Diversão

Tristeza do Jeca na viola caipira do vovô Afonso

[youtube]2YI54MICv0k[/youtube]

 

► José Afonso da Silva é hoje um advogado aposentado, mas já foi “jeca”, trabalhou na roça, passou da idade de cursar regularmente o segundo grau, fez curso supletivo e conseguiu ingressar na renomada Faculdade de Direito da USP, onde se formou quando já tinha 32 anos. Então, deslanchou, tornou-se professor titular, ocupou importantes cargos públicos e passou ser considerado um dos maiores juristas do país e o principal teórico e formulador dos direitos sociais da Constituição Federal de 1988, que é a atual Constituição.

Porém, com os netos, vovô Afonso volta a ser o roceiro que foi na juventude e os embala ao som de seu instrumento musical do coração, a viola caipira de dez cordas. Nesta gravação feita especialmente para o portal avosidade, ele interpreta a canção preferida dos netos Joaquim, Mathias, Tom e Dora: “Tristeza do Jeca”. Quem quiser, pode ouvi já. Mas também pode ler mais um parágrafo e saber um pouco mais sobre a canção.

É uma velha toada brasileira de Angelino de Oliveira, lançada como é tocada aqui, sem letra, em 1918! Anos depois, ressurgiu com versos, em 1926, cantada por Patrício Teixeira, e fez muito sucesso. Voltou a ser gravada pela dupla mais emblemática da música caipira brasileira, Tonico e Tinoco, em 1958. Em seguida, virou filme, onde é cantada por Mazzaropi, em 1961. E ressurgiu ainda mais, inúmeras vezes, na voz dos sertanejos contemporâneos Sérgio Reis, Zezé Di Camargo e Luciano, Paula Fernandes, etc., etc.

 

Acompanhe a canção:

 

Tristeza do Jeca

Nestes versos tão singelos
Minha bela, meu amor
Pra você quero contar
O meu sofrer e a minha dor
Eu sô que nem sabiá
Quando canta é só tristeza
Desde um galho onde ele está

Nesta viola eu canto e gemo de verdade
Cada toada representa uma saudade

Eu nasci naquela serra
Num ranchinho beira chão
Todo cheio de buraco
Onde a lua faz clarão
Quando chega a madrugada
Lá na mata a passarada
Principia um barulhão

Nesta viola eu canto e gemo de verdade
Cada toada representa uma saudade

Vou parar com a minha viola
Já não posso mais cantar
Pois um jeca quando canta
Tem vontade de chorar
O choro que vai caindo
Devagar vai se sumindo
Como as águas vão pro mar

 

Este vídeo foi publicado no canal  vo canta em 2015 e é reeditado agora.

 

Acompanhe o portal avosidade também no Facebook, Instagram e podcast+!

Jorge Luiz de Souza

Jornalista, editor do portal avosidade e avô de Mateus, Sofia, Rafael, Natalia, Andrew, Thomas e Cecilia

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.