Dra. Elizabeth Monteiro: “o filho é meu!”

Filho
A autora tem longa experiência com relações familiares em casos que atende no consultório e pela convivência com seus 4 filhos e 6 netos

Por Elizabeth Monteiro

● Palavra de especialista

 

► Eis que “aquela” sua nora encrenqueira engravida. Você pensa que vai curtir o filho dela, seu neto? Está muito enganada, minha amiga! Se as estatísticas estiverem corretas, você vai ter te dar um duro danado para poder curtir o seu netinho ou netinha.

Porque, se você e a sua norinha já não se davam bem (apenas disputando o seu filho – marido dela), agora, então… vão disputar pelo filho dela – o seu neto.

E, pra complicar mais ainda, ela vai deixar bem claro que essa criança só tem uma avó que presta: a mãe dela! (rs rs rs). É melhor rir para não chorar. Agora ela pensa que tem “cacife” para disputar esse jogo com você.

Pessoas que têm dificuldades de relacionamento costumam fazer das alegrias um transtorno. Quando a criança nascer, tudo aquilo que ela engoliu e fingiu esquecer, voltará com toda a força na memória dela. E se você – vovó – for aquela jararaca que ela diz que você é… Perdeu!…

Noras e genros

Os estudos mostram que, geralmente, a avó materna tem menos problemas de relacionamento com a mãe do seu neto – a sua filha.

Estudos da Universidade de Cambridge mostram que 60% das reclamações familiares são feitas pelas noras e apenas 15% pelos genros, pois as mulheres carregam os seus maridos para dentro de sua família e a mãe do homem acaba sendo difícil de aturar.

O periódico americano Ecology Letters publicou um estudo, em 2012, indicando que a menopausa existe para que as sogras não tenham bebês junto com as noras, pois as chances da criança viver seriam poucas.

Mostra também que, se mães tivessem filhos ao mesmo tempo em que as filhas, haveria mais cumplicidade entre elas.

Livro Avos e Sogras

O que fazer então, para que essa convivência seja apaziguada?

Se a sua nora tem um vínculo de dependência muito forte com a mãe dela, o que você tem a dizer é que gostaria muito de poder exercer o seu papel de avó, mas que não quer ser uma avó intrometida e invasiva.

Diga que entende que a sua nora se sente mais à vontade com a mãe dela e que por isso estará sempre por perto, disponível a ajudar, quando requisitada. Não se meta a fazer nada por conta própria. Pergunte se ela quer ajuda.

Filho e neto

Quando for a hora do bebê nascer, não se enfie na maternidade. Pergunte antes, se a sua presença será bem vinda. Sei que é um direito seu, mas entenda que é um momento complicado para o casal. Então… muita calma nessa hora!

Nada de dar conselhos, nada de dar palpites e emitir opiniões. Se a relação com a sua nora não for boa, saiba agora que você é verdadeiramente “una persona non grata”.

Fica na tua! Tem nora que se incomoda com tudo. Aqui vai uma pequena listagem.

Elas se incomodam quando:
Você palpita na escolha do nome do filho dela.
Você leva suas amigas para visitar o filho dela.
Você posta fotos do filho dela.
Você lhe diz como ela deve cuidar do filho dela.
Você vai visitar o filho dela sem pedir autorização a ela.
Você chega com presentes para o filho dela sem consultá-la antes.

Elas se incomodam com tudo. Seja elegante e não compre essa briga. Deixe ela se “ralar” para dar conta do filho dela, até que entenda que a sua presença é fundamental na vida dela e agora, do seu neto ou neta.

 

Elizabeth Monteiro é psicóloga e psicopedagoga, especialista em relacionamento entre filhos, pais e avós, autora dos livros “Criando Filhos em Tempos Difíceis”, “A Culpa É da Mãe”, “Cadê… o Pai Dessa Criança?” e “Avós e Sogras – Dilemas e Delícias da Família Moderna”; tem quatro filhos e seis netos, e escreve todo mês no portal avǒsidade

Posts relacionados

203 Comentários

  1. rubens said:

    Muito interessante. As relações sogra e nora são desse jeito, mesmo.
    Também estou surpreso com a leitura, sem respirar. E a qualidade da informação e do texto.
    Parabéns.
    A partir de hoje vou curtir o espaço.

  2. Lucila said:

    Achei interessante. Mas acho, como mãe de filhos, que há uma tendência em meter o bico onde não é chamada. Vá desabafar com amigas, vá ler um livro, vá trabalhar, vá fazer qualquer coisa que a ocupe, mas não se meta na vida dos filhos. Nem homens nem mulheres. Afinal, eles cresceram. Ou não? Só apareça quando solicitada. Acho que é o segredo.

    • Regina de Fátima Pereira said:

      Não concordo em parte, pois somos mãe e filho e neto, temos um elo. Acho absurdo ser desprezado, na hora de ajudar somos bem vindas, né?

      • Maria said:

        Deveria ser. Conheço caso de sogra que teve que ingressar com ação judicial para ver o neto. Cheguei a aconselhar ela a “desprezar”, mas ela não se conformou.

        • Karla said:

          Amei esse texto, pois comigo foi exatamente assim. Antes de o neto nascer eu dei um bom presente, fui no hospital visitar e meu filho até me tratou bem, mas no dia seguinte eu fui visitar meu neto e levei um fora, mas a mãe da nora vive lá, inclusive já até dormiu na casa deles e o bebê não tem nem um mês.

          • Marcela docinho said:

            Karla, entendo como vc se sente. Porém, mãe e filha têm mais intimidade. Por mais que a sogra tenha a nora como uma filha, ela não é. A sogra sempre vai ter o filho dela como perfeito e a nora que é a chata. A sogra não olha para a nora com o mesmo olhar que a mãe; que vê ali a filha parida. As sogras adoram fazer julgamentos em geral. Que a nora engordou, ou fazendo comparações que qdo ela teve filho foi diferente. É bem complicado, talvez com vc não seja assim.
            Em casos como o seu, quando a sogra está junto, o filho dificilmente faz “sala” pra mãe. Ele faz o q ele bem entende, e quem tem que ficar fazendo social é a nora. Repare se não é isso o q acontece. Boa sorte.

        • fatima said:

          Estou passando por esse problema. Vou ingressar com uma processo judicial para poder conhecer minha neta que tem 3 anos e ainda não conheço. Um absurdo!

      • Maria said:

        Penso como vc e acho muito importante a convivência familiar, a presença dos avós na vida dos netos. Tenho 3 netos e 1 neta, faço td pra manter um bom relacionamento com meu genro e minha nora, pois só assim podemos aproveitar para cuidar e curtir essas preciosidades que são chamados de netos… avó apaixonada… temos que ter sabedoria para não atrapalhar a vida familiar de nossos filhos. Participar do desenvolvimento dos netos não significa se intrometer na educação que os pais lhes dão, respeito é bom e todos gostam.

      • Vanessa said:

        A tendência da sogra é falar desse elo, mas maltrata a nora, como se fosse a legítima rival e só trata com carinho o filho e o neto. A nora se sente uma estranha , uma intrusa na família, mas o filho dela e o marido são os únicos verdadeiramente aceitos.

        • Llana Monyz said:

          Verdade!!
          As noras são produtos descartáveis para as sogras que lutam contra elas o tempo todo. Conheço uma que despreza tanto a nora, e principalmente uma que tem o marido com poder econômico mais elevado. Ela faz de tudo para o filho tirar do nome da esposa bens e diz que jamais ele deixará tal coisa ou quantia para ela, mas vive pendurada no filho pedindo dinheiro e se tornando dependente dele para usufruir. Mas sorte que tem os netos que perceberam tudo e jogaram na cara desta avó interesseira e maldosa. Então, não é somente maldade das noras e sim uma vontade de ser respeitada e amada, coisa que dificilmente será pela família do marido pelo motivo de sempre ser descartável, isto é, não é vista como alguém que sempre estará ali pelo vínculo consanguíneo e sim apenas por afinidade enquanto durar o casamento. No fundo, quantas sogras não acreditam serem mesmo as avós de seus netos, filhos dos filhos???
          Então, acho que a sogra deve mesmo se conter, se tem filha, vai se esbaldar com os netos, e, se só tiver filhos, deixe que eles cuidem e tragam quando quiserem. Eu pediria tbm, caso fosse hostilizada sem ser a maldosa, que perguntassem se eu poderia ou não e com certeza falaria sempre a verdade. Uma criança é inocente e nunca deve sofrer consequência alguma nestas relações, porém sempre ficarão ao lado da mãe quando crescerem. Mas, fazer o quê? Melhor coisa é viver a nossa vida e não a dos outros. Viajar e trabalhar, ter os próprios compromissos faz a cabeça ficar mais leve e levar na boa problemas familiares. No fundo, tudo isso é normal, mas aprender a viver a própria vida e se fazer respeitar ainda é a melhor coisa para todos!

          • Ana Claudia said:

            Vc falou tudo: se fazer respeitar… Eu tenho muito problemas com minha sogra, pois ela não me respeita, coloca defeito em tudo que faço com meu filho e fica me provocando, dizendo que meu bebé não parece comigo e sim com a família dela. Fica falando que agora vai ter que acostumar a andar com criança e quer levar meu filho para dormir na casa dela todo fim de semana. E ela não se dá conta de que eu trabalho e só vejo meu filho de manhã e à noite. Eu estou ficando depressiva com isso. Como vou viver sem meu bebê?

        • Llana Monyz said:

          As noras são produtos descartáveis para as sogras que lutam contra elas o tempo todo. Conheço uma que despreza tanto a nora, e principalmente uma que tem o marido com poder econômico mais elevado. Ela faz de tudo para o filho tirar do nome da esposa bens e diz que jamais ele deixará tal coisa ou quantia para ela, mas vive pendurada no filho pedindo dinheiro e se tornando dependente dele para usufruir. Mas sorte que tem os netos que perceberam tudo e jogaram na cara desta avó interesseira e maldosa. Então, não é somente maldade das noras e sim uma vontade de ser respeitada e amada, coisa que dificilmente será pela família do marido pelo motivo de sempre ser descartável, isto é, não é vista como alguém que sempre estará ali pelo vínculo consanguíneo e sim apenas por afinidade enquanto durar o casamento. No fundo, quantas sogras não acreditam serem mesmo as avós de seus netos, filhos dos filhos???
          Então, acho que a sogra deve mesmo se conter, se tem filha, vai se esbaldar com os netos, e, se só tiver filhos, deixe que eles cuidem e tragam quando quiserem. Eu pediria tbm, caso fosse hostilizada sem ser a maldosa, que perguntassem se eu poderia ou não e com certeza falaria sempre a verdade. Uma criança é inocente e nunca deve sofrer consequência alguma nestas relações, porém sempre ficarão ao lado da mãe quando crescerem. Mas, fazer o quê? Melhor coisa é viver a nossa vida e não a dos outros. Viajar e trabalhar, ter os próprios compromissos faz a cabeça ficar mais leve e levar na boa problemas familiares. No fundo, tudo isso é normal, mas aprender a viver a própria vida e se fazer respeitar ainda é a melhor coisa para todos!!

          • Ana Claudia said:

            Sempre tive problemas com minha sogra. Ela sempre me via com a mulher que roubou o filho dela e, quando casei, ela fez fofocas para a família. Dizia que eu só iria casar com ele por causa do dinheiro, que eu era interesseira. E todos estes anos de casada ela ficava com o cartão do meu marido. Sempre me aconselhava a não ter filhos. E agora que meu bebé nasceu ela quer tomar de mim, até pediu para ela. Como não dei, ela fica pedindo para ele dormir na casa dela, mas, diante de tudo que ela me fez, eu não confio nela. Para mim, ela vai fazer a cabeça do meu filho para não gostar de mim, como fez com o neto mais velho dela. Tudo que meu marido tem ela toma tudo dele, eu estou consada disso. Se ela toma as coisas do meu marido, eu nunca liguei, mas as minhas coisas ela não vai levar, porque o filho é meu… acha que estou errada?

        • Ana said:

          Verdade, minha sogra não me aceita, ela até chegou a dizer pro filho dela que, se ele se separar de mim, voltar pra casa dela, vai fazer de tudo pra levar meu filho. Não tenho raiva dela, mas fico magoada em ouvir isso, pois, na minha gravidez, foi difícil, ela me negava um prato de comida, e até desejou minha morte com o meu filho no parto. Tento levar, mas é complicado, não tenho nenhum tipo de relação com ela, mas meu filho já nasceu e sempre que o filho dela a visita, sempre deixo ele levar nosso filho pra ela ver, não quero passar isso para meu filho, apesar de ela não gostar de mim.

        • Denise said:

          Não concordo, amo minha nora e ela tem um ciúme enorme. Tudo que vou comprar ou fazer com as crianças, pergunto e peço permissão. A mãe dela vê as crianças todos os dias eu tenho que pedir por favor para vê-las. Mas, para complicar, as meninas me amam, choram quando me vêem, querendo ficar. Agarram no meu pescoço. Eu choro muito.

          • Karla said:

            Só sabe quem passa, pois eu faço de td pra agradar, até digo q o bebê ė a cara dela, dava presente, tratava bem, nunca dei opinião na vida deles, mas às vezes meu filho me trata bem, daí ela conversa com ele à noite e no dia seguinte meu filho briga comigo por qualquer coisa. Na verdade, acho que ela quer separá-lo da família, mas a dela vive enfiada lá. Mas não tem problema, meu neto ė homem e eles vão ser avós paternos e vão saber exatamente o q ė passar por isso.

          • Aparecida said:

            Estou me consolando com os relatos. Meu neto de 11 anos sempre viveu comigo todos os finais de semanas, datas festivas, férias escolares e feriados.
            Desde que nasceu, na maioria das vezes sem os pais, por opção deles, que se separaram quando o menino tinha 2 anos. Minha filha voltou a viver vida de solteira e eu assumi a responsabilidade de mãe. Aos 5 anos, ele ficou definitivamente comigo. Aos 11, a mãe quis levá-lo a revelia e eu tentei convencê-la que tinha que ir com jeito. Muito agressiva e autoritária, me deu queixa de sequestro pq ele não quis ir para a casa dela ao sair da escola. Entrei na justiça pedindo a tutela. Ela então não deixa ninguém da família conviver c/ ele, nem o pai, que está a meu favor. Apenas convivemos com ele quando faço jus à sentença judicial de visitação no primeiro fim de semana de cada mês. Ele chora, tem medo dela e do namorado que mora com ela e agride ele. Enfim, uma tragédia familiar com uma justiça lenta, surda e indiferente.

        • Maria said:

          Tens toda razão.
          Trata mal a nora, implica com a nora. No meu caso, não ganhei NENHUM presente a gestação inteira. A sogra não veio no Chá de Fraldas pq estava na praia. Quando o bebê nasceu, foi me visitar no hospital e já chegou dizendo que queria cuidar do bebê quando eu voltasse ao trabalho. Tenha dó! Não faz nada pra se aproximar, só me alfineta quando o filho sai de perto, me enche de desaforo e depois quer ter boa convivência…

        • ana said:

          Nossa, concordo com vc, pois estou vivendo isso. Minha sogra nem sequer fala comigo… Finge que não me conhece. Independentemente de tudo o que aconteceu, de ela ter desejado o mal do próprio neto, sempre deixo meu esposo levar pra ela ver, pois não quero colocar meu filho nesta situação… Mas fico muito triste, pois ela já me disse que não gosta de mim e que só interessam o filho e o neto.

        • Estefani said:

          Assim acontece muito, o texto não é imparcial e claramente defende as sogras em geral. Basicamente, em qualquer tipo de relação, havendo parentesco ou não, há limites que não devem ser ultrapassados. Ninguém tem o direito de impor a uma mãe que faça tal coisa, de tal jeito. O que comumente acontece é as avós paternas julgarem as mães de seus netos incapazes de cuidar da criança, proferindo as famosas frases “não cuida direito do meu neto”, “não é uma boa mãe “, “no meu tempo era assim, assado…” Indispensável na vida de um filho é pai e mãe. E qualquer pessoa desagradável que ponha em risco a sanidade, a dignidade e honra de alguém, na minha opinião, não merece conviver com criança alguma.
          “Deixe ela se ‘ralar’ para dar conta do filho dela, até que entenda que a sua presença é fundamental na vida dela e agora, do seu neto ou neta.”
          Esta parte do texto, por exemplo, é totalmente desnecessária e contraditória, já que se trata de pessoas que dizem ser amorosas, afetuosas e preocupadas com seus netos, tendo em vista o desejo de que a mãe se rale, como se o bem estar do filho não tivesse diretamente ligado ao bem estar emocional e psicológico da mãe.

        • Priscila Machado said:

          Pois é, nessas horas as noras são as megeras e as sogras são as santas que só querem participar desse momento muito especial que é o nascimento do neto. Pura hipocrisia. Às vezes, como no meu caso, as sogras fazem um inferno na vida do casal, as noras se sentem descartáveis. No entanto, quando vem o primeiro filho, a sogra passa por uma transformação e quer ser vista como vítima e exigir o seu direito. Me poupe, nem participa da vida do casal e agora quer dar palpite da vida do neto. Affi, me desculpe, mas estou passando exatamente por isso.

      • ana said:

        E mais, lembra, não é só filho e neto, mas se trata da esposa do seu filho. Claro que acho um absurdo noras proibir de vó ver o neto. Em muitas das vezes tive motivo pra isso, mas não fiz pois a gente colhe aquilo que planta. Muitas mães têm que aprender a cortar o cordão umbilical… Pois filho um dia cresce e vai viver com sua família… Assim como vc um dia fez.

