Tempo de repensar

Repensar
A autora, professora e cronista, lamenta não ter dado mais espaço para a sogra em sua vida e se questiona e reflete sobre essa perda

Por Fernanda Bankowski

Ela se foi e levou junto o tempo que eu tinha para me redimir…

Me redimir da falta de maturidade, me redimir da falta de sensibilidade, me redimir da falta de empatia. Dessas três remissões, a primeira talvez seja a que mais me marcou e que me motivou a fazer o que fiz. repensar

A maturidade vem com a experiência, com a vivência, com o entender o outro. Não me pus no lugar dela, não percebi a importância de sua presença na vida daqueles que ela amava.

Fui egoísta, pensei em mim e pouco deixei que penetrasse em meus domínios. Fui tola! Quem poderia amar minhas filhas mais do que a ela mesma? Quem poderia doar amor, tempo, ensinamentos e historias de vida que só ela tinha para contar?

O papel da sogra repensar

Muitas vezes incompreendidas e deixadas de lado, a mãe do marido faz parte de um cenário em que deixam de ser protagonistas e passam a ser coadjuvantes. Coadjuvantes estas que, muitas vezes, não são bem-vindas e que só querem um espaço para amar aqueles que fazem parte de seu sangue.

Esperam ser amadas para poder espalhar mais e mais o seu amor. Aquilo que elas já aprenderam com o tempo. Fui tola por não ter lhe dado esse espaço e aproveitado com seu filho esses momentos de casal, esquecidos com o início da maternidade.

Será que eu achava que fosse tomar meu lugar? Será que era ciúmes e queria provar que seu filho era agora o meu marido e que tinha mais “capacidade” que ela? Por que a minha mãe tinha mais espaço que ela? Não sei!

Só sei que o tempo cura muitas coisas e que a empatia é aprendida com a experiência. Perdi tempo nessa mesquinharia, minhas filhas perderam nessa falta de relação. Não volta mais! Pena! Como alguém já dizia… abrace seus pais e (sogra) enquanto estão por aqui… por que não?

Então. Então. Então. Então. Então. Então. Então. Então.

E mais…

Veja também no portal avŏsidade:

A incivilidade dos mimos

Da cadeira de balanço ao pódio

Como nossos pais? Nem tanto…

Nossas noites

Meu pequeno torcedor

A magia das histórias

Acompanhe o portal avŏsidade também no Facebook!

 

Fernanda Bankowski é professora e cronista da página Tempos Crônicos

Posts relacionados

*

Topo