Gerações

Emoções e sensações no papel de avô

Para cada neto que nasce, vovô Renato escreve uma carta situando o momento do mundo, do país, da história, da família e algumas curiosidades

 Avô faz registro escrito com comentários sobre a vida de cada neto

O propósito desta crônica/depoimento é o de compartilhar as emoções e sensações de vivermos o papel de avós por sete vezes até este momento de nossas vidas.

Como casal, sempre nos caracterizamos por sermos muito nômades. Afinal, entre os cinco filhos, nenhum nasceu na mesma cidade e até em países diferentes. Três no Peru – terra da avó – e dois no Brasil.

Já os netos nasceram no Brasil, Colômbia e Estados Unidos. O que significa que o esforço foi de preparar todos para o mundo, seus contrastes, desafios e oportunidades.

Brinco sempre que a primeira, hoje já na maioridade, é a neta do século passado. Os demais já chegaram ao mundo neste século XXI.

Mas, comentando algo que caracteriza nossa relação com os mesmos, existem três aspectos que podem provocar algum interesse.

– Para cada neto que nasce, escrevo uma carta situando o momento do mundo, do país, da história, da família e algumas curiosidades.

Imagino que esta leitura, da parte deles no futuro, possa ser um registro que os situe no momento em que chegaram ao mundo.

Viagens sem os pais Sensações

– Outra curiosidade é que fazemos viagens apenas com netos – sem os pais – para estabelecer uma relação saudável e de recordações interessantes.

Essas viagens – que já foram feitas – buscam lugares diferenciados, como Alasca, Machu Picchu, Caribe… Jamais atrações típicas, como Disney, onde serão levados pelos pais.

Claro que são roteiros que levam em conta as idades, interesses e momento de vida de cada um.

– E, por fim, realizo um registro escrito de alguns comentários, observações, curiosidades, etc. de momentos que podem ser marcantes na história de cada um.

Sensações

Como exemplo posso citar a reação de um neto – na época com seis anos de idade – que ao ser perguntado pelo pai se levava consigo uma foto dele, respondeu que não.

Mas, logo em seguida disse, apontando para o cérebro: Pai, eu levo você aqui dentro…

Enfim, são histórias, vivências, emoções e sensações que visam deixar algum registro da nossa convivência como gerações muito diferentes.

Assumam estes comentários como uma provocação para os que estão agora chegando ao mundo dos avós.

E mais…

Veja também no portal avosidade:

https://avosidade.com.br/mais-do-que-reviver-ressuscitar/

https://avosidade.com.br/vo-ni-modo-de-usar/

https://avosidade.com.br/o-sonho-de-voar-e-virar-nuvem/

https://avosidade.com.br/vovo-sempre-quis-ser-bailarina/

https://avosidade.com.br/a-invasao-dos-netos/

♠ ♣

Então. Então.

Acompanhe o portal avosidade também no Facebook, Instagram e podcast+!

Renato Bernhoeft

Escritor e consultor, fundador da Höft Consultoria e autor de 16 livros nas áreas de empresa familiar e qualidade de vida, além de ser um avô experiente

Veja também

Um Comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.