    • Otto Horst Morgenstern said:

      Infelizmente é o que acontece, voltei a trabalhar e o único contato com minha neta é pela internet, uma foto de vez ou outra, mas sou eu que pago a luz, telefone, tv a cabo aluguel despesas de supermercado e já estou me preparando para amanhã ou depois sofrer um processo obrigando a pagar pensão, como somos acostumados a ver muitas vezes. POUCA VERGONHA, ISSO SIM!

      • Dionísia de Oliveira said:

        Otto, Bom dia, vivo a mesma situação durante 17 anos e além eles moram na minha casa e sofro muito com a alienação parental, meu Deus pq o ser humano é tão mal, eu estou ensaiando e fazer a celebre pergunta vocês moram comigo pq acham que não sei viver sozinha ou vcs não tem condições de pagar aluguel, Otto o que vc que irão responder?

    • Karla said:

      Às vezes a sogra não se mete, mas a nora fica irritada quando o marido trata a mãe dele bem e quando ele pode colocar a mãe pra morar com o casal. É muito simples se vc tem filho, ou seja, menino, é bom ele aprender com vc o que fazer com a sogra da mulher dele.

      • liliana said:

        A não ser por situações e casos especiais (velhice, doença, precisar de cuidados…), as pessoas devem cada uma ter a sua própria casa. A nora tem todo o direito sim de não concordar com outras pessoas a viver no seu lar. Ter que partilhar a casa com outras pessoas, é algo que para dar certo exige muito respeito de todos, privacidade, não intromissões na vida do casal, etc…. Isso é muito dificil de acontecer.

    • Vitória Silva said:

      Isso aí. Não concordei com o texto, que protege a sogra e só fala mal das noras… Também concordo que quando nossos filhos vão constituir família temos que somar e não dividir. Não temos que nos intrometer e sim nos disponibilizar conforme pudermos para ajudar quando formos solicitadas.

    • Lenir said:
        Também acho exatamente isso! Mas muitas avós maternas se sentem únicas avós. E isso dói, como dói! O jeito, nesse caso, é se ocupar de outros interesses e deixar quieto, uma vez que essa disputa (ao meu ver ridícula e pobre de espírito), pode atingir o seu neto. Deixe a vida agir e o tempo falar…
  3. Denize Aparecida Monteiro said:

    A minha relação com a minha nota é totalmente o oposto do texto, apesar de concordar com a autora. A maioria age dessa maneira, uma relação de desgastes, concorrência e sofrimento. Mas, como toda regra tem exceção, eu e minha nora somos a exceção. Não me envolvo, não dou palpite a não ser que seja chamada para isso. A nossa relação é de amizade. Amo minha nora e digo isso a ela. Inclusive o quanto a admiro na forma de educar o meu neto.

  4. Ana Lúcia de Cinque Furini said:

    Tenho uma nora que é um benção. Ama o meu filho, cuida dele, é companheira, prestativa. Está sempre me convidando para participar de coisas dela, escolha de móveis, roupas, decoração. Ainda não vieram os netos, mas eles tem uma gata, minha “neta”, e se com os bebes for semelhante às nossas interações com a Fly, não tenho dúvidas de que tudo se encaminhará bem… Apesar que me mantenho calada e só dou os meus pitacos quando solicitada. Amo minha norinha, Bruna.

  5. Odinéa Dourado said:

    Tive uma nora assim mesmo e inclusive no divórcio, também ela me divorciou das minhas duas netinhas. Eu sinto muito a falta de minhas netas, pois já estão mocinhas, mas vivemos totalmente afastadas, fiz de tudo para uma aproximação com minhas netas, porém minha ex nora é regida pela cabeça da Sr.ª mãe dela.

  6. Fatima said:

    Dra. Elizabeth Monteiro, preciso muito falar com a sra. Em caráter confidencial! Grave, gravíssimo o assunto. Não quero tomar nenhuma atitude sem falar com a Sra. Grata por seu tempo e atenção.

    • Heralda Ensa Varella said:

      Eu tenho 6 netos, sendo 3 de noras, mas não me importo de elas darem mais preferência às mães delas. É um direito que elas têm, mas, se precisarem de mim, estou à disposição. Amo meus netos, mas não tive sogra. Então, não sei como é essa relação, como seria comigo.

  7. sonia regina patti bellucci said:

    bom dia! bom texto, pessoalmente não tenho esse tipo de problema, minha nora divide bem entre as 2 avós, mesmo porque é mais inteligente… o filho não é só dela, sem o maridão não o teria, não é mesmo? bom senso, muito amor, resolve tudo sempre!
    beijócas

  8. Vany said:

    Vivo em conflito com minha nora. Infelizmente, moramos juntos. Ela mora na minha casa. Já não estou mais aguentando. Ela faz todo tipo de pirraça, me inferniza o tempo todo… o que eu faço? Por favor, me ajudem.

    • Karla said:

      Minha nora também me tratava bem e eu fazia as coisas, chamava ela pra tomar cáfe, comer pastel, dava chocolate e quando o bebê nasceu ela arrumou um jeito do meu filho ficar mal comigo e com o pai e daí quase não vejo meu neto, tenho que ficar pedindo e já levei até um fora, mas a mãe dela só falta morar lá, e olha que a mãe dela mora em outro bairro.

  9. Liliane said:

    Muito curioso, achei q era só eu a “bruxa do 71”, mas o mais engraçado é q eu não tinha problemas com a minha nora antes da minha neta nascer!! Minha neta tem 5 anos e tenho engolido muitos sapos (acredite se quiser, minha neta nunca dormiu comigo), mas acho que mais adiante ela irá compreender que não sou uma adversária, sou aliada, só quero ser avó.

    • Maria said:

      Olha, minha sogra tb nunca dormiu com os meus filhos. Não vejo por que seu espanto… É um direito da mãe decidir com quem os filhos dormem ou não. Onde está escrito que os filhos precisam dormir na casa da vó paterna?

      • Maria said:

        Avó é avó, não importa se materna ou paterna. Mas o egoísmo muda isso, né? Se uma mãe não ensina os filhos a amar e respeitar e colaborar com os avós (especialmente os idosos), ela está criando monstros. E eles é que sofrerão no futuro. Educar é ensinar a ser generoso e ter consideração. Amor à família.

  10. Ana said:

    É complicado entender, principalmente quando você se dava bem com sua nora, ou era usada por ela, pois acho que isso foi o que ela fez comigo, para conseguir seu objetivo, que era engravidar, sabendo que o marido ainda não queria, mas sabia que eu apoiaria, e assim fez, engravidou e nossa cumplicidade era boa, já com a mãe tinha um relacionamento meio distante, até o nascimento do meu neto, mudou tudo, se tornou uma pessoa dissimulada, na frente do meu filho me tratava de um jeito e quando ele não estava me tratava de outro. E assim foi mesmo precisando da minha ajuda para ficar com a criança enquanto ela trabalhava, porque sua mãe, que se tornou sua melhor amiga (não que eu ache que isso não tenha sido bom, sempre tentei fazer com as duas se entendessem melhor), mas que não queria cuidar do neto alegando que estava cheia de trabalho, e eu, muito feliz, amava ficar com ele, mesmo com caras e bocas, fofocas e intrigas. Hoje ele está com três anos, me ama, mas estou distante, eles não frequentam a minha casa e eu de vez enquanto me obrigo a ir na casa deles pra visitar o meu neto, mesmo passando pelo constrangimento de não ser bem recebida, mas a alegria de escutar o meu netinho gritar de alegria que a vovó chegou ameniza toda a tristeza de ter sido afastada do meu filho único e do meu neto. O meu conforto é que um dia ela vai ser sogra e espero que ela veja tudo o que me fez, não quero que ela passe o que ela me faz passar e que aprenda a ser um pessoa melhor.

  11. Elizabeth said:

    Eu vou rir pra não chorar… kkkkk… pq tenho 2 filhos, mas ainda não tenho netos. E o q é mais interessante é q já estou me acostumando com a ideia de ver meus netos só por fotos… pra não sofrer muito já tô treinando… pq se for ao contrário já tô no lucro.

  12. Nathalli Carrara said:

    Vejo que o texto é baseado na visão da sogra, pois bem vejo o meu lado como nora e sim isso está acontecendo.
    Minha filha completou três anos ontem (22/11/16). Em 5 anos que estou com meu marido sofro muito na mão da minha sogra, que nunca ajudou em absolutamente nada, que já tentou falar mal de mim para meu marido. As coisas pioraram quando tive minha filha. Quando estava grávida, ela espaolhou para a rua inteira (principalmente na igreja em que frequentava) que meu marido não era o pai da nossa filha.
    Nossa filha nasceu a cara dele (uma vitória pessoal para mim, por mais que me chateiem dizendo que ela não se parece nada comigo – pelo menos não fisicamente – gosto de retrucar que ela tem o mesmo gênio). Na maternidade fiquei sozinha, sem minha mãe (que havia perdido o bebê dela) e sem meu marido, que trabalha direto e não quis contar sobre minha gravidez no trabalho.
    Cheguei em casa, tive que cuidar de tudo sozinha, me desdobrava em três e sempre foi assim. Sempre que tinha dúvidas, tinha que recorrer à internet, pois nem as perguntas que o galgo dela fazia ela respondia, ou melhor, respondia sim que tínhamos que nos virar sozinhos, afinal “quem pariu Mateus que cuide”. Depois disso, comecei a limitar visitas. Quem levava para ela ver era eu, já que ela não ia.
    Nesta última segunda-feira (21/11/16) foi nossa última briga. Depois de ser humilhada e ela fazer a gracinha que minha filha não era neta dela nem filha do pai dela e exigir DNA, deixei claro para todos da família dele que ela é minha e somente minha e repetirei isso quantas vezes for necessário. Afinal, nas horas difíceis, quando precisei ficar internada com ou sem minha filha, ninguém se ofereceu a ajudar, quando mais precisei era só eu e minha filha. Então, sinto-me no direito de ter ela só pra mim, pois sempre será só eu e ela.

    • Bella said:

      Nathalli, por aqui tbm é bem assim. A visão delas, como sogras, é de que são vítimas nossas. Que somos as sem vergonhas que fizeram a cabeça dos filhos delas, que engravidamos de propósito, etc., como se eles fossem uns idiotas que não têm opinião própria e vivem da forma que nós manipulamos eles.
      Minha sogra rejeitou meu primeiro filho, foi bater na minha cara qdo ele nasceu. Eu, burra, insisti na convivência e deixei se aproximar depois de todo ódio que ela destilou. Estou a um dia de ganhar o segundo, ela tbm rejeitou e agora diz que vai entrar na justiça para tirar o primeiro. Sabe pq!? Pq eqto eu carrego, ela ignora, depois que sai do ventre da golpista eles passam a existir.
      Na última semana me xingou de tudo e ainda inventou que dei o golpe no filho dela pra criar mais 3 filhos que ela descobriu que tenho por aí… kkkkk… eu pari em sonho ou a mente podre dela que está reproduzindo.
      Tem que ter muita fé em Deus pra aguentar essas senhoras desequilibradas.
      Além de tudo, a querida passou a praticar alienação parental. Meu filho de 2 anos e 8 meses voltou chorando de lá semana passada perguntando pq a avó não gosta do pai e da mãe dele, se ela grita com o papai por culpa dele!
      Eu nunca proibi a visita, mas sempre meu marido que levou, toda semana, sagradamente. A partir deste episódio, só permito na minha casa. Se não quiser, é um favor!!

    • silvia said:

      Sinto mto pelo desgaste, mas ao contrário da Nadia, que tem dó da criança não conviver com essa “vó”, sinto alívio pq essa criança seria mal tratada e ouviria horrores acerca da mãe dela. Parabens!

  13. Silvana Gusmão said:

    Infelizmente, a minha nora não gosta de mim e nem da minha filha (sua cunhada). Dificilmente nos visita. E fez que meu filho também não nos visite. Abençoei um casamento pensando que ganharia mais uma filha, uma amiga. Me enganei…

    • Luana said:

      Noras não gostam de: sogra que pede dinheiro, cunhada ciumenta, sogra que não trata bem (não estou falando de oi, por favor, obrigada – estou falando de sogra que não se esforça pra amar sua nora), noras não gostam de sogras e cunhadas que não a respeitam como a PRIORIDADE do marido, noras não gostam de sogras e cunhadas que elogiam as “outras” pra elas, e por aí vai… ou seja… ela não precisa que você ou sua filha gostem dela. São vocês que precisam que ela goste de vocês… se esforcem mais para não perder seu filho com o passar do tempo…

      • Suzana said:

        “Se esforcem mais para não perder seu filho com o passar do tempo…”
        Ridícula e infantil a sua percepção, infelizmente.
        Até porque uma mãe nunca deixa de ser mãe, já uma nora (esposa) pode deixar de ser.
        O respeito deve ser SEMPRE mútuo em ambos os lados.

  14. Ana said:

    Acredito que atitudes erradas sejam tomadas por ambas – sogras e noras – e o pior, o próprio texto traz bem claro o equívoco : ….porque, se você e a sua norinha já não se davam bem (apenas disputando o seu filho – marido dela), Não deve haver disputa, uma não substitui a outra, nem merece mais atenção do que a outra.

  15. Daniela said:

    Meu relacionamento com minha sogra é totalmente diferente disto. Somos amigas e ela esteve mais comigo durante a gestação porque minha mãe é mais idosinha. Quando nossa filha faleceu, ela era quem estava comigo mais tempo comigo. Claro que existem alguns comentários que são desnecessários (como qualquer pessoa poderia fazer), mas aí meu sogro ou até meu marido falam na hora e ela entende o engano. Minha sogra vem aqui e saímos juntas como amigas, da mesma maneira que acontece com minha mãe. Ela é minha segunda mãe, assim como meu sogro é meu segundo pai. E meu marido é filho único! Acredito que seja questão de bom senso e ter um pouco de paciência e amor uma com a outra.

  16. Rosângela said:

    Me dou muito bem com a minha nora. Não disputo espaço e tenho total consciência de q ela é a mulher do meu filho. O espaço de mulher na vida dele era só meu até eles começarem a se relacionar. Hj ela é a mulher, a parceira e não crio nenhum problema. Não há disputas. O espaço é dela e sou feliz pq ela faz ele feliz. Agora eles tem um filhinho de 4 meses e ela não cria nenhum impecilho em relação ao bebê. Toda semana me pede um S.O.S. E eu ajudo com o maior prazer e amor. Sei q o meu filho me ama, não tenho nenhuma insegurança em relação a isso é fico muito feliz por ele amar e se dedicar a sua mulher e seu filho.

  17. Rose said:

    Os conselhos de se tornar invasiva são ótimos. Insistir torna a pessoa mais detestável.
    Afinal, uma relação não nasce desgastada, com certeza há mágoas de ambos os lados.
    Respeito é fundamental.
    Quanto aos netos, eles crescem, e se realmente a avó for maravilhosa, mãe nenhuma impede os laços de afeto. Eles se formam contra qualquer obstáculo.

    • Barbara said:

      Rose, falou td!
      E eu sempre falo: não vou forçar nada. Se os avós querem se relacionar com os netos, mesmo eu não gostando das pessoas, não vou tirar os direitos deles. Mas não serei eu a dizer: filhas, vamos visitar a vovó? Relacionamento se constrói, e tem que partir dos interessados (no caso de avós e bebês, a iniciativa tem que vir dos avós). Meus sogros não se empenharam em construir algo legal comigo. Ela sempre cobrando coisas que não lhe diziam respeito e se intrometendo; ele, sendo a pessoa mais grosseira do mundo. Não faço questão da cia deles. Apenas cumpro protocolos.

      • Relatos de uma Nora said:

        Nossa resumidamente você descreveu o que penso. Relacionamento se constrói e ambos tiverem interesse e quando não existe esse afeto, apenas cumprirmos protocolos. Ótimo!!!

    • Gisa said:

      Alienação parental de avó, Rose??? rsrsrsr
      Este lance de deixar os netos crescerem… para mim parece mais alienação, hein…

  18. Karen said:

    O texto traz a visão das sogras de uma nora “inimiga”. Se a nora não fizer tudo como a sogra quer, pois até o momento antes da nora aparecer era ela quem ditava as regras e “comandava” os filhos, então é isso que nora se torna uma rival. Eu acho que tem que ter um bom senso no relacionamento e cada uma respeitar o seu papel. A sogra nunca deixará de ser a mãe do filho, mas ela tem que respeitar o espaço dessa nova família que está se formando para que eles fortaleçam o vínculo conjugal, como aconteceu com ela no passado. Tem sogras que são totalmente dependentes emocionalmente dos filhos e por causa disso, acham que outra mulher na vida deles é o mesmo que perder os filhos. Eu acho que ambas as avós devem ter convivência com os netos, mas é normal a nora se aproximar mais da mãe dela, pois elas têm uma relação de intimidade e cumplicidade maior, e é até normal, pois estanho seria a mulher gostar mais da sogra do que da mãe, como o marido gostar mais do sogro do que do próprio pai. Está faltando amor na nossa sociedade. Se cada um se preocupasse mais em amar do que em criticar as coisas seriam muito diferente.

  19. Ana Maria said:

    Tenho uma nora e não nos damos bem. Já fiz de tudo para ver o meu neto e não consigo. Quando me propus a entrar na justiça, meu filho me disse que se eu fizesse isso eu o perderia tb. Por isso não o fiz. Mas perdi o filho tb. Acho ridículo uma nora não deixar a sogra, que é avó, conviver com o filho dela por causa de diferenças e birras pessoais. Vcs acham que eu deveria ter continuado o processo? Sofro mt por não ver meu netinho.

