Dra. Lívia: como prevenir o câncer de intestino

Intestino
A médica especialista em doenças do intestino ensina como obter o diagnóstico precoce do segundo tipo mais comum de câncer no país

Por Lívia Guimarães

● ●Palavra de especialista: um simples exame pode salvar vidas

► Vamos falar um pouco sobre o câncer de intestino?

Você sabia que este câncer é o segundo mais comum tanto em homens quanto em mulheres no nosso país? De acordo com dados do INCA (Instituto Nacional de Câncer), ele perde apenas para as neoplasias de mama, nas mulheres, e de próstata, nos homens.

Na maioria das vezes, acomete o cólon ou o reto, sendo, portanto chamado de câncer colorretal. E o lado bom disto tudo é que estas regiões são facilmente acessadas através de um procedimento que tenho certeza que você já ouviu falar: a colonoscopia, que é o melhor exame para a prevenção do câncer colorretal.

Perceba o quanto este exame é de extrema importância. Afinal, a colonoscopia nos permite diagnosticar precocemente as neoplasias do cólon, e o mais importante: retirar os pólipos do cólon, que são lesões benignas, mas as precursoras do câncer.

Trocando em miúdos: se estes pólipos não forem retirados, eles podem se transformar ao longo dos anos em neoplasias malignas, ou seja, câncer.

Sendo assim, através deste simples exame conseguimos prevenir que o câncer colorretal venha a acontecer. Sem falar que, com o diagnóstico precoce, este tipo de neoplasia tem tratamento e cura na maioria dos casos.

E, em se tratando do segundo câncer mais comum, não dá pra dar bobeira, não é?

Quando falamos de câncer de intestino, muitas pessoas podem estar pensando: mas eu nem tenho história na família de câncer, será que eu preciso me preocupar?

E a resposta é sim!

Genética e alimentação

É claro que a genética é importante, mas ela é apenas um dos fatores de risco para este tipo de câncer. E quer saber o que mais aumenta o risco?

Vamos lá: a idade (acima de 50 anos), o sobrepeso/obesidade, tabagismo e o principal: a alimentação não-saudável (parece óbvio, não é? – já que tudo o que comemos passa pelo nosso intestino).

Sabemos que hoje em dia está difícil até de saber o que é saudável, mas eu vou dar algumas dicas úteis:

– Quando falamos em intestino, quanto mais alimentos in natura, do jeitinho que papai do céu criou, minimamente processados, melhor. Vale aquela velha e já batida frase: “descasque mais e desembale menos”.

– Vale abusar de alimentos ricos em fibras, principalmente as frutas, legumes, verduras e grãos integrais.

– Evitar o consumo de carne vermelha em excesso, mas, principalmente, evitar carnes processadas, que são ricas em substâncias potencialmente cancerígenas – é o caso do presunto, mortadela, linguiça, salame, blanquet de peru (até o blanquet que você achou que era saudável, não é?).

– Evitar o excesso de bebidas alcoólicas. Um vinho de vez em quando, tudo bem, pois ele é rico em polifenóis, que fazem bem para as bactérias do nosso intestino, mas tenha moderação, hein?

Os principais fatores de risco para este tipo de câncer estão relacionados ao nosso estilo de vida, e isto nós podemos modificar, não é mesmo?

Pode não ser fácil, mas se você for mudando aos pouquinhos e introduzindo alimentos mais saudáveis no seu dia a dia, aos poucos isso se torna um hábito, e você só tem a ganhar.

E se você tem mais de 45 anos, deve fazer a colonoscopia. Não precisa ter medo, este exame é feito com sedação e, mais importante: ele literalmente pode salvar a sua vida.

 Pois.

 Então. 

E mais…

Veja também no portal avŏsidade:

Dra. Juliana: vivendo com a fibromialgia

Dr. André Colapietro: diabetes e a população idosa

E quando falha a memória?

Dr. José Francisco Saraiva: o que é a fibrilação atrial

Dr. Octávio Neto: cuidados para evitar um AVC na maturidade

Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então.

Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então.

Acompanhe o portal avŏsidade também no Facebook  e no Instagram!

 

Lívia Guimarães é médica gastroenterologista da Prevent Senior e especialista em doenças intestinais

Posts relacionados

*

Topo