Diversão

Dia de sol na areia, corrida de tampinhas

Poderia ser numa praia, no quintal de casa, num parquinho ou numa praça pública, como estas crianças estão fazendo no interior da Bahia

● Vida ao ar livre

► Essa brincadeira é ótima para a praia ou qualquer outro lugar com areia batida, seja um parquinho ou um quintal. Uma corrida, criatividade das crianças de Santo Amaro da Purificação, na Bahia, que costumam “pilotar” tampinhas na praça de Acupe.

Não precisa de quase nada para o jogo, como se vê no vídeo (abaixo). O filminho faz parte da série Território do Brincar, da pesquisadora Renata Meirelles e do documentarista David Reeks. Eles que passaram 21 meses viajando pelo Brasil para registrar brincadeiras com crianças dos mais diferentes lugares, entre 2012 e 2013.

Veja o vídeo:

Depois de aprender ou relembrar como se improvisa um minikart na areia, veja também outros vídeos produzidos pela dupla. São brincadeiras de mãos com elásticos, com pedrinhas… E com vários objetos incríveis inventados pelos pequenos de norte a sul do Brasil. Sempre usando materiais comuns, como bambu e garrafas pet.

Todos esses minidocumentários ficam no site do projeto Território do Brincar, que rendeu duas séries e um longa-metragem. Perde-se nesse território é uma diversão à parte. Para um dia sem sol, quem sabe: http://territoriodobrincar.com.br/videos.

Corrida
Crédito das fotos: Renata Meirelles
Como preparar a corrida

Duas linhas contínuas e paralelas são desenhadas no chão. Pode-se usar uma telha, que, conforme se arrasta pela areia, traça as duas linhas de uma vez. Ou dá para desenhar cada linha com uma pedra ou outro instrumento.

Cada jogador deve ter uma tampinha posicionada no começo da “pista”. Vale adaptar de acordo com o ambiente. Por que não usar, por exemplo, no lugar da tampinha, uma conchinha?

Como jogar

Cada um, na sua vez, precisa fazer sua tampinha percorrer a pista apenas dando petelecos com os dedos. São três petelecos por jogada. Se a tampinha escapar para fora dos limites da pista, deve ser colocada de volta na posição inicial.

Pode-se incrementar a brincadeira de várias maneiras. A pista pode ter vários níveis de dificuldades, sendo mais reta ou mais curva de acordo com a idade das crianças.

Outra forma de soltar a criatividade e aumentar a dificuldade é com a criação de morrinhos, que servem como obstáculos.

Os meninos baianos têm também o que chamam de “bomba”: marcações com “x” feitas na areia. Lugar onde a tampa não pode cair, sob pena de o jogador voltar ao início.

Outras marcações que eles criaram são uma espécie de bônus, como o “+10”. Adivinhou o que significa? São 10 petelecos extras para o corredor exímio que parar ali.

Veja também outras brincadeiras resgatadas pela pesquisadora Renata Meirelles:
http://avosidade.com.br/para-os-dias-de-chuva-ou-mesmo-para-dias-lindos-jogo-da-onca/

 

Acompanhe o portal avosidade também no Facebook, Instagram e podcast+!

Jorge Luiz de Souza

Jornalista, editor do portal avosidade e avô de Mateus, Sofia, Rafael, Natalia, Andrew, Thomas e Cecilia

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.