    • Maria said:

      Acredito que haja um motivo para a senhora e sua Nora não se darem bem. O seu filho não acolheria a decisão dela sem algum motivo.

      • Maria said:

        Mts vezes ele acolhe a visão dela que dorme com ele, ok? Não precisa de motivos. Avós idosas entram em depressão pq não podem conviver com os netos. É uma coisa realmente dolorosa. Só sabe quem sente o abandono e a saudade. Claro que se for uma avó muito rica, tudo ficará mais fácil. Mas, se for o contrario, coitada – um abraco da netinha/o seriam um ato de caridade e compreensão de uma nora que, se não for generosa, mas, pelo menos inteligente, fará isso pelo bem dos filhos. Educando pelo exemplo de bondade, de humanidade. Perdoem a franqueza. Obg.

  20. Claudia said:

    Ou seja, as sogras têm que entender que o filho é DELA. Eu já ouvi da minha sogra, que aparecia a hora que queria e sem avisar, que não tinha vindo nos visitar, mas sim ao neto dela, como se bebê tivesse casa própria. Meu filho é menino e serei sogra um dia, então, não farei com outra mulher o que não gosto de que façam comigo.
    Se você vai dar um celular para uma criança/adolescente, tem que saber se os pais permitem o presente. Celular não é blusa, gente! Mania que sogra tem de que querer aparecer com presentes inconvenientes que as crianças não têm autorização para ter. É só ter bom senso que tudo dará certo. Sempre é bom ter pessoas que amam nossos filhos por perto, mas tem que ter consideração com a família inteira e a presença causar alegria a todos, ou nunca será um presença agradável.

  21. Nora má said:

    Sabe que seu texto é muito bom mas que me colocou como pessoa muito má. Parece que seu texto foi escrito por minha sogra. Porém ela tem um histórico muito ruim. A própria família me alertou onde eu estava entrando. Onde descreve com o que vamos nos incomodar, de fato me incomodo com tudo. Sem tirar nem por. Porém minha sogra faz alienação parental com meu filho, em momentos nossos de discussão (sim chegamos a esse ponto) ela chora somente quando alguém notou que estamos em uma conversa seria. Ela manipula a conversa para me colocar como uma pessoa ruim. Desde que nasceu, meu bebê ficou com ela todos os dias por uma hora ou mais. Ela o beijava na boca e sempre deixei claro que eu era contra. Acho que as avós que conseguem respeitar as regras da mãe conseguem mais espaço na vida dos netos. A avó que troca jantar por doces quando a mãe é contra açúcar e dá presente todas as vezes que vê o neto apenas para não ser rejeitada perde e muito. Faço o possível para não deixar ela sozinha com meu filho, pois tenho medo. Não sei do que ela é capaz de dizer a ele. Meu filho já disse que prefere os pais dos pais aos meus. Será que isso saiu da cabecinha dele mesmo?

  22. Relatos de uma Nora said:

    Bom texto, no entanto parece sem dúvida ter sido escrito por uma sogra, pois não é imparcial. Leio muita coisa referente a relacionamento entre sogra e nora, com o objetivo é claro de tentar melhorar algumas atitudes e ter uma boa convivência. No entanto o que vi no texto é claramente o que acontece na vida real, nesse conflituoso relacionamento, a sogra não busca agradar a nora, ao contrário, as noras que tem quase como obrigação manter uma boa relação, como se devessem algo. Lembrando que a mulher escolhe um homem e não uma sogra, sogro, cunhados….vejo hoje que conviver ou não com essas pessoas se dará pelo bom relacionamento e afeto construídos e nunca deve ser feito por obrigação!!! Eu já tentei muito conviver com minha sogra, mas ela nunca se esforçou para mostrar que ao menos queria tentar gostar de mim, sempre foi muito sínica e fria, apenas para manter as aparências (não julgo, infelizmente tem gente que não sabe o que é uma família de verdade). Tenho um gênio forte, sou independente, decidida e isso infelizmente agride algumas pessoas que viveram uma vida com menos sonhos e realizações, onde a única realização que tiveram foram os filhos. Quando ela precisou, na doença de meu sogro, estivemos juntos incansavelmente, infelizmente ele veio a falecer e nem todo esse carinho foi suficiente para que ela aproveitasse para mudar suas atitudes, ao contrário, as mesmas atitudes e cobranças ciumentas se mantiveram após o falecimento. Descobrimos que ela falava muito mal de meu marido para o irmão e para os tios (que ainda mantinha relacionamento, raros!!). Quando nos aproximamos de meu cunhado, um pouco antes da doença de meu sogro e passamos a nos procurar mais, via-se a infelicidade dela, pois como agora iria “endemoniar” meu marido para o irmão! Com todos os acontecimentos, passamos a conviver mais com alguns familiares que viram que as coisas não eram bem assim, como minha sogra contava e hoje gostamos e nos damos bem com todos, embora ela tente através de fofocas colocar uns contra os outros, para perdermos esse contato, graças a Deus nenhuma das partes acredita mais nas fofocas. Mas minha decisão mesmo de dar um tempo nessa relação, foi quando contei a mesma que havia tido recentemente um aborto espontâneo, querente dizer que todos tínhamos frustrações, no entanto, o que vi foi muita satisfação em seu rosto com a notícia. Nesse momento, dei um basta a mim mesma. Um livro seria pouco para colocar tudo que já passei em 12 anos de casada, desde a véspera do meu casamento até hoje não tenho uma lembrança de bons sentimentos que tenham vindo de minha sogra (apenas ao contrário). Hoje estou grávida, depois de 5 anos de tentativa, uma gravidez ectópica e um abordo espontâneo. Se pudesse esconderia até o 9° mês, mas ao contrário estou preparando uma caixa com mimos comunicando os avós. Quero distância mas penso que tenho que pelo menos tentar, embora nunca espere essa mesma atitude dela.

  23. Laura said:

    Lendo esse texto dá a impressão que as noras são seres malignos e as sogras são seres angelicais. No entanto, a autora esqueceu de dizer que sogras, principalmente mães dos maridos, normalmente são ciumentas, e intrometidas. Texto bem parcial, acredito que a autora seja uma sogra que inferniza a vida de alguma nora…

  24. Talita said:

    Sinto muito, mas não achei esse texto nada justo e totalmente imparcial. Eu tentei absolutamente de tudo para conviver bem com a minha sogra. Quando meu filho era pequeno, passava mais tempo com ela do que com minha mãe, justamente para mostrar que eu estava disposta a inclui-la na rotina do meu filho tanto quando a minha mãe, apesar de termos tido atritos durante a gravidez inteira. Mas quanto mais o tempo passava, pior ela agia. Ela não queria que eu amamentasse. Me apalpava constantemente para saber se eu tinha leite… Escolheu o pediatra que quis e quando ele concordou comigo em relação à amamentação, ela começou a exigir que eu a deixasse levar meu filho ao pediatra sem mim. Eu era doadora do banco se leite e até hoje ela diz que meu filho sempre passou fome. Usa esse argumento para justificar o fato de não se dar bem comigo. Sempre tentei inclui-la em tudo mesmo depois que descobri que ela falava mal de mim constantemente, fazendo a família inteira vir em defesa dela, me agredir. A convivência se tornou cada vez mais pesada, a ponto dela ligar para minha mãe chorando e dizendo para ela “saber quem a filha dela era”, que eu tinha trago o inferno para a vida dela e de toda a família e pedindo para ela me levar a um psiquiatra… Ela tira completamente minha autoridade, exige satisfações que eu não devo dar, mas que eventualmente dava na esperança de que ela entendesse que eu sou uma boa mãe para meu amor (que é meu filho), e assim, parasse de interferir tanto… Nunca consegui mudar a opinião que ela tem de mim. Meu filho, hoje com 4 anos me rejeita sempre que tem contato com ela. Eu não posso frequentar a família do meu marido porque se tornou um ambiente extremamente hostil pra mim, mesmo eu sempre me esforçando para demonstrar que não sou quem ela fala… Já cedi a tudo que ela exigiu, mas não consigo entrar num acordo com ela, que decide à revelia tudo que se relaciona ao meu filho, sem nem ao menos me comunicar. Recentemente precisamos passar um período na casa dela, e ela decidiu que meu filho voltaria a usar fraldas. Não consigo ter voz perto dela porque ela faz escândalos, envolve a todos e diz que estou fazendo ela passar mal… Não sei nem o que pensar sobre tudo isso… É uma situação que me magoa e me desgasta profundamente, porque eu queria ter uma boa relação com ela. Passei a gravidez sendo maltratada e mesmo assim insisti em tentar uma aproximação. Hoje, o relacionamento com ela é o pior possível, ela faz absolutamente tudo o que sabe que me incomoda, não nos falamos, não privo o contato com meu filho, mesmo ele me rejeitando sempre que tem contato com ela, e meu casamento está tão abalado que meu marido e eu resolvemos nos mudar para o exterior para tentar nos privar de toda essa situação, já que ele nunca conseguiu colocar limites nela… Por favor entendam de uma vez por todas: sogras não são sempre as vítimas, e nem noras sempre as vilãs.

    • Relatos de uma Nora said:

      Talita, vi seu relato e realmente mostra o quanto é comum esse tipo de relação sogra e nora. Inclusive as atitudes da sua sogra são muito semelhantes às da minha! Acho também que essa disputa muitas vezes existe apenas na cabeça de uma das partes, seja a sogra ou a nora, que é a que acaba se afastando por muitas vezes não aguentar mais o joguinho.
      Mas o que eu realmente gostaria de pedir é que a autora do texto, que achei também TOTALMENTE parcial – totalmente “contra as noras” – se pronunciasse e colocasse que talvez tenhamos entendido errado o que ela escreveu e que “nem sempre nos “incomodamos com tudo” e a “norinha encrenqueira” é um título muitas vezes pintado pela própria sogra e de muito mau gosto… ou seja, nunca tinha lido um texto tão preconceituoso e parcial… merecia alguns comentários da autora!!!

  25. Deise said:

    Estou muito mal. Minha mãe faz escândalos, me maltrata e diz coisas horríveis toda vez que tento corrigir um comportamento inadequado da minha filha. Moro na casa dela pois sou mãe solteira e o pai não participa da vida dela por opção dele.
    E ela me diz que é melhor ela morar com o pai, mesmo sabendo que não quer saber dela. Nem pra pagar pensão ele presta.
    Sabe, tenho que deixar ela fazer pirraça, fazer manhas e não posso deixar ela de castigo, não posso fazer nada pra corrigir o comportamento.
    Estou muito mal, dra. E não sei mais o que fazer pois não tenho pra onde ir…

  26. mary said:

    Tenho uma nora e ela não gosta muito de mim. Nunca me falou, mas dá pra perceber. Sempre achei que uma nora poderia ser como uma filha, mas infelizmente me enganei. Espero que, quando meus netos nascerem, eu possa conviver com eles.

  27. Soraia Gonçalves said:

    Sim, mas se a sogra fuma cigarro, sopra no teu filho, fuma perto dele, ensina ele a ser rueiro, leva pra mau caminho… ela vem, tira meu filho de casa, ensina maus costumes pra ele, tira ele daqui pra fazer passar fome e sede na mãos dela e da irmã do meu marido, porque elas me odeiam, por terem inveja de mim, descontam tudo no meu filho. Eu sou sozinha aqui, minha familia mora longe, moro do lado da família de meu esposo. Vocês acham correto isso?

  28. miris said:

    Achei interessante, mas vale resaltar que, se a nora faz isso, é porque antes a sogra fez de tudo pra infernizar e destruir o relacionamento dela. E agora ela simplesmente está colhendo o que plantou. E, vamos combinar, é bem merecido.

  29. Giselle Gomes said:

    Bom dia, Doutora e a todos. Sofro o contrário. A mãe do pai da minha filha é mais apegada ao neto dela do que a minha filha. Eu terminei com o pai da minha filha na gravidez, ele retornou com a ex-mulher e a mãe dele sente raiva de mim por que engravidei. Hoje, ele e ela me desprezam e a menina também. Ela vem ver a menina 2 vezes ao ano. Alegam que, em uma discussão, eu ameacei ele a ir procurar pela justiça para ela poder ver a neta, mas, foi na hora da raiva. Jamais faria isso. E é verdade, pois, ela demonstrava mais afeto ao menino dele que a minha filha e senti ciúmes. Não sei como devo agir quando a vejo e nem quando vejo o pai da minha filha. O que devo fazer?

  30. Vanessa said:

    Totalmente tendenciosa a sua matéria. Não gostei! Vc poderia ter sido menos parcial, provavelmente vc é sogra por isso escreveu desta forma subestimando e desmerecendo totalmente os sentimentos da nora. Fica a dica!

  31. Luana said:

    Minha sogra não gosta de mim, nunca disse, mas suas ações são o suficiente, todas as namoradas dos primos são lindas, educadas, maravilhosas, não aguento mais ouvir isso… Mas com o histórico das ex-namoradas do meu marido (todas odiavam a mãe, a irmã e o irmão), sei que o problema não sou eu e sim qualquer mulher que se relacionasse com ele. Ela nunca me tratou mal, nunca foi mal educada, nunca me fez algo do qual pudesse dizer “viu o que ela faz comigo?”. Mas o problema é a indiferença, a atitude de tanto faz como tanto fez… como um grande foda-se pra mim. Depois de 6 anos, desisti de ser legal, de ser educada, de querer ser “parte” desta família. Meu marido, em pouquíssimas vezes, enxergou este desprezo e nessas quase nulas vezes não fez nada… O que quero dizer é que ela é burra… ela pensa que perdeu um filho, em vez de pensar que ganhou uma filha. Hoje, infelizmente, o contato que ela terá com meus filhos será zero. Zero. Zero. Eu é que toquei um grande foda-se pra ela… e o pior é que nem ela nem meus cunhados enxergam que é só eles que têm a perder com isso. A única coisa do texto que eu concordei foi que as noras nunca esquecem o que sofreram na mão da sogra, que estão esperando sua vez para dar o troco… triste, né? Mas eu, pelo menos, não tenho sangue de barata. É feio, é irracional… mas será o que eu vou fazer…

  32. Julia R. said:

    Análise rasteira, cheia de recalque pessoal e totalmente alheia à realidade.
    Sabemos que quem enche o saco nessa relação toda é quase sempre a sogra, que insiste em disputar com a nora, até no momento mais importante de sua vida, que é a maternidade. A autora do texto parece achar que a sogra tem direito à guarda compartilhada do filho de outra mulher. É a mãe que decide tudo sim, e ponto final.

  33. Márcia Silva said:

    Minha sogra tem mania de tomar todos os netos pra morar com ela. Bateu de frente comigo e diz claramente que, quando meu filho for na sua casa, ela vai dizer que sou vadia e que não presto. Ela nunca aceitou meu casamento com o filho dela. O que fazer numa situação dessas?

  34. Jacqueline said:

    A minha fez sogra fez tudo que vc aconselhou a não fazer… e, engraçado, até hoje nunca precisei dela pra nada!

  35. Aparecida said:

    Aconteceu o mesmo comigo.
    Mas existe a lei do retorno.
    Só prestamos quando precisam da gente.
    O meu consolo é que o filho e neta, só Deus me tira da vida deles.
    Agora, a mulher… é substituível.

  36. Tatá said:

    Nós mães nunca precisamos de uma sogra, pois são elas que precisam de nós para se sentirem vivas, pois a maioria não tem vida própria e são mal amadas, carentes, recalcadas, possessivas e manipuladoras. A maioria das sogras são verdadeiras cobras! E outra: sogra não tem qualquer direito sobre nossos filhos, nós mães quem decidimos! Melhor é não ter sogra. Essa é a verdade nua e crua!!!

    • Duda said:

      Você tem irmãos? Se tiver, certamente, sua mãe tem noras. E nesse caso, então, me responda: Melhor seria se suas cunhadas não tivessem sogras?

    • Maria said:

      Espero que vc nunca fique gravemente doente, acidentada, necessitada de ajuda e sozinha pra cuidar dos filhos e de si mesma. Reze pra isso, pq o mundo surpreende até as pessoas poderosas e auto-suficientes. Talvez possa precisar da sua sogra pra que seus filhos tenham amor e cuidados essenciais. E vc também. Leia alguma coisa sobre o amor – Leo Buscaglia é um bom autor sobre o tema. Ele criou e ensinou na Universidade uma disciplina chamada Amor. Boa sorte.

  37. Tamyris Lacerda said:

    Matéria imparcial. Com certeza, escrita por uma sogra super insatisfeita com a nora.
    Minha sogra quase acabou com meu casamento, e depois de quatro anos casada finalmente estou grávida e com medo das bizarrices dela. A mulher até conseguiu acabar com o casamento de sete anos do filho mais velho.
    Ela sempre quis competir comigo, creio que ela tenha complexo de Jocasta. Ela nunca entendeu que mãe é mãe e sogra é sogra.
    Sempre que pode, diz que quando eu tiver filho vai pegar pra ela e que vai ficar na minha casa. Então, vou me mudar para longe dela, finalmente, e melhor, já estou falando para ela que quem vai cuidar do meu filho vai ser eu, pois EU que sou a mãe.
    Disse a ela que de minha mãe é que eu quero ajuda, pois não confio nela por ela ter acabado com o casamento do meu cunhado e quase ter acabado com o meu.
    Então, esse relato coloca as noras como ruins… prefiro me afastar para minha saúde mental do que lidar com uma pessoa complicada.
    Realmente, não gosto de opinião nem de palpite e odeio que fiquem na minha casa, pois gosto de privacidade.
    Então, repense se realmente são as noras.
    “Os filhos da minha filhas meus netos São, OS DE MEU FILHO SÊ-LO-ÃO OU NÃO”.

