Diversão

Adeste fideles, noite de paz

● A histórica trégua de Natal no meio de uma guerra horrorosa

Cena do filme “Joyeux Noël” – uma explosão de emoções provocada por cantigas natalinas uniu inimigos há 107 anos

O Natal está chegando e com ele histórias muito bonitas. Esta aqui aconteceu há 107 anos. Faça as contas: 1914. Foi o primeiro Natal durante a Primeira Guerra Mundial, um dos conflitos mais terríveis da história. Adeste

Muitas batalhas, longas e violentas, foram travadas em trincheiras abertas em campos da França e da Bélgica, onde milhões de soldados perderam suas vidas. Lá se iam os primeiros quatro meses de combates, que já produziam horrores impensáveis, e nada de trégua por parte dos comandantes.

A miséria da vida diária nas trincheiras frias, úmidas e sombrias foi o suficiente para motivar as tropas a iniciar uma trégua por conta própria. Na visão das famílias que estavam vendo seus filhos perderem a vida, o que ocorreu foi um pequeno milagre de Natal.

Soldados alemães e seus adversários britânicos, escoceses, franceses e belgas interromperam os combates para juntos cantarem canções de Natal, trocarem presentes, e, segundo algumas versões, até mesmo jogarem futebol.

Tudo indica que a trégua espontânea aconteceu simultaneamente em vários pontos das trincheiras. Ninguém sabe onde começou ou como se espalhou. Estima-se que mais de 100 mil combatentes, cerca de dois terços das tropas entrincheiradas na frente europeia, tenham participado do episódio lendário.

O relato mais emblemático, atribuído a um soldado britânico, sugere que a trégua começou com cânticos natalinos na noite de 24 de dezembro. “Primeiro os alemães cantavam uma de suas canções de Natal. Depois, nós cantamos uma das nossas”.

Cântico pra lá, outro pra cá, e os britânicos entoaram um hino que conheciam como “Hino Português”, cujos versos, na verdade, foram traduzidos diretamente do latim para o inglês antigo.

Os alemães imediatamente reconheceram a melodia, que também cantam em suas igrejas, e fizeram coro com os versos originais em latim, que dizem: “Adeste, fideles…”

Contrariando ordens superiores

Na manhã seguinte, em alguns lugares, soldados alemães emergiram de suas trincheiras, gritando “Feliz Natal” em inglês e segurando cartazes com os dizeres “Você não atira, nós não atiramos”.

Mesmo contrariando as ordens superiores, ao longo do dia as tropas trocaram cigarros, comida, presentes, e pode ter havido até uma suposta partida de futebol não confirmada por historiadores.

Adeste

A trégua de Natal também permitiu que ambos os lados finalmente enterrassem seus camaradas mortos, cujos corpos ficaram por semanas sobre a neve na “terra de ninguém” – como era chamado o terreno entre trincheiras opostas.

Mas foi apenas uma trégua, não a paz.

Infelizmente, durou pouco, mas se tornou um poderoso símbolo da boa vontade entre os povos e do ideal de convivência pacífica.

Quase 100 anos depois, a história virou um emocionante filme francês chamado “Joyeux Noël” (tradução: “Feliz Natal”), que chegou a ser indicado para o Oscar e é a fonte das imagens deste post.

Adeste. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Adeste.

E mais…

Veja também no portal avosidade:

Lendas natalinas

Árvores de Natal pelo mundo afora

O protesto que virou canção natalina

Como é o Natal em outros países

Natal e crianças, uma combinação perfeita

Criancinhas fazendo bonito no Natal

Vó Rita: Natal delicioso com os netos

O valor do Natal em comunidade

Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então.
É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É.

[. .]

Acompanhe o portal avosidade também no Facebook, Instagram e podcast+!

Elisabete Junqueira

Publicitária e jornalista, fundadora e editora do portal avosidade, avó de Mateus, Sofia, Rafael, Natalia, Andrew, Thomas e Cecilia Marie

Veja também

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.