatilho para o seu surgimento. Também podem ser um agente complicador no momento da recuperação.

Por isso, o cuidado com a saúde e o bem-estar físico e mental é determinante para uma vida longa. Praticar atividade física, adotar uma alimentação saudável e promover horas de descanso e lazer são mandatórios.

Em casos de extremo estresse, há diversas terapias que podem auxiliar o indivíduo a retomar o equilíbrio. Tais como a meditação, yoga, acupuntura, aconselhamento terapêutico, terapias corporais, entre outros.

Acompanhe o portal avŏsidade também no Facebook!

Daniele Floresani e Marina Amaral são da equipe da Auraclara, Daniele é psicóloga, life coach e acupunturista, e Marina Amaral é life coach

Posts relacionados

*

Topo