  38. Angel said:

    Bom, eu não sou mto amiga da minha, não… A minha já me humilhou o bastante… Usa a irmã dele pra chamar atenção da gente. Todos os namorados da irmã, não gostava, até que pareceu um que se diz rico e a trouxa caiu… Mas já largou dele, kkk. Sogra é igual a cerveja… Gelada em cima de uma mesa.

  39. Duda said:

    Minhas queridas, principalmente as que tem filhos (meninos), não se esqueçam que um dia vocês terão noras!!! E isso não é desejar “mal” algum, não. É a vida mesmo. Do jeitinho que ela é!

  40. Kelle Dantas said:

    Não concordo com esse texto. A nora é a vitima, pois tem sogra (acredito que a maioria) que se acha no direito de lhe dizer o que fazer, que comida eu tenho que dar ao meu filho, que roupa vestir, como devo pentear o cabelo. Ah, pelo amor de Deus, me poupem… Vão cuidar da vida de vcs, procurem o que fazer, seus filhos já cresceram, se contentem em apenas ver os netos e brincar, não se metam na criação. Neto não quer dizer filho, coloquem-se nos seus lugares… Qd pedirem suas opiniões, aí vocês dão… Que coisa mais chata querer se meter na criação dos filhos dos outros. Tem sogra que quanto mais longe, melhor…

  41. sueli said:

    Discordo de muitos comentários em relação a sogra. Acolhi em minha casa, minha ex-nora grávida, a tratei como filha, estava segurando em minhas mãos no dia do parto. Depois que minha neta nasceu, começou a dar coice em todos de casa, e dizendo que ia embora todos os dias para o meu filho. Ficaram apenas 7 meses juntos. E hoje ela proibe meu filho e a mim de ver a pequena que eu cuidei. E ainda diz que a culpa e minha da separação. Eu nunca tive ciúmes de meu filho, pois eu o criei sozinha e para o mundo. E estava muito feliz que ele estivesse casando. Assim eu ficaria mais sossegada se viesse a faltar. São umas desonestas e ingratas.

  42. Ana Paula Mota said:

    Existem casos e casos. Não concordo plenamente com esse texto. Afinal só quem vive a real situação é quem sente de fato. Agora me respondam: uma sogra encrenqueira, q sempre te viu como ameaça de roubar o filho dela, q tem fama d sempre destruir os relacionamentos do filho antes de você, que acha q a sua casa é a casa dela, que nunca te respeitou e fez d tudo para destruir a sua família. Qual direito ela tem sob os netos? Os meus filhos NUNCA conviverão com ela! NUNCA!! Se ela tiver algum direito, q lute judicialmente por ele, pois no q depender d mim, ela NUNCA olhará para os meus filhos.

  43. Maria Aparecida da Silva said:

    Umas noras dessas prestam, elas na maioria são inseguras, já vêm de uma linhagem maligna que não presta, chegam causando divisão no meio da família, com ciúmes, desrespeitando a família do esposo e ainda querem posar de damas. Nora desse tipo logo leva um pé na bunda. Os avós cuidam na maioria das vezes bem melhor do que certas mães. Uma nora é como uma filha para a sogra. Os esposos precisam prestar atenção se as noras ou genros tratam sua mãe mal… Quem aceita uma nora que ninguém sabe de que buraco ela saiu pra vir falar que quer os netos longes dos avós, essa não é e nora, é um demônio… Tem que arrumar as malas de uma mau caráter dessa e colocar ela pra andar.
    Família é um projeto de Deus, tem que ter respeito e consideração.

    • Mirian said:

      Ó, fia, e vc acha que o seu neto vai amar uma sogra (você) que odeia a mãe dele (sua nora)? A mãe é mais importante que uma avó megera e ainda paterna.

  44. Katiely said:

    Gente, que absurdo, acredito que existem casos e casos. Ambos têm que saber respeitar seu lugar. Sogras invasivas tendem de ser menos aceitas nas relações sim, pois, quando geramos um filho, por meses queremos sentir a liberdade de aprender como lidar com aquela criança que tanto amamos, sem muito daquela velha história de “eu fazia assim com o meu”… aquela velha mania de sogras “eu só quero ajudar”. Sim, pode até ter a ajuda quando solicidada sem muita invasão da privacidade da mãe para com filho. Sogras têm que entender que o seu papel naquele momento é de ser só avó, sem cobranças. Isso acaba dificultando a relação. Tem que aproveitar que seus filhos cresceram e constituiram familia, ambos respeitando o espaço do outro e seguir vida. Amar é sempre estar pronta de abrir mão para o melhor para nossos filhos, é saber o momento de se retirar, é corrigir quando o erro estiver ali. Tem sogra que é tão safada, adora encobrir o erro dos filhos só pra dizer que o faz por amor, depois que cria um bandido safado pra rua e fica se perguntando “o que eu fiz pra merecer”…

  45. Trinity said:

    Existem diferenças porque cada família tem uma criação diferente, porém tem quem aproveite para alfinetar. Minha sogra e meu sogro sempre falam de emagreci ou engordei, se a roupa que estou é do agrado deles e perguntam tudo, quanto custa e tantas outras coisas. Se compramos algo que eles nunca tiveram, eles ficam irritados, invejam o próprio filho. Antes, meu marido só os defendia, agora ele se tocou. Eu avisava, mas agora ficou claro que eles são pais ruins. Porém, eu já conheci excelentes sogras, de amigas minhas. A minha diz que se eu engravidar que ela não tem tempo pra cuidar. Aí, não aguentei e perguntei: aposentada e não faz nenhum tipo de trabalho além de dona de casa, será que uma criança te alegrará um pouco? Ela diz que não. Ela não me dá presentes, eu sempre compro pra ela o que ela pede (celular, roupas que ela escolhe, perfume importado que ela escolhe) mas eu nunca sou o que ela quer. Cansei.

  46. Maria said:

    Complicada esta relação, eu sou sogra e sinto na carne a disputa que ela pensa que estou kkkk. Eu me coloco no meu lugar, caso precisem de mim, sabem onde me encontrar. Eu não deixo de ficar magoada, lógico que fico, sou humana e dói o desprezo, mas encaro esta situação tendo pena dela (nora), pois eu nunca deixarei de ser mãe. Agora, ela não sei… principalmente se continuar com esta disputa sem sentido. Concordo com este texto em tudo, e acrescento: nunca fale mal de sua nora, afinal, quem vive com ela é seu filho e não você.

    • Maria said:

      O correto seria: nunca fale mal de sua nora pois ela é humana como você! Experimente não falar mal de ninguém e ver como a vida flui melhor! A vida é um eco, você recebe o que deu!

  47. Mariana said:

    Toda sogra um dia já foi nora e acredito que vai da sogra decidir o tipo de sogra que ela será.
    Ninguém gosta de ter alguém se metendo e dando palpites sem serem solicitados. Vamos pensar em uma amiga sua, que entra na sua casa e opina sobre tudo sem ser perguntado a opinião dela, também não gostamos.
    O problema de muitas mães e digo isso pq nossas mães também se metem.
    Eu tenho um filho de 5 anos e lembro constantemente a mãe, sogra, comadre, pai, tios, avós e vizinhos que o filho é meu e ele veste, come e tem autorização pra fazer o que eu permito. Mas mesmo assim as pessoas fazem pelas minhas costas.
    Hoje meu filho passa por psicóloga para tentar assimilar 4 criações diferentes (a de uma mulher que cuida dele depois da escola, a da minha mãe que olha ele 2h por dia, a da casa da outra avó, pois hj estou separada, e a minha). Vcs imaginem o que acontece na cabecinha do meu filho?
    Será justo às avós quererem criar os netos da forma que criaram os filhos? Estamos pelo menos 30 anos à frente e o mundo mudou, vocês já pensaram nisso?

  48. Ana said:

    Minha situação com minha sogra sempre foi delicada. Desde o início do namoro, sabia bem como ela era, mas achava que, quando o meu ex-marido deixasse a casa deles, teríamos Paz. Mero engano…
    Não tínhamos sossego, queriam cuidar da nossa vida e se entrometiam em tudo. TUDO.
    Se eu discutia com meu marido por algo, lá vinham eles se meter; se não íamos a missa no domingo, recebíamos ligações deles dizendo que o “diabo” vai entrar na minha casa; até a senha do banco do meu ex-marido eles tinham (pq sempre agiram como se fossem donos do filho, e o mesmo achava isso normal) e ficavam checando cada movimentação bancária feita e cobrando.
    Quando o neto chegou, foi um transtorno. Não respeitavam. Levavam pessoas à minha casa p visitar a criança sem autorização, tive inflamação nos pontos, pq não tive repouso após o parto. Se falamos pra dar “a” pra criança, eles vão e dão “b”, pq eles acham melhor. Nunca respeitam o q eu digo.
    Meu casamento durou só três anos, não foi falta de amor ou outra coisa que o desgastou, foi a convivência com os sogros. Meu ex-marido não soube dar limites a eles, e isso destruiu nossa relação.
    Hoje essa falta de respeito deles se estende ao meu filho, não o visitam, não convivem com ele, e não fazem a menor questão de dar atenção ao mesmo, mas, quando tem uma festinha, ou algum evento, querem levar o menino, pq afinal é muito bonito mostrar o netinho bonito pras pessoas e se fazerem de ótimos avós. Vivemos tendo conflitos, a relação com o ex-marido é ótima, mas com eles não, inclusive a relação deles com o filho é ruim.
    O meu filho não gosta de ir a casa dos avós, e quando os vê os ignora. Na última vez q ele foi, tive que convencer um amiguinho a ir junto, para que ele quisesse ir. O pai tenta de toda forma levá-lo e ele não quer. Eu também tentava, mas, visto o descaso dos avós com o neto, parei de forçar meu filho a uma situação na qual ele não se sente confortável.
    É muito triste isso, pq se fazem de coitados, gritam aos quatro ventos que não veem o neto e blá blá blá. Mas minha família, o pai do meu filho e eu, sabemos bem qual é a real situação.
    Existem sogras bacanas sim, mas existem também mães que veem os filhos como um objeto de posse. É muito triste. Nunca imaginei que o poder de uma sogra fosse tão destrutivo, a ponto de acabar com um casamento.
    Existem avós amorosos, carinhosos… e existem também aqueles que só querem ser “avós” quando convém.

  49. Cláudia Viegas said:

    Boa tarde antes de mais. Eu gostaria de deixar aqui o meu exemplo. Há mulheres que têm a sorte de terem uma boa relação com a sogra, não é o meu caso e passo a explicar. Há muitas razões pela qual uma nora se dá mal com a sogra, começando pelo início, no meu caso logo no primeiro dia que a conheci fiquei logo de pé atrás. É uma pessoa de cara carrancuda, é desagradável a falar, não tem noção do que diz, não respeita opinião de ninguém, critica tudo e todos (mesmo de tudo e todos), mal amada, amargurada etc. etc. Lógico que tudo tem um princípio, no começo eu ficava retraída e não sentia à vontade na presença dela, mas sempre respeitei, nunca lhe respondi mal, e achava que ia conseguir lidar com isso. Depois passamos à fase seguinte, em que ouvir o teor das conversas que se tinham à mesa entre ela e o marido, já metiam nojo! Sim, nojo, todos os dias em que lá vamos almoçar ou jantar é só ouvir falar mal de toda a gente… que a outra é maluca, que o outro não faz nada, enfim até dos familiares diretos falam mal! Caso para dizer que nas costas dos outros eu vejo as minhas! Para esta gente tudo faz confusão. É coscuvilheira, mete se e quer saber de tudo, até de assuntos que não lhe dizem respeito. No verão passado meti baixa no trabalho, estava grávida e comecei a ter enormes problemas no trabalho, ainda me aguentei 3 meses, mas não consegui mais. Chorava todos os dias em casa só de pensar em ir trabalhar no dia a seguir. Claro que, a minha sogra, doméstica há 40 anos, nunca iria entender o que é trabalhar sobre pressão, executar um trabalho que lhe foi exigido e que não consegue fazer, lidar com directores e chefes a exigir que o trabalho aparecesse feito, tarefas para 2 e 3 pessoas fazerem, ainda para mais num armazém de grandes dimensões, tratar de faturas, expedição, pagamento a fornecedores, receber e fazer encomendas, gestão de stocks e ainda fornecer fardamento a colaboradores a nível nacional… algo que quem fazia era um colega com 20 de experiência que foi despedido! Enfim, óbvio que explicar isto à minha sogra é algo que foge da sua compressão. E começou tudo aí, comentários estúpidos e desnecessários, afinal eu não queria era trabalhar!! Azar o dela que o € que recebia de baixa dava me para me governar e nunca pedi € ao filho dela, NUNCA! Depois foi a maneira como começou a tratar a minha filha de 10 anos (que não é sua neta), gritou-lhe uma vez, a miúda nem estava a fazer nada! Minha amiga a partir acabou… eu também consigo ser velhaca se quiser, mas mantive a postura, engoli aquele acontecimento, mas nada voltou a ser o que era. Deixei de ser a pessoa simpática que era antes e passei a ser mais séria e de poucos sorrisos. Agora, com o nascimento da minha 2ª filha, está tudo ainda pior. Entra cá em casa nem bate à porta, traz as vizinhas e “amigas” sem avisar para ver a menina, está cá sempre enfiada, opina de tudo, subestima-me, pensa que não tenho capacidade para cuidar da menina só porque sim, diz que mesmo que sejam cólicas não é normal ela chorar tanto… pensa que sabe tudo, mas não sabe nada. Não respeita a nossa privacidade, o nosso espaço, pensa que o filho tem de estar disponível para ela, está sempre a ver se a casa está limpa, se eu cozinho etc. etc. Insuportável a mulher, não me identifico nada com ela. É uma língua comprida e vai espetar tudo nas vizinhas e nas irmãs. É horrível viver assim. Por isso deixo aqui um conselho, quem puder viva bem longe dos sogros, especialmente se a sogra for como a minha!

  50. Marina said:

    Vivo esse drama, minha nora não me quer na casa dela, não se sente segura que minha neta fique ao menos um dia da semana comigo, só na casa das tias dela, enfim… Já me agrediu com palavras duras através do WhatsApp e o pior de tudo é que nunca fiz mal algum para ela, muito pelo contrário, fui a mão direita quando mais precisaram. Entrego agora nas mãos de Deus.

  51. Fernanda said:
      Ironia esse texto, né?
      Tem que ficar de boa com uma pessoa que palpita até no nome da criança?
      O problema das sogras é que se fazem de coitadas.
      Sempre vítimas. Legítimas dá o tapa esconde a mão.
  52. Micha said:

    Ela se incomoda que você leva SUAS amigas para ver o filho dela na maternidade. Alô? Ela está recém parida, precisando de tempo. Se até as amigas dela podem incomodar nesse período, as SUAS amigas que ela não conhece não deveriam ir lá. Tenha noção, pelo amor!

  53. Liana said:

    Não tive filhos, mas tenho dois enteados e um deles teve um menino que está com um ano. A mãe da criança não nos considera como família. Só a família dela. Meu marido se ressente disso, pois adora o neto. Faz mais de um mês que não vemos o menino. Me senti avó quando ele nasceu, mas a mãe fez questão de me ofender dizendo que não tenho competência pra ser avó por não ter sido mãe e que não sei dar mamadeira pro filho dela. Então, nunca deixou o menino conosco.

  54. Maria said:

    Ótimo texto, porém, se existe uma nota encrenqueira, podem ter certeza que antes veio uma SOGRA VENENOSA! Nenhuma mulher pretende entrar em uma disputa com a mãe do seu marido! Ocorre que as SOGRAS têm mania de achar que nenhuma mulher é boa o suficiente para seus incríveis filhos! E, sim, as noras engolem muitos sapos da sogra durante o relacionamento amoroso, inclusive aquela cara feia quando a cobra pensa que ninguém está olhando! Lógico que não podemos generalizar, existem SIM sogras queridas e maduras. Porém a maioria é imatura e implicam com a nora durante toda a vida, aí… ahhh… aí nasce o neto e as lindas querem brincar de casinha, e mais: algumas são tão invasivas e simbióticas que acham que são mães da criança! Sogra querida = nora querida / sogra cobra = nora encrenqueira! A vida é um ECO, uma hora as coisas voltam para você!

  55. Paula said:

    Meu sonho era não ter uma sogra! Oh mulher intrometida, enjoada, se não desse tanto de vítima seria mais fácil engolir, mas ela não contribui. Só acho que avós têm que saber seu lugar, é dar apoio e não querer roubar a cena. Pronto, falei.

  56. Rafaela said:

    Achei o texto um tanto agressivo. Uma criança cresce bem sem avó, muitas nem as têm (pois já faleceram), mas não cresce bem sem mãe. Se alguém é descartável, são as avós. A autora do texto escreve como se o neto fosse um direito da avó, que é descartável. O neto não é direito de avó nenhuma. Que a avó respeite a mãe da criança (essa sim tem importância), sabendo seu lugar.

  57. Irene said:

    Sou a sogra “megera”, fui proibida de visitar minha neta pela outra avó.
    A namorida do meu filho tbm não gosta de mim, já brigamos feio, ela não tem educação.
    Não estou vendo a bebê, e, gente, eu amo tanto crianças, imaginem uma neta.
    Mas, sabe o que resolvi fazer?

  58. Catarina said:

    Sou mãe de primeira viagem, nunca me dei bem com a minha sogra por birra dela (que fique claro), ao meu ver, para ela, eu nunca fui boa o suficiente para o filho dela. Quando meu filho nasceu, ela me ajudou muito, e sou muito grata a ela por isso, mas, ela e o filho dela viviam se desentendendo e eu sempre no meio daquilo tudo. Resultado: Minha sogra foi embora pra Bahia morar com a mãe dela. Só que mesmo de longe ela fica fazendo ameaças, dizendo que vai entrar na justiça pra tirar nosso filho da gente, dizendo que ele não está sendo bem cuidado. Primeiro, ela está longe, não tem nem como saber como estamos cuidando dele, até porque, eu não tenho tempo de ficar 24h por dia informando ela. Mal nos falamos, na verdade. Segundo, ela foi embora porque quis, em momento algum foi obrigada a ir, nunca proibimos ela de ver nosso filho, muito pelo contrário, enquanto ela estava em SP, quem cuidava dele era ela, pois eu trabalho. Agora, não acho certo isso que ela está fazendo, ficar ameaçando entrar na justiça para tirar ele da gente. Nosso filho está sendo bem cuidado sim, por que eu cuidaria mal do meu próprio filho? Fala sério. Sou contra essa coisa de proibir a avó de ver, de participar… Mesmo com tantas desavenças, eu engoli meu orgulho (e olha que não era pouco) pra permitir que ela participasse de tudo. Pra agora ela de longe ficar ameaçando a gente… Bem complicada essa situação. Meu filho só tem 8 meses, imagina a dor da criança em ter que ser tirada a força dos pais, por puro egoismo, birra e “achismo”, pois pra ela, só ela sabe o que é melhor pra ele. A minha opinião, como mãe, ela NUNCA respeitou. Até açúcar ela queria que eu desse pro meu filho, porque dizia que “Só um pouquinho não iria fazer mal”.
    Acredito muito em Deus, e penso que se Deus permitiu ao meu filho que eu e o pai dele concebêssemos ele, é porque nós somos os melhores pais que nosso filho poderia ter.
    Desculpem o desabafo.

    • Simone said:

      Faça um boletim de ocorrência online contra essas ameaças e se por acaso ela tentar entrar na justiça, vc estará um passo a frente. Tem mulher que é folgada mesmo. Ela já criou o filho dela e quer tirar o seu pq? Só pode ser doente. Bem fazem vcs de ficarem longe.

  59. Herika Cirino said:

    Segui esses seus conselhos e não valeu de nada. Aí foi que a ex do meu filho se engrandeceu e não deixou eu ver a criança. Tem que recorrer logo ao judiciário, assim que detectar alienação parental. Talvez em outras épocas esses conselhos valessem. Mas nesta geração de pessoas egoistas o negócio é recorrer ao judiciário para colocar essas encrenqueiras no seu devido lugar.

  60. Thays said:

    Não concordo com a parte que a presença da sogra na vida da nora e do neto seja fundamental pra quê? Pra passar raiva na nora? Minha sogra é muito implicante, neurótica, invasiva. Vivi perto dela e cheguei a adoecer com o meu filho. Faz bem pra minha saúde ter ela bem longe. Aff…

  61. Luh said:

    Entendo que todo conflito seja normal, já vivi tantos que perdi as contas…
    Mas, sem querer me estender muito, sou nora, já passei humilhação, bati de frente, recorri ao esposo, mas percebi que só piora! Resolvi que posso ser feliz sem dar ouvidos a nada, sou totalmente inerte. Demorou um pouco, mas tenho equilíbrio e jogo de cintura, claro! Isso ajuda muito, o famoso deixa entrar por um ouvido e sair pelo outro, kkk. Tenho até preguiça de brigar, acreditam? E, vovós, isso serve pra vcs tbm!!! Somos leoas, tanto mães e avós, vamos batalhar juntas por nossos amores, que no final disso tudo são nossos filhos e maridos. Respeitar espaço é primordial! Nora tbm é família! Nós, que cuidamos de tudo, não gostamos de ver alguém desvalorizar nosso esforço e dedicação! Vó e vô são presente de Deus, ou vcs noras ficariam longe dos seus?
    Analisar e entender o outro lado, tem seu valor e respeitar a individualidade do outro tbm!!! Não estou pintando minha relação com minha sogra como perfeita, mas amo tanto meu esposo que faço o melhor por ele, e, claro, pelo meu filho tbm, que um dia vai me dar uma nora.
    Vamos esvaziar as mentes e os corações dessa guerra inútil! E, vovó do texto, vc é espertinha, kkkkk, mas até VC eu entendo!!! Um grande beijo

  62. Simone said:

    Que texto mais superficial! Acho que a autora nunca foi nora e, se foi, ou teve uma sogra ótima ou foi sempre uma nora tapada.
    É óbvio que a avó materna sempre vai ser mais próxima, ela é mãe da mãe da criança! Nunca haverá comparação entre a intimidade que uma mulher tem com a mãe e a intimidade que tem com a sogra, por mais próximas que sejam.
    Outro ponto a saber é que a presença de ninguém é fundamental na vida de ngm. Principalmente se estiver atrapalhando. Realmente, é preferível se matar cuidando de uma criança sozinha, do que com alguém que se meta, que te desautoriza e que, em vez de ajudar, atrapalha… independentemente de quem seja.
    Eu sempre tive um bom relacionamento com minha sogra, até o dia em que passei a ser esposa do filho dela. As coisas mudaram completamente porque, por algum motivo que não sei, ela fantasiou na cabeça dela que viveria enfiada na minha casa e vice
    -versa. Mal chegamos da lua de mel e ela já estava mandando msg pro meu marido dizendo que era pra ele ir vê-lá pque ela estava em depressão com a saída dele de casa. Detalhe que ela nunca foi presente na vida dos filhos, vivia saindo com as amigas, a casa vivia bagunçada e na maioria dos almoços em família ela não estava presente… Era sempre meu sogro e meus cunhados. Aí, pq o filho casou, veio com esse papinho.
    Depois, foram diversas coisas acontecendo e, quando engravidei, ela ficou super feliz e tal, mas, ao longo da minha gravidez, ela infernizou de tal forma que por duas vezes eu fui parar no hospital achando que ia perder minha bb por causa dela.
    Quando minha filha nasceu, tentei passar por cima e permiti que ela viesse pra minha casa, pois ela disse que queria muito poder ajudar. Foram os piores dias… Em vez de me ajudar, ela queria passar 24h com minha filha no colo (logo eu que sou defensora de que colo o tempo todo deixa manhoso), ela acordava e não tirava nem o pijama. Se não era com a bb no colo, era com o celular… Isso quando não eram os dois juntos.
    Não fazia uma comida, não passava uma vassoura na casa… simplesmente só me atrapalhou.
    As pessoas não se tocam que ajudar uma mulher que acabou de ter bb, não é ir lá palpitar, não é ir lá cuidar do bb…
    Ajudar uma mãe recente é ir fazer tarefas domésticas mesmo… É fazer coisas que a mulher de quarentena não pode fazer pq pode prejudicar a recuperação. No meu caso, além de cuidar da minha bb, eu cuidavá da casa e da bagunça que a hóspede da minha sogra fazia. Eu não podia amamontar em paz que ela já tava em cima querendo saber se a bb tava mamando (Não! Tô com o peito na boca dela pq sou idiota!). Mas, enfim, me irritei de tal forma que mandei ela embora da minha casa com total apoio do meu marido.
    Ela mora em outro estado e toda vez que aparece é pra trazer problemas. Nem eu, nem meu marido fazemos questão da presença dela, minha filha segue forte, saudável e muito feliz. Ou seja, a presença dela não foi e não é fundamental.

  63. Maria de Lurdes said:

    Passo esse tipo de problema com minha sogra e sogro…
    Eles sempre trataram meu marido como um filho especial, como eles sempre falam… já o meu cunhado é inteligente e favorito.
    Eu e meu marido nos casamos em 2014, me casei virgem, depois de 3 anos de namoro, meus sogros me jogam na cara que mulher que presta espera no mínimo de 5 a 6 anos de relacionamento para casar… só que o engraçado é que minha sogra se casou com 4 meses de “namoro”.
    Quando engravidei, para mim, meu marido e meus pais foi uma alegria… já para meus sogros, não… já com quase 7 meses de gestação, no dia do meu aniversário, dentro da minha casa, meu marido foi mostrar o ultrassom que tínhamos feito no dia anterior… meus sogros falaram que o bebê era um pedaço de merda. Claro que fiquei furiosa, e muito mais furiosa quando, no ano passado, no dia que nasceu meu filho, meu marido avisou eles.
    Chegaram na maternidade sem avisar, pediram para pegar meu filho e eu não deixei.
    Depois de 4 meses de muitas brigas com meus marido, tive que surportar ver eles pegando no colo meu bebê… me dói todas as vezes que vejo eles perto do meu filho.
    A última agora da minha sogra foi colocar meu filho na gaveta do armário da cozinha para ele abrir a gaveta de cima, onde continha facas… quando pedi para ela parar com aquilo, ela me respondeu da seguinte forma: “Cala a boca, aqui é a minha casa e quem manda aqui sou eu!”
    Simplesmente, quando fui tirar meu filho do colo dela, ela se negou a entregar ele para mim… saiu em direçao à sala e colocou meu filho no colo do meu marido…
    Não suporto eles… mas, perante a lei, não posso proibir que eles tenham acesso ao meu filho… o que é um grande erro…

  64. Aline said:

    Não entendo essa de sogra querer se comparar com a avó materna. Sogra é sogra, mãe é mãe. Quando temos filhos, obviamente vamos correr pras nossas mães, não importa o quão legal sejam as sogras. Mães já estavam ali nos auxiliando desde sempre.
    Mas o que realmente me afastou da minha sogra foi a falta de educação dela. Eu sofrendo pra amamentar, e ela comprando mamadeiras e leite em pó, falando que meu leite era fraco. Depois, eu oferecendo uma alimentação saudável, e ela entupindo de doces (não, bebê de 8 meses não tem vontade de comer chocolate!). Eu, budista, e ela dando bíblias e livros evangélicos pra minha filha.
    Eu sou a mãe, e quero criar da minha forma. E, se fala isso pra sogra, ela sempre tenta te convencer que o jeito dela é melhor. Sogras, entendam, já tiveram seus filhos pra criar à sua maneira!

  65. Mari said:

    Eu afasto sogra e, principalmente, sogro.
    Foram péssimos pais para o meu marido e cunhada, sempre prejudicando os filhos em suas atitudes ou financeiramente.
    São péssimos exemplos (caráter bem duvidoso) e pessoas que não amam meu filho. Querem mesmo é poder manter esse controle sobre meu marido e sem a convivência com o bebê fica mais difícil, né?
    Não tenho a pretensão de afastar meu marido deles, ele que faça como achar melhor, mas DO MEU FILHO CUIDO EU! E SIM, MINHA MÃE É A ÚNICA AVÓ QUE PRESTA, pois sempre foi uma excelente mãe.
    Deixar eu me ralar sozinha? Não tem problema, não será a sogra q fará falta, o filho dela (meu marido) já vem deixando a vida bem mais difícil pra mim.
    Se depender de mim, meu filho não terá nem lembranças referentes aos avós paternos.
    Cada um sabe onde lhe aperta o sapato e sempre farei o que achar certo.

  66. Joi said:

    Para as pessoas sábias e experientes (pois todas as avós se acham experientes, não? Sabem tudo sobre tudo e tudo sobre o que fazer em relação a qualquer criança do mundo, pois avós. Ui!) que estão dizendo “Sinto pela criança que não irá conviver com a avó”, “Tenho dó da criança que não tem nada a ver com a história (da avó e da nora)”, eu tenho uma coisa para comentar: AVÓS TAMBÉM PODEM SER TÓXICAS. Assim como existem mães tóxicas com seus filhos (pesquisem a respeito disso).
    Então, cuidado ao defender a convivência entre netos e seus avós quando esta convivência não for a sua própria, pois eu sinceramente acredito que a não convivência ou a convivência limitada de algumas crianças com seus avós é necessidade para o bem estar dela e daquela família.

  67. Jessica said:

    Gostei bastante do texto. É bastante transparente no que diz respeito a relação sogra e nora, é exatamente desta forma mesmo. Só não concordei na parte em que diz “deixa ralar” pra correr atrás e ver que precisam da sogra! A minha no início me ajudou bastante e sou muito grata, porém, eu era mãe de primeira viagem e um pouco insegura, o que abria espaço pra sempre tomarem as decisões por mim, pois, “tinham experiência”, e, a partir do momento que comecei a perder o medo e vi que podia resolver muitas coisas sozinha (sem tanta ajuda dela), as coisas começaram a mudar comigo, porque ela não se via mais no controle DE TUDO! Por isso, hoje me afastei e resolvi assumir minha filha sozinha, pois nunca tive ajuda do pai, a quem ela acoberta! Eu estou ralando e muuuuito, com prazer, me viro, dou meu jeito e não preciso dela pra nada! Pra mim falta muita coisa, mas minha filha tem tudo o que precisa! Sou “pãe” de uma filha deficiente e faço tudo por ela, sem ajuda de ninguém!

  68. Gisa said:

    Discurso de ódio de quem quer ser mãe do filho dos outros e nem disfarça que gosta mesmo é de se meter. Não tem poder de decisão e fica aí na amargura na web…rsrsrs
    Bem estranho para quem se diz psicóloga e psicopedagoga…

  69. Gisa said:

    Então, cuidado ao defender a convivência entre netos e seus avós quando esta convivência não for a sua própria, pois eu sinceramente acredito que a não convivência ou a convivência limitada de algumas crianças com seus avós é necessidade para o bem estar dela e daquela família

    Concordo e é o caso em questão. Nem a psicologia e pedagogia ajudaram esta senhorinha rancorosa a entender que tem de ficar é no seu quadradinho e não se meter. kkkk

  70. Gisa said:

    Olha este papo de sogra que foi proibida de ver os netos é um verdadeiro teatro. Se não é convidada para ver os netos é porque não deve saber se comportar ou porque é intromissiva. No mínimo faz que nem esta aqui do site que mesmo sendo psicologa e pedagoga não sabe se comportar também. Só porque criaram a Lei da alienação parental agora ficam aí de palhaçada dizendo que foram proibidos. Eu canso de ver isso acontecer. de ver avos que não estão nem aí pra os netos e que dizem que são proibidos de ver os netos é para PREJUDICAR A MÃE DA CRIANÇA pois são ressentidos e invejosos.Vão cuidar de suas vidas suas malas sem alças, VÃO TRABALHAR PARA COMPRAR FRALDAS PROS NETOS E, SE FOR O CASO, AJUDAR A PAGAR PENSÃO ALIMENTÍCIA TAMBÉM. RSRSRSR.

  71. Suzy Terra said:

    Gisa, parece que você não entendeu o conteúdo poético do texto do blog. A psicóloga não está rancorosa, ela simplesmente descreveu um personagem que existe sim, pois pessoas com o coração injusto e que proferem palavras inadequadas que ferem e também praticam atitudes egoístas, há em ambos os lados das cercas (se é que você entende o que eu quero dizer com isso). Tanto sogras como noras podem ser megeras. Existem pessoas megeras, ou seja, qualquer um dos lados do problema entre nora e sogra pode ser o responsável pelas injustiças do relacionamento. Mas, uma coisa é certa, péssimas noras, serão péssimas sogras. Portanto, esta criatura ‘nunca” será feliz, pois sempre colocará a culpa do relacionamento, na outra pessoa. Bem aventuradas as noras e as sogras de bom coração!

    • Suzana said:

      Um dia, quando você for sogra, principalmente de uma mulher, quero ver continuar a pensar isso…
      Pode ter certeza de que mudará sua opinião.

  72. Natália said:

    O filho é de quem coloca ele para fora e ponto final. Nem sogra nem mãe se metendo. Que coisa mais ridícula. Minha mãe colocou três meninas no mundo e NUNCA a vi dando ordens em como minha irmã cria meu sobrinho. Agora, as mães de homens sempre ouço as mesmas histórias. Pelo amor de Deus! Sabe o que é pior? Quem cria o homem é uma mulher (…) fomos criadas para nos odiarmos, a concorreria rola até nisso!

  73. Jin said:

    O filho é de quem pariu! A sogra deve saber quem é a mãe de verdade! A minha não respeita nenhum espaço e quer tomar o meu lugar de mãe, antes pensava que era paranoia minha, mas meu marido (próprio filho dela) falou que ela quer me substituir! Se meu filho chora ela tem a cara de pau de arrancar meu filho dos meus braços, sem pedir! Esse artigo é muito bom, mas mostra a nora como vilã e não é bem isso! A sogra deve ter empatia! Sogra e nora devem se respeitar mutuamente!

  74. Verônica said:

    Independentemente de seres sogra e nora, em primeiro lugar tem que ter respeito ambos os lados porque se não nunca vai ter união. O neto tem que ter amor da mãe, do pai, dos avós, dos tios e de todos. Mas tem casos e casos. Avó que ama seu filho é óbvio que irá amar o seu filhinho que será seu neto. É natural. gente. O que não pode é a nora inventar neuras que ela irá tomar o lugar de mãe. Isso não vai acontecer. Uma avó de verdade, de amor puro, ela vai sempre dar o melhor para o seu filho ter sua família em harmonia. Parem de tentar fazer as sogras de megeras, de maldosas. Eu amo meu filho, nunca vou querer o mal dele. Eu vou fazer o bem, estar sempre apoiando pra vivermos felizes…

  75. Miriam said:

    Acho que como psicóloga ela deve aconselhar de forma imparcial!!! Coisa que faltou nesse texto. Posso estar errada, mas em toda a narrativa foi colocado a nora como a megera da história. O início do texto já começa com a seguinte frase: “a nora encrenqueira”. Pera lá, se a nora tem uma certa desavença com a sogra, alguma coisa aconteceu no caminho, certo?? Ninguém odeia o outro gratuitamente. Essa sogra certamente causou algum ressentimento a essa nora que não a quer por perto. E outra que existem muitas sogras que adoram se entrometer. Não tem como negar! Acham que por serem mais velhas somente o seu conhecimento é válido, deixando a nova mãe numa posição de fragilidade, pois sempre está apontando, dizendo que não se faz daquela forma etc…

  76. Deby said:

    Eu não acredito que li um texto desses… A autora deve ser a sogra que se sente ameaçada pela nora “megera”… Mais imparcialidade, por favor… Mais amor, por favor… e respeito.
    Meu relacionamento com minha sogra já deu errado desde o primeiro dia, 11 anos de casamento e há menos de 2 meses ela disse: a mesa de jantar que eu roubei o filho dela. Paciência, se ela pensa assim. Nunca faltei com o respeito com ela, sempre mediei os conflitos, sempre fazendo com q meu marido não se afastasse dela, e continuo sendo a nora megera ladra de filhinho… ahhh, me poupe. Tenho dois filhos meninos e com toda a certeza do mundo vou acolher minhas noras como filhas pq mesmo q a nora são seja a que a mãe idealizou ninguém merece ouvir e passar pelo que eu passo.

  77. Renata Tartai said:

    Se a sogra quer um bom relacionamento, ela precisa respeitar a nora. A reconhecendo como mulher do filho dela e mãe dos netos.
    Geralmente a nora tenta fazer com que dê certo, mas depois de tantas fofocas e intrigas que a sogra cria na relação, tem hora que é um caminho sem volta.
    Uma relação é uma via de mão dupla e o respeito deve ser mantido.
    Uma nora não precisa de uma sogra para ajudar a criar seu filho… uma nora precisa de uma mulher carinhosa, respeitosa e amiga dela. Que não faça críticas nas horas erradas e dê opiniões desnecessárias quando não foram solicitadas.

  78. claudia said:

    Depois de ler a matéria e os comentários, o que tenho pra comentar é para as sogras. Por que vocês querem trazer pra vocês mais responsabilidades do que já tiveram pela vida afora? Já não foi difícil criar seus próprios filhos? Pessoas da geração que hoje são avós a maioria teve mais de um filho, criar filhos é muito difícil, muito complicado e desgastante. Agora que eles cresceram, se casaram e foram dar trabalho para outra mulher, sua nora, vc quer continuar cuidando dele e ainda trazer para si a preocupação da educação de seus netos? Não faça isso consigo mesma! Uma mãe tem o direito de educar o filho como quiser. Existe até uma lei garantido isso, pode pesquisar aí. Se ela não bate na criança, não maltrata psicologicamente e a divergência é apenas porque vc não concorda com O JEITO DELA EDUCAR, não há nada que vc possa fazer. Agora, se ela bate, deixa passar fome, expõe a criança a um ambiente de casa suja, ou seja coisas graves de verdade, não fique falando e se desgastando porque ela não vai te ouvir de forma alguma. Denuncie. Existem canais pra fazer de forma que garante o anonimato. A conduta dela será investigada pelos órgãos competentes, inclusive com visita-surpresa de assistente social pra saber se o ambiente da casa é sujo. Porque se a nora é porca nunca vai adiantar vc dizer que ela tem que limpar a casa para o bem-estar de seu neto e seu filho. Agora, lembre-se, seu filho também tem obrigação de dividir os serviços domésticos. Se for só ele que faz e ela é mesmo folgada. Denuncie também. Mas esses casos são raros. O que vejo são pessoas querendo que o outro seja do jeito que acha certo, sem que o outro esteja fazendo nada de errado. Apenas faz de um jeito diferente. Não queira ser vc que dá banho, que educa, que faz a comida etc. Seja a avó que brinca, que dá presente (consulte a mãe antes de comprar o presente) e se a mãe é daquelas que gostam de alimentação saudável, pare de dizer que não tem nada a ver. Ela que decide isso. Mesmo porque a criança vai chegar a uma época em que ela mesma vai reivindicar seus direitos e comerá o que ela quiser, se algum dia não concordar com essa alimentação da mãe. Não é preciso vc dar doces escondido ou discutir porque quer que o neto coma pizza, se a mãe quer que coma sopa de inhame, ficar com pena porque a criança quer coca-cola e a mãe só dá suco de frutas. Isso não mata ninguém e não é maldade. Pensa: uma mãe que tem trabalho de espremer uma fruta ao invés de abrir uma garrafa de refrigerante é uma mãe preocupada com a saúde da criança. E se for o contrário, se só der refrigerante. Se for extremo e a criança estiver doente, aí vc deve intervir. Mas se não for extremo a ponto de adoecer a criança, também não adianta falar, é inútil. De fato que não entendo é por que as mulheres depois de terem passado uma vida cheia de responsabilidades criando filhos querem continuar assoberbadas criando netos. Deixe que quem é mãe tenha o trabalho e aproveite só pra curtir o neto.

  79. Cecília said:

    E quando é a filha que não faz questão da mãe ver a neta? Inventa mil coisas para justificar, mas fica visível a indiferença sobre o assunto. Se tento conversar sobre como isto me afeta psicologicamente, ela diz que sou paranóica. Então estou deixando rolar, mas isto para ela é omissão.

  80. Aline said:

    Pelo que compreendi do texto, está tentando defender a coitadinha da sogra. Sugiro que leve a minha para casa…
    Fui casada 6 anos, tivemos um rompimento e reatamos. Até aí, ok, sempre me dei bem com ela. Até engravidar…
    Sempre fui de opinião forte, mas sempre respeitei as pessoas, porém não tenho muito papas na língua.
    Enfim, durante a gravidez, ela já quis me colocar num vidro, não sou muito de mimi até porque tive uma gestação muito tranquila e me senti à vontade para estar ativa.
    Com sete dias de cesária, ela aparece lá em casa me xingando, dizendo que eu estava tentando matar meu filho porque estava tomando chá pra fazer cocô (não havia feito ainda, e o médico havia dito que, se não fosse ao banheiro naquela semana, teria que fazer uma lavagem). Discutimos feio, ela chegou ao ponto de avançar em mim na cama. Dali, a relação pra mim acabou, fiquei um tempo sem ter contato, mas voltei a falar com ela. Mas sempre com pé atrás, e avisei que não queria seus palpites.
    Como 4 meses depois voltei a trabalhar, o bebê teve que ir para a creche, fez uma semana de adaptação e ficou super bem. Na segunda semana, a escolinha começa a me ligar desesperada no meio da tarde, eu estava em reunião, ligaram pra minha casa, celular, tudo que podiam. Despistei e fui olhar meu WhatsApp: “tem gente aqui pra pegar o Lorenzo. Posso entregar?”
    Entrei em desespero achando que estão tentando roubar meu filho, sei lá, paranóia de mãe, eu acho. Saí da reunião às 17:00, liguei pra escola pra ver se já tinham chamado a polícia, KKK, a prof. diz que estavam lá ainda esperando a autorização porque era um absurdo os avós não poderem pegar o neto, e que daquele dia em diante eram eles quem pegariam. Não sei se dá pra imaginar a raiva que senti na hora. Odeio violência, mas minha vontade era chegar quebrando tudo na casa deles. Ainda não falo com eles, mas infelizmente são avós do meu filho, ele sempre terá vínculo com essa gente.
    Daí, peguei me criticando porque ele não fica mijado, que eu o acostumei mal, porque sou mãe de primeira viagem e não sei de nada, que estou fazendo meu marido gastar muito com fralda. Fiquei quieta um dia. Depois, vejo eles oferecendo Coca pro bebê de 6 meses, daí foi outra briga. Mas, pelo texto, sou eu quem estou errada.
    Só que prefiro me ferrar sozinha do que ter essa gente perto de mim. Sogra e sogro são bico do cão. Pronto, falei.

    • Lucelia said:

      Gente, esse texto é um absurdo. A minha filha nasceu prematura e minha sogra foi bem parceira comigo na época, mas bastou minha filha receber alta e minha sogra se metia. Tivemos diversos desentendimentos, inclusive um foi por conta de que peguei minha sogra tentando dar de mamar pra minha filha. Pasmem, mais foi. Hoje em dia nossa relação é super difícil. Ela não faz questão de participar da vida da minha filha e quer sempre que eu leve a criança pra visitá-la. A única coisa que ela faz é mandar WhatsApp pra saber sobre minha filha. Sogra é espírito de porco que tem que estar bem longe.

    • Elisa said:

      A minha sogra é bem insuportável também, mas não chegou ao ponto que a tua chegou! Mas tudo igual, ela era um amor comigo até eu engravidar. Aí ela passou a me tratar mal mesmo, ficar me dando alfinetadas, dizendo que eu era ruim com o filho dela… hoje ela quer fazer tudo errado com o meu filho e quando digo que hoje em dia não é mais que nem no tempo dela, eu que sou fresca! Adoraria que meu filho não convivesse com ela! Mas não tem como!!!

  81. Mariléia said:

    Conheço nora que não deixa a sogra curtir a netinha. Estipula o dia e horário da visita. Mas, quando precisa da sogra, chama a qualquer hora. Nada que a sogra faz está correto. E eu sei que minha amiga sempre ficou na dela.
    No casamento do filho, se arrumou linda, e a nora não tirou nem uma foto com o marido e a mãe. Minha amiga sofre muito com isso. Ela se encontra escondido com o filho, para não causar constrangimento para ele. Esse é só um dos casos. Conheço muuuitas noras víboras. Depois, quando precisam, têm a cara de pau de pedir ajuda, mas não melhoram em nada a relação. Deus que me livre de ter nora assim. Eu sempre tratei minha sogra com todo respeito. E sempre soube entender que os conselhos dela, embora não combinassem com meu pensamento, eram para fazer o bem para meus filhos.
    Como ela não vivia comigo, simplesmente não seguia e pronto! Tudo resolvido! As pessoas hoje querem seguir regras rígidas de educação, nutrição, comportamento e esquecem que o amor dos avós é o melhor que existe no mundo.

  82. Duda said:

    Gente, mas esse texto tá todo errado! Primeiro q a sogra e a nora não têm q disputar atenção do filho/marido. Tanto a nora tem q entender que ele tem mãe, quanto a sogra tem q entender que ele não é mais um bebê, agora ele é casado e tem sua própria família!
    Vc fala como se a nora fosse um monstro, do jeito q vc fala parece q a sogra tem direito de se meter na criação do neto, “ela não vai gostar se vc se meter na escolha do nome do filho dela, ela não vai gostar se vc der palpite na criação do filho dela, etc.”
    Meu amor, tá td errado! A sogra não tem q se intrometer em nada. Não é da conta dela! A nora não casou com ela. Na hora de fazer, a sogra não participou!
    Esse negócio q sogra acha q tem q disputar com a nora tá errado, querer ficar se intrometendo em tudo tbm tá errado.
    Cuida da vida dela e deixa o filho viver em paz! Se ninguém pediu a opinião dela é porque ngm precisa. Eu, hein!

  83. Kamanu said:

    Kkk. Acho que, falando dos dois lados, eu me identifiquei, porque a minha quer mandar em tudo. Meu esposo é filho único. Ela acha que é mãe da bebê. Já declarou até que, se eu morrer, essa neta é dela, vai morar lá, está com cantinho de quarto e tudo para a minha filha na casa dela, e meu marido não toma iniciativa de cortá-la. Não quero uma inimiga, mas ela está me prejudicando. Estou até me isolando e tirando as minhas expectativas pq as dela machucam e as minhas destroem. Sogra é difícil mesmo, mas empurrar com a barriga só não dá. Às vezes, é necessário abrir a boca.

  84. Marcela docinho said:

    A autora desse texto claramente é uma sogra e avó que acha a nora uma bitch.
    Entendo que não é fácil ver o ”bebê” dela sair de casa etc. mas vamos ter mais respeito!
    Muitas sogras são completamente sem noção. São inconvenientes, se metem em tudo, tudo querem saber, dar opinião, quando não são extremamente controladoras sobre a vida do casal. Agem como se a casa da nova família que se formou fosse uma extensão da casa dela. Misericórdia. Com relação ao neto: simplesmente respeitem a decisão dos pais!!! Não entendo qual é o problema em não dar chocolate ou refrigerante a uma criança de um 1, 2 anos…. por isso os conflitos acontecem. Se os avós respeitassem a decisão dos pais, seria tão mais fácil.
    No início me dava mto bem com minha sogra, mas isso fez com q ela perdesse a noção entre o relacionamento amiga/nora/sogra e o meu casamento. Infelizmente, ela queria estar presente em tudo, fazer tudo conosco. Tive que me afastar pq ela não soube usar o bom senso. É uma pessoa que de mto prestativa se torna chata. Se ofereceu ajuda uma, duas, três vezes pra uma determinada situação e a pessoa falou não, pare de insistir! E, se for ajudar, seja arrumar um armário de louça, guarda-roupa, pergunta à dona da casa como ela gostaria q fosse feito. Minha sogra, qdo quer ajudar, faz do jeito DELA. Já teve várias situações em que ela mudou a disposição de objetos na MINHA casa pq provavelmente ela achou que a maneira que eu fiz ela não achou bom. As sogras precisam entender que a casa não é só do filho dela. Ali existe uma outra pessoa que mora, a qual tbm é dona da casa.
    Um dia todos seremos sogras, espero não ser sem noção igual à minha. Esse fds ela disse que queria tanto um neto pra cuidar, pois ainda não temos filhos. Ela fala de uma maneira como se fosse criar meu filho, ver de segunda a segunda. Tenho até medo de ter filhos pelo comportamento sem noção. Já até imagino eu recém parida e ela querendo ficar 24 horas na minha casa, fazendo tudo, dando pitaco em tudo, falando o q tenho que fazer…
    Recém nascido tem que ficar com a mãe. Eles estão se conhecendo. Minha sogra vai ser daquelas que vai querer ficar com a criança no colo a todo momento. Ai, Jesus, tem piedade de mim.

  85. Jack said:

    As sogras falam de uma maneira como se nunca tivessem sido noras um dia. Ou não tiveram sogra.
    Falta empatia nos relacionamentos. Se colocar no lugar do outro. E se fosse vc naquela situação?
    Muitas sogras, quando o filho casa, sentem a síndrome do ninho vazio. E, se for filho único, separado ou tiver um casamento falido, pior ainda! Nesse momento ela começa a ver na nora a mulher que “roubou” seu filho. E aí vêm as implicâncias. Muitas sogras não têm vida própria, vivem a vida do filho. Aí, quando ele casa, é óbvio que eles vão querer viver a vida que juntos decidiram. Eles escolheram morar juntos. O problema é qdo uma pessoa que não escolhemos resolve se infiltrar na sua vida diariamente. Pior ainda, naqueles casos em que a mãe quer ir morar com o casal!! E, se falar não, a sogra ainda acha ruim.
    Qdo os filhos saem de casa, a rotina muda pra todos!! A sogra precisa se ocupar. Se for aposentada, fazer algum curso, serviço comunitário, academia… assim, tem menos tempo pra querer a vida do outro.
    Muitas sogras não veem a nora como a mulher, e agora família, do filho dela. A Bíblia diz que o homem deixará pai e mãe e se juntará à sua mulher e juntos serão uma só carne. Assim como o filho deve honrar pai e mãe.
    A sogra acha que a nora não tem capacidade de cuidar bem do neto. Ou acha que a sogra faz melhor e a maneira dela que é a certa. Pior ainda são os comentários do tipo “na minha época era assim…”. Mas, gente! Mta coisa evoluiu! 30 anos atrás. Assim como qdo eu tiver netos, meus filhos tbm farão diferente.
    As mães de 30 anos atrás não tinham que lidar com avós dando celular pra criança de um ano enquanto come, por exemplo. Hj em dia as mães têm que lidar com esse desafio: a tecnologia.
    A sogra quer palpitar em tudo! Só dê opinião quando for solicitado. É tão simples.
    Deixe a nora criar da maneira DELA. Vc já teve sua vez quando criou seus filhos. Deixe a nova mãe viver a experiência dela.
    Casa dela, as regras dela. Sua casa, regras suas. Não vá na casa deles achando que a casa é só do seu filho, querendo impor as coisas que vc julga certo.
    Se oferecer ajuda e ela falar não, não fique insistindo, forçando as coisas. Fica inconveniente.
    E se for ajudar, pergunte como ela quer, ou se do jeito que vc tá fazendo está ok.
    Veja na nora como se fosse uma amiga. Será que vc iria chegar na casa da sua amiga da mesma maneira que chega na casa da nora?
    Sou casada há 5 anos, namoramos 2 anos antes de casar. Só casamos no civil, nunca quis casar com festa, etc. No início, ela sempre falava quando iríamos casar perante Deus. Ficava insistindo. Até que fomos curtos e grossos e ela finalmente aceitou. Ainda bem que o outro filho casou conforme manda o figurino.
    Qdo nos mudamos pro nosso apto, que fica no mesmo bairro dela, ela chorou, parecia que alguém tinha morrido. Queria que fôssemos na casa dela todos os dias. Todo fds tinha que ir lá tbm. Ela ficou com mto ciúmes de mim. Uma vez no carro ela disse pra ele que fazia mto tempo que ele não a levava no cinema. Que agora só queria saber de mim, da esposa dele. Que tudo era eu. E começou a chorar. Fique passada!! Aí ele respondeu que ela deveria pedir pro marido dela levá-la no cinema. Que agora ele era casado e quer fazer as coisas com a esposa. Teve um outro episódio que ela me disse que eu dominava meu marido.
    É tão bonito ver um casal unido, parceiro. Um não toma decisão sem antes falar com o outro.
    Com o tempo, ela foi acostumando, melhorou. Mas ainda vejo que morre de ciúmes.
    Ainda não temos filho. Vive pedindo neto pra poder cuidar. Na cabeça dela, ela acha que vou ter filho pra ficar morando com ela.
    Sempre gostei de tomar conta das minhas coisas, não gosto de pedir nada, só peço de realmente precisar. E qdo tiver filho não vai ser diferente. Eu quero ter filho pra eu cuidar. Ela vai ser avó, que alguns fds passa o dia com a criança, leva pra passear. Não vai ficar dormindo na casa dela. Assim como eu qdo criança não gostava de dormir fora de casa, os filhos dela tbm não dormiam fora. Ela mesmo já falou que raramente os filhos dela dormiam na casa da mãe dela. Agora, se sou eu que faço isso, aí sou a nora megera.
    Sem contar a alimentação!! Tenho certeza que qdo tiver filho terei um sério problema com isso. Ela vive dando chocolate, suco de caixinha pra um priminho. Não tem necessidade de dar qdo a criança tem 2 anos. Por óbvio que a criança vai comer Mc e porcarias. Mas enquanto eu puder selecionar o q comer, qdo chegar na fase q ele vai escolher o q comer, o paladar já está preparado. Os filhos dela não comem salada, só tomam refri ou suco de caixa, todo dia comem doces. Não é à toa que vivem com cárie. Ela mesma foi no dentista e teve 3 cáries e tirar um dente. Então, qdo ela for cuidar do meu filho, tenho certeza que vai querer dar escondido essas coisas… Só deus na causa, dando mta paciência e jogo de cintura.

    • Lo uiza said:

      Realmente, saber quando é indelicado e exagerado é óbvio. Manter contato saudável também é imprescindível. Afinal, só queremos ser avós.

  86. Lais said:

    Esta pessoa que fez essa reportagem precisa se tratar urgente! Coitados de seus pacientes, noras e netos! Em nada vc ajudou ou contribuiu com essa reportagem para melhorar a relação familiar, principalmente entre sogras/noras, sogras/genros, sogra/seus filhos, sogra/seus netos. A falta de empatia para com o outro é evidente em sua reportagem… temos de compreender que antes de sermos sogra, nora, genro, filho, neto somos primeiramente seres humanos passíveis de erros mas, também de acertos… vc sogra já cumpriu o seu papel de mãe e até o tem de fazê-lo com o seu filho ou filha e não com a sua nora e neto/neta… esta relação de mãe e filho é construída por eles… então, nada mais justo que deixem eles construírem essa relação… se vc quer o respeito, se dê ao respeito e vice versa! Tudo começa pelo respeito, amor a si próprio, amor ao outro e entender que cada um tem o seu espaço e o mesmo deve ser respeitado! As coisas são tão simples, não há razão para complicá-las! Triste em ver pessoas assim!

  87. Neide Pereira Silva said:

    Não consigo entender por que a pessoa fica disputando filhos e filhas com noras ou genros. Precisamos entender que não podemos semear discórdia no lar deles, tendo motivo ou não. Devemos ser sábias (os) e entender que, se ficamos fofocando, eles podem brigar ou até se separar por nossa causa. Daí vão perguntar: por que se separam? Porque eu me entrometia por demais na vida deles, falando mal de minha noras e genros para meus filhos(as). Se sabemos que a família de nossos filhos estiver bem, isso nos basta para ficarmos felizes, mesmo que a distância nos deixe triste de saudades. Mesmo assim, Deus vai trabalhar nessa situação fazendo que o melhor para nossos filhos acontecerá com minha presença ou não. Principalmente se tivermos netos, entender que uma família feliz é pai e mãe juntos em harmonia, felicidade, paz com seus filhos. Netos amam demais a mãe e o pai juntos, mesmo que haja discussão por coisas deles, tudo bem, logo estarão em paz novamente, quando há amor é assim. Ficar sempre do lado de noras e genros para não quebrar nossa amizade com eles é primordial. Com filhos, mesmo que brigamos, é mais fácil de reconciliar. Não podemos fazer do Lar de nossos filhos campo de guerra, sendo as sogras ou sogros pivô dessas guerras. Mas não sei o que acontece que muitos não enxergam isso, acham que proteger os filhos é causa de brigas. Nós, sogras, não podemos ser o motivo do casamento de nossos filhos não dar certo. Não ver a gravidade que acontece quando existe fofoca, mesmo estando falando a verdade, é fofoca e semear discórdia. A palavra de Deus nós avisa sobre isso. É muito sério. Seria mais sensato se amarrássemos uma pedra no pescoço e se lançar ao mar. Deus abomina quem semeia discórdia. Estou falando da posição da sogras diante ao casamento de nossos filhos, dentro de uma relação que daria certo se não tivéssemos nos entrometido. Dentro do normal teria que ser assim. Precisamos ter cautela pois o inimigo só vem para matar, roubar e destruir, e o alvo dele é a família. Precisamos não deixar que ele nos use para causar separação. Muitas vezes ele é sutil, e nem percebemos que ele tem nos usado de várias formas e situações. Nós podemos ser de grande valia para nossos filhos e família, nossas orações têm muito valor para Deus. A oração de uma mãe é sempre ouvida por Deus. É só entregar tudo a Deus e ele tomará conta de tudo da melhor forma possível. Entender que Deus é justo e sonda nossos corações e sabe a verdadeira intenção dos nossos corações, sendo analisado por Deus, tanto o coração da noras e das sogras. A verdadeira intenção de nossos corações. É isso. Que Deus lhes dê muita sabedoria para lidar com estas situações.

  88. Juliana said:

    Kkkk
    Gente, realmente, relacionamentos podem ser difíceis. Olha só… eu sou muito tranquila e minha sogra também. Resultado… ela é uma outra mãe pra mim e eu gosto demais da presença dela, mas minhas cunhadas tb, e aí eu sou nora, então eu e os meus filhos somos “o segundo plano” na vida dela. Não cobro ela por isso, sempre trato com carinho e entendo. Na contramão disso minha mãe tem uma personalidade difícil, ela sempre se posiciona querendo dar a entender q não sou uma boa mãe e não tomo as decisões corretas com relação aos meus filhos. Aí, ela acha q por ser minha mãe os meus filhos são dela e impõe as vontades dela como cortar o cabelo deles como ela quer e no modelo q quer, o que eles devem ou não comer, o que podem ou não assistir. Se eu discordar, ela faz pelas minhas costas. E meu marido fica muito irritado! Tento lidar com tudo sem desrespeitá-la e acalmando meu esposo, mas no fim eu fico com meu coração triste e super pesado pq na verdade eu gostaria só que ela entendesse que quero cuidar dos meus filhos do meu jeito. Como ela cuidou de mim e dos meus irmãos sem esse inferno que a minha vida virou! Meus filhos e o meu esposo reclamam muuuito, e só pra mim, e eu fico no meio disso. Além de tudo, se eu precisar dela, ela sempre me enrola e nunca está disponível, então eu nem procuro mais. Ainda fica falando das minhas tias q são bestas e exploradas pelas filhas q jogam os netos nas costas delas e que jamais seria assim com ela. Só Jesus!!!! Meu marido diz q eu devo estar pagando um carma de uma vida passada! E eu lembro a ele o tempo todo q é minha mãe, pra ele não perder a compostura com ela, tenho medo disso. O certo é q não existe fórmula na vida!

  89. Mirian said:

    Gente, q texto mais sem noção! E, quando a sogra vive jogando indiretas, a nora tem q ficar caladinha, é isso? Por favor, faz um texto explicando pras sogras respeitarem as noras e pararem com ciuminhos de ter pego o bebezinhos delas, faça elas entenderem que o filho é da nora sim, saiu da barriga da nora, foi a nora que pariu, as sogras têm sim que pedir permissão sim para fazer qualquer coisa com o neto. Se não têm um bom relacionamento com as noras, ora, aprendam a respeitar, tratem como filhas as noras, não só de boca, que tenham um espaço na vida da nova família.

  90. Rosita said:

    Gente, sou sogra e minha vida é tão agitada que não tenho tempo e nem quero dar palpites em nada. Quero ser feliz, curtir minha vida, estudar, viajar. Tenho 54 anos e estou correndo contra o tempo. Cada uma tem que respeitar o espaço da outra. Não perdi um filho pra ela, ganhei outra filha. Sem disputas. Minha neta é dela. Ela é quem decide.

  91. Gabriel Magalhães said:

    Excelente artigo. Lembrando que no começo da separação há uma verdadeira mistura de sentimentos: frustração pelo fracasso do relacionamento, tristeza, culpa, raiva, ansiedade e nervosismo quanto ao que virá pela frente, e até mesmo desejo de vingança…. Tudo isto acaba se misturando, tornando essa fase muito mais confusa e dramática, podendo gerar inclusive quadro depressivo nos filhos.

    Sei o quão difícil tudo isso pode ser, mas não se deixe tomar pelos sentimentos aflorados que não ajudam em nada. Tente reconhecer que um ciclo se encerrou e outros começarão em sua vida. Cuidar de si mesmo e seguir em frente é melhor para todos, principalmente para os filhos.

  92. Mayara Oliveira said:

    Sabe o que eu acho? Que na hora de fazer “os netos” nenhuma sogra tá junto, pelo menos é o que se espera. Aí, quando a nora engravida, quer se meter em tudo achando que tem algum direito! Avós, entendam, vcs já criaram seus filhos, deixem a gente criar os nossos em paz, e parem de achar que têm direitos, pq vcs não têm em relação a nada! Essa escritora aí tá na cara que é uma sogra que pensa que tem direitos que não estão sendo dados pra ela.

  93. Haissa said:

    Aproveite que seus filhos estão tocando a vida e vá fazer o mesmo. Arrume um novo namorado, vá de voluntárias para a maternidade do hospital, ou em um lar de crianças órfãs, vá arear umas panelas, mas deixe o casal em paz com seus filhos…..

  94. Dayana said:

    Claramente a pessoa que escreveu isso tem problemas sérios, acha que o filho é um bebezinho e a nora um qlq. Deixe a família do filho em paz, o bebê não é seu filho, é apenas neto, não subestime a importância da mãe.
    E procure algo para fazer, assim deixa a família do seu filho em paz.

  95. Luana R. said:

    Sempre me dei bem com minha sogra, mas depois que fiquei grávida ela começou a ficar fria e estranha. Nunca fiz nada de ruim pra ela, mas por inveja ou recalque passei maus bocados. Depois que meu filho nasceu ela chegava às 19hs com um perfume super forte, e ela nunca foi de usar, e ficava até 23hs sacudindo meu filho no colo tds os dias. Hoje ele tem alguns problemas respiratórios. Mesmo a pediatra, que foi pediatra do meu marido (filho dela), falando pra não fazer isso, ela fazia e ficava uma fera, dizendo que é besteira, que ele tinha que se acostumar. Depois veio com roupa de lã de 30 anos atrás querendo colocar no bebê. Moro no Rio de Janeiro, calor o ano inteiro. Aturei ao máximo, mas, quando ela e a filha resolveram trazer um trabalho de macumba dentro da minha casa, foi a gota da água. Não tenho nd contra a religião, mas fazer mal a uma pessoa porque não concorda com td q vc diz é insano. Fiquei sangrando 6 meses e nenhum médico sabia o pq. Com 15 dias de vida meu filho teve estenose hipertrófica de piloro, o intestino estava fechado, teve q operar. Vc acredita que ela chegou no hospital e me perguntou o q ele tinha, eu disse q não sabia. Ela comecou a gritar dizendo que eu não tinha competência de ser mãe, que ela que deveria criar o neto. Como se não bastasse, minha família é de outro estado, só tenho uma tia que mora aqui, que inclusive pagava o meu plano de saúde e do meu filho, me ajudou e ajuda mto. Essa louca falou na recepção que era pra proibir a entrada dela no hospital por não ser avó de sangue da criança. Te pergunto, um lixo desse deveria ser chamada de avó? Depois de td que passei, ela mandou meu marido escolher entre ela ou eu. Foi a gota de água, ele não pensou 2 vezes e me escolheu. Até hoje ela tenta se impor, mas quase não vê o neto. Meu marido parece nem ligar se ela vê ou não. Só atura por pena e diz q nunca vai esquecer o q ela fez pra gente. Ela vai quase td dia no trabalho dele tentando se fazer de santa, que tem saudade. No fundo ela é podre por dentro. Uns anos atrás ela se mostrou arrependida e por ser avó dei uma chance, apesar de tudo, deixei meu filho 2 hs com ela sozinha, quando fui buscar ele estava apavorado, só Deus sabe o que ela fez. Depois, nunca mais. Sempre se ofereceu, mas ainda bem que meu marido viu o estado dele e não deixa mais. Ela destruiu a família do meu sogro. Traiu ele com um amigo. Agredia os filhos dele de outro casamento e chegou a bater na sogra dela, bisavó do meu filho, hoje com 94 anos. Se eu pudesse, proibia ela de ver, mas, enqt estiver morando na mesma cidade, vou aturando. Hoje ele está com 3 anos e é a alegria da nossa família. Espero que eu possa dar um bom futuro a ele e que ninguém faça maldade com ele pra me atingir. Só desejo às avós que fazem um inferno na vida da nora que sejam mais humanas, menos egoístas e más. E que Deus dê pra vcs o que vcs merecem.

  96. Diesca de Almeida said:

    Adorei ler os comentários. Eles foram mais esclarecedores do que o texto. A relação de sogra e nora é bem complicada para alguns. A minha sogra sempre que pode dá um palpite de como eu devo fazer ou agir com meu filho de 3 meses. Por isso, eu até evito de contar algumas coisas sobre ele. Ela acha q tá sempre certa e que eu e meu esposo somos burros. Outro dia, contei pra ela q meu bebê estava com cólica mto forte de madrugada e que a única coisa que acalmou ele foi ficar com ele no colo e caminhando pela casa, e daí ela pegou e falou pra eu não fazer isso por que senão ele iria ficar mal acostumado. Mas a mãe sou eu. O mais engraçado é que fomos numa festinha e lá ele teve cólica e, advinha, ela pegou ele no colo e ficou caminhando com ele pelo salão (bem do jeitinho que eu tinha contado pra ela). Ela tem uma mania de pegar ele no colo e mesmo q ele comece a chorar ela não me entrega ele, o que seria o normal. Se uma criança chora, vc tem que dar pra mãe, mas ela não faz isso. E isso me irrita mto. Parece que ela quer ser mãe dele. Sem contar que, quando meu esposo vai pegar ele no colo, ela fica o tempo todo falando: “aí, cuida da cabeça dele, ele tá torto, pega direito, tu não sabe pegar”. Mas ele é o pai, tem que pegar o bebê no colo. Mas ela ficava falando essas coisas e daí meu esposo ficava inseguro e dava pra ela segurar. Essas e outras coisas me irritam. Eu não falo pra ela pq não quero criar atrito, mas acabo falando pro meu esposo e no fim, às vezes, acabamos brigando.

  97. Renata said:

    Texto sem noção, kkkk. A minha sogra não aceita minha relação com o filho dela. Morre de ciúmes dele e dos meus filhos. Fica disputando comigo, não aceita quando me elogiam. Já até me ameaçou tomar meu filho mais velho. E paga de Santa pra toda a cidade. Ela fala tudo isso que vc falou no seu texto: que me ofendo com tudo. Mas a língua afiada dela ela não controla, né? kkkk.

  98. Ana said:

    Bom, vamos lá.
    Sogras, independentemente se é mãe materna ou paterna, deve respeitar o espaço de genro ou nora. Ponto!
    Esse lance que a senhora citou sobre publicação de fotos de filhos é inaceitável para mim, quem quer que seja.
    Mas, para outros, pode ser que seja ok. E tudo bem.
    O fato relevante é Respeito das duas partes.
    Eu não me dou com a minha sogra, mas a respeito e exijo isso dela.
    É tão engraçada essa sua colocação de que não pode várias coisas das quais a mãe materna pode, mas se questione se você a ajudou nos momentos que precisou.
    A minha sogra tem esse texto formado mas nunca trocou 1 fralda do meu filho que hoje tem 2 anos.
    Nunca me ofereceu uma ajuda enquanto amamentava ou precisei dela como mãe do meu marido.
    Eu vou ser sogra SIM.
    E, se DEUS permitir, muito melhor que ela e grata pelo exemplo que me deu de nunca ser como ela.
    Um abraço a vc.
    Que consiga refletir tbm sobre o outro lado.

  99. Cecilia said:

    Toda essa lista do que a nora não gostaria, eu também não gostaria. Você não escolhe nome de Neto, você não toma decisões de mãe pra o neto, você não posta as fotos do bebê em rede social se os pais ou um deles não querem, etc. Não é frescura, é respeito. O respeito deve ser mútuo, ninguém deve invadir a privacidade ou querer decidir as coisas pessoais da pessoa e de sua família. Uma coisa é oferecer ajuda, outra é querer ser a mãe. Criticar e pressionar para que as coisas sejam do seu jeito. Infelizmente isso acontece muito, e acaba causando atrito. Por sinal, você não tem direito de se enfiar no quarto da maternidade não – a não ser que a mãe diga que sim. Pois ela está em um momento especial e muito íntimo, se ela não se sentir bem com isso ou o casal quiser privacidade, eles que decidem – principalmente a mãe.

  100. Inês leal said:

    Eu acho que, se amar o meu filho e o quer bem, já é meio caminho andado pra me agradar.
    Não consigo ver como ofensa o carinho de uma avó…
    Se a dificuldade é comigo, a criança tá fora disso.
    O respeito tem que ser ainda maior da nora, porque afinal sogra é a mãe do seu esposo… simples assim.
    Não tenho nora… mas sou nora, vejo muitas coisas e ouço, mas não levo a ferro e fogo.
    Prezo pelo mínimo de respeito e boa convivência.

  101. Bru said:

    Acho que é uma estratégia dessa “especialista” ser tão inconveniente a ponto de nos fazer pensar: “Graças a Deus que minha sogra não é ela.” Realmente funcionou, gosto mais ainda da minha sogra agora, rsrs. Obrigada.

  102. Aline said:

    Bem na cara que essa escritora é uma sogra jararaca! Que acha que tem todos os direitos sobre o neto, mas quando esse não existia fez de tudo p/ atrapalhar a relação dos pais!

  103. Maria said:

    Interessante a matéria e surpreendentes os comentários. Sou a avó materna de uma adorável menina de 3 anos e mãe de sua mãe de 33. Estou aprendendo a ser avó, mas não estou aprendendo a ser mãe. O fato de minha filha ter agora sua filha não faz de mim outra pessoa. Continuo com a mesma mente de antes, pensando em coisas que ocorriam há muito pouco tempo, quando convivia diariamente com a minha filha, a alimentava, orientava nos seus estudos, buscava na escola, sofria quando perdia um emprego ou uma amiga ou um namorado, quando eu e seu pai éramos responsáveis pela sua sobrevivência. Então veio um casamento, um nascimento (minha neta) e todos acham que aquela mãe, agora avó, que até há pouco tempo era responsabilizada por quase tudo, precisa aprender a se calar e olhar sua filha como um novo ser, independente e resolvido, só porque ela teve seu filho… Para nós avós, é um exercício muito difícil, pois precisamos deixar de ser o que somos e reduzir o amor e a participação que sentíamos e tínhamos na vida de nossos filhos. Tudo como se fosse uma mágica após 30 anos de convivência. Ser mãe não é simples mas, ser mãe da mãe do seu neto é, de acordo com a maioria dos comentários, minimizar o maior amor que sentimos na vida, o amor aos filhos. Não dá para chegar para uma mãe e falar: “Agora eu sou a mãe. Se precisar eu te chamo. E só quero que me ajude, mas por favor evite seus palpites porque não me são mais necessários, nem isso e nem mais nada do que fazia antes. Agora você é avó e fica aí na sua. Sua participação nisso tudo até aqui acabou.“

  104. Luiza said:

    Sogras não devem se meter na construção de uma nova família. Devemos aprender com os nossos erros. Cada um no seu quadrado. Sogra não tem que se enfiar em casa de nora, nora não tem que se enfiar casa de sogra. O casamento já é difícil, uma adaptação, um ajuste aqui e ali. Imagina com terceiras opiniões.

  105. Lucia said:

    Eu li quase todos os comentários, eu acho que cada um tem que ter o seu próprio espaço, sogra não tem direito de ficar opinando na criação do neto, principalmente Sogra Ruim que fez de tudo para separar o casal, e agora vem querer ser vó. Faça-me o favor!

  106. Cansada said:

    Que ridícula essa matéria.
    Li quase todos os comentários, e nossa, como concordo com a maioria… Meus sogros são as pessoas mais invasivas desse mundo. Minha filha é a primeira neta e estou passando muita raiva com eles, desde sogra tirando e colocando novamente o primeiro macacão que eu coloquei em minha filha até visitas várias vezes na semana. Ainda não tive um dia de paz, há 2 meses, e ainda ouço dizer que quando ela crescer vai levar para posar na casa deles e sair com eles.

  107. Liliana Pereira said:

    Dra. Elizabeth Monteiro, das 2 uma, ou vc tem realmente uma nora dos infernos ou vc é uma sogra dos infernos, pois é clara a sua visão pessoal sobre este assunto e não é nada imparcial.
    Falta dizer porque é que a nora e a sogra não se dão bem. Na maior parte dos casos a sogra não aceita que outra mulher seja a protagonista na vida do filho, e ao invés de aceitar e conservar a relação e se tornar amiga da nora, não, segue ali competindo.
    Essa competição segue até à maternidade da nora… Se torna uma avó absecada que quer a todo custo competir com a mãe.
    Desculpe lá, mas é isso que penso…
    Além de que não é direito se enfiar na maternidade… A única pessoa que tem o direito de estar é o pai e/ou os irmãos do bebê que vai nascer.
    As restantes pessoas sejam quem forem devem perguntar… Digo isto pois as pessoas às vezes parece que não penssam e acabam sendo invasivas, decidir pelo casal o que é o melhor para eles.
    Mais amor…
    Mais amor próprio e mais aceitação e respeito pela decisão da vida que os filhos escolheram…
    Se as pessoas não se intrometerem e respeitarem, vão ser sempre bem vindas e convidadas a participar. Caso contrário, obviamente que a nora e nova mãe vai ter medo e vai erguer as suas defesas.

  108. Liliana Pereira said:

    Dra. Elizabeth Monteiro, das 2 uma, ou vc tem realmente uma nora dos infernos ou vc é uma sogra dos infernos, pois é clara a sua visão pessoal sobre este assunto e não é nada imparcial.
    Falta dizer porque é que a nora e a sogra não se dão bem. Na maior parte dos casos a sogra não aceita que outra mulher seja a protagonista na vida do filho, e ao invés de aceitar e conservar a relação e se tornar amiga da nora, não, segue ali competindo.
    Essa competição segue até à maternidade da nora… Se torna uma avó absecada que quer a todo custo competir com a mãe.
    Desculpe lá, mas é isso que penso…
    Além de que não é direito se enfiar na maternidade… A única pessoa que tem o direito de estar é o pai e/ou os irmãos do bebé que vai nascer.
    As restantes pessoas, sejam quem forem, devem perguntar… Digo isto pois as pessoas às vezes parece que não pensam e acabam sendo invasivas, decidir pelo casal o que é o melhor para eles.
    Mais amor…
    Mais amor próprio e mais aceitação e respeito pela decisão da vida que os filhos escolheram…
    Se as pessoas não se intrometerem e respeitarem, vão ser sempre bem vindas e convidadas a participar. Caso contrário, obviamente que a nora e nova mãe vai ter medo e vai erguer as suas defesas.

    • Ana Aline Souza said:

      Bem dita as suas palavras. Aceito que os avós tiveram suas experiências em criar filhos, e que foram bem criados (ou eu não teria me casado com um deles), mas acho que tudo tem seu momento.
      Tive minha filha e foi o meu momento de ser mãe, de errar e aprender. Ajuda e opinião são bem vindas, mas, dizer se é o melhor para um filho, quem decide são os pais.
      Minha sogra é sempre bem vinda na minha casa, tem toda autoridade de corrigir minha filha da forma q ela achar melhor, mas quem dita regras do cotidiano dela sou eu. E nem sempre as noras é que são as “encrenqueiras”.
      Minha sogra gosta e muito de fazer uma cena de vítima, arma todo um caso, cutuca, pirraça, já me ofendeu e me faltou com respeito várias vezes, e isso não é somente comigo e sim com todas as noras dela.
      Quer simplesmente pegar minha filha e levar para bar, e tenho ainda assim paciência de relevar e contornar.
      Reveja sua matéria doutora, pois acredito que tenha feito ela a partir da sua opinião como sogra e não como especialista.

  109. Ivan said:

    Depois de ler vários comentários, percebi que na verdade tudo é uma questão de caráter, falta de amadurecimento. Quando você vai casar, não pode desconsiderar a outra família, seu filho ou filha tem família, e terão que conviver. Ou então nem pense em casar, pois quem vai sofrer é a criança que nem nasceu ainda e não tem nada com os problemas que surgirão. Todos somos diferentes, por isso precisamos entender que temos a obrigação de conviver com as diferenças. Os pais sempre vão se preocupar com os problemas dos filhos, e os filhos e noras deveriam aceitar conselhos dos que já têm experiência, ou pelo menos ouvir os conselhos. Para ser pai ou mãe, primeiro temos que aprender tudo sobre como cuidar de uma criança, e isso aprendemos com os que já sabem, sogra, sogro, mãe, pai, irmãos, porque sempre precisaremos de ajuda. Uma hora ou outra, se vai seguir os conselhos ou não, aí é com o casal, mas é preciso praticar a boa bondade e respeitar a todos os que realmente têm conhecimento e aos que acham que sabem. Bom senso a todos.

  110. Damaris said:

    Com todo o respeito, existem casos e casos. A autora descreve apenas o lado da avó, que nem sempre é este ser amigável que ela pinta e que está ali só para ajudar e curtir o neto.
    Eu tenho uma filha de 8 meses e sou uma pessoa muito educada e compreensiva, mas mesmo eu me irrito com a minha sogra, visto que ela e NÃO EU tem uma necessidade de se meter tanto na vida do filho, quanto da neta, inclusive achando que sabe mais, pode mais e manda mais…
    Isso não existe.
    Os tempos são outros, o que era certo para eles, hoje pode não ser mais… e não ignorando a sabedoria delas, mas cada uma precisa estar no seu lugar.
    Me desculpem as sogras, mas, por favor, se vcs amam tanto os seus filhos e netos, os deixem viver bem e felizes, sem agitar conflitos na família.

  111. fatima said:

    Estou passando por esse problema. Vou ingressar com uma processo judicial para poder conhecer minha neta que tem 3 anos e ainda não conheço. Um absurdo!
    Tudo isso poderia ser evitado se os filhos tomassem uma atitude de homem e mediassem o problema mas, infelizmente, vivem morrendo de medo de perder a mulher e não fazem nada porque sabem que a mãe eles jamais perderão.

  112. AndyS said:

    Estou grávida de 37 semanas, e já vejo problemas com a sogra. Somos mulheres muito diferentes, mas respeito muito ela. Minha sogra é uma mulher suuuper machista, casada com um homem machista. Minha mãe é nada machista, ela sempre foi a provedora do lar, e instruiu nós filhas à independência financeira e emocional. Meu marido e eu somos do interior, estamos juntos há 8 anos e moramos juntos há 6 anos. Minha sogra mora a 400 km da nossa casa, no interior, mas toda vez que ela vem são muitos pitacos, muitas opiniões inoportunas que incomodam inclusive meu marido, pois é desrespeitoso com o que acreditamos. Quando eu estou na casa dela andamos conforme as leis da casa dela, mas na nossa casa ela não respeita. Não entro em conflito, e o que pode ser escutado e atendido, sem interferir nas nossas crenças e saúde é atendido. Contudo, aquilo que não dá pra atender é ignorado, mas ela fica furiosa se corroendo por dentro, torcendo para que aconteca o erro da minha parte. É complicado! A última foi que, segundo minha sogra, é necessário enfaixar a barriga do bebê para que o cordão umbilical fique “sadio”. Eu escutei isso, troquei o assunto e segui a vida. Na outra semana ela disse que iria cortar e costurar faixas para enrolar a barriga do bebê, respondi que segundo os pediatras a orientação hoje em dia é não abafar a ferida e fazer a assepsia com álcool 70% e que eu seguiria essa recomendação. No mês seguinte ela veio nos visitar com várias faixas para enrolar o bebê, e assim que entregou as faixas me perguntou se eu iria usar. Educadamente, na frente do meu marido, respondi que iremos seguir as recomendações dadas pelo pediatra e que portanto, não seria necessário as faixas. Ela ficou muito incomodada, dizendo que ela fez isso com os filhos e que tinha dado certo e blá blá blá… É difícil.

  113. Thais Cristina said:

    Li o texto e vários comentários e vi que as sogras “gostam de posar de vítimas”. Cada um tem sua experiência de vida, crenças e costumes, e todos devem respeitar e serem ser respeitados. O que serviu para o filho(a) da sogra, pode não ser nada adequado para os netos, visto que a medicina avança e as atuais gerações possuem menos crendices e mais informações sobre todos os assuntos (medicina, psicologia, educação, etc ). Ex.: hoje não se bate em criança e tanto eu quanto o meu marido apanhamos demais. Meu filho é educado, obediente e não apanha. A obrigação e direito dos avós é de se divertir com os netos, manter um convívio muito agradável e feliz com o casal e os netos, sem interferências (com exceção dos casos em que os netos estejam sofrendo maus tratos, aí a medida seria denunciar à justiça entregando provas). Eu fui muito desrespeitada e humilhada pela família do meu marido muitas vezes e optei por me virar sozinha nos cuidados com o meu filho desde o primeiro dia. Não precisei de ninguém, não me arrependo e o meu filho está crescendo uma criança muito saudável, em paz e feliz. Após eu sofrer mais ofensas e afrontas, perto do meu filho e diante do meu marido, optei por espaçar longamente as visitas aos meus sogros. Meu marido “fica surdo” quando as ofensas são feitas diante dele, ele tem uma postura extremamente submissa em relação aos pais (ele e os 2 irmãos têm medo de falar, é estranho), nunca me defendeu e depois que o pai dele percebeu, as ofensas ficaram ainda mais constrangedoras. Sempre fui muito educada, minha sogra me tratava bem, dizia que sentiu “um amor à primeira vista por mim”, éramos muito amigas, até que minha cunhada voltou a morar com os pais e logo na primeira semana, “o castelo de areia desabou”, e passei a ouvir apenas ofensas e frases grosseiras. Pensei que minha sogra estava agressiva comigo para descontar as diversas frustrações e decepções que acumulou com essa filha. Faz quase 8 anos que isso aconteceu e não tenho mais esperanças de retomar o bom relacionamento, porque fiz diversas tentativas de reaproximação e só “levei paulada”. Não quero ter que me tratar de depressão novamente, porque já tive e quase caí novamente. Portanto, me afasto. Estou feliz e em paz, pois sei que não fiz nada de errado, e segui os conselhos da psicóloga que me tratou. Existe um livro que fala sobre “como se livrar de relações tóxicas parentais”. Seria importante que todos lessem. Essa “animosidade” das sogras dominadoras e repressoras deveria ser melhor avaliada nesse texto. As noras não se afastam das sogras à toa. Mas esse texto foi escrito por uma sogra, que parece querer “alfinetar” suas noras, pela forma como foi escrito. Eu só lamento.

  114. Auri said:

    Cada membro da família possui o seu papel.
    Dar pitaco sobre como tratarmos o nosso próprio filho, parte não somente dos sogros. Mas das mães, das tias mais velhas e de outras pessoas. E isso é extremamente irritante.
    Minha sogra sempre me tratou como filha. E sempre que opinava algo que eu discordava, eu justificava que eu faria da maneira que eu acreditava.
    E mostrava os motivos. Gostando ou não, respeitou a minha opinião.
    Então, nem todos possuem um bom relacionamento. Mas cada um deve saber onde começa o seu papel e onde encerra. Senão, ao invés de terem motivos para estarem unidos (os filhos, que são bençãos), terão motivos pra ficarem se alfinetando.
    Pais devem criar e educar seus filhos baseados na filosofia em que acreditam. Avós têm um papel importante na vida do neto. Mas também tem limites. Criar, educar, disciplinar, etc, é responsabilidade dos pais. A oportunidade dos avós para exercer essas atividades foi quando tiveram seus filhos. Então… Cada um no seu quadrado. Respeitando a todos.

  115. Nana said:

    Puxou a sardinha pra sogra! Sou mãe e minha mãe parece mais minha sogra do que mãe, quando se trata do cuidado da minha filha. As sogras ou mães têm que entender que o processo de ser mãe é de erros e acertos como o de qualquer mãe. Que não é porque elas já foram mães que elas são melhores do que as filhas ou do que as noras. Que o melhor a fazer é se colocar no lugar de avó e não de mãe. E, o mais importante, não usar da condição financeira mais favorável para manipular os netos e colocá-los contra suas mães. Sou tia e aprendo muito vendo como minha mãe se comporta para não fazer o mesmo como tia. Tento não dar palpite na vida da irmã em relação aos filhos dela. Procuro sempre perguntar se ela precisa de ajuda e se ela não precisa, eu não insisto e por aí vai… Temos que deixar de ser autoritárias e de achar que sempre estamos só querendo ajudar, quando estamos mais atrapalhando do que ajudando.

  116. Paula said:

    Dra. Elizabeth, esqueceu de mencionar as noras que são maltratadas pelas sogras desde a gravidez, que rejeitam a neta na barriga, por ciúmes dos filhos, que resolvem adorar os netos depois que nascem, mas se esquecem de respeitar a nora. Minha filha hoje tem quase 5 anos e não criou vínculo com a avó. Já a levei obrigada várias vezes para visitar a avó, já a obrigue a beijar a avó inúmeras vezes também, coisa que não faço mais, por ter consciência do quanto essa atitude é prejudicial para minha filha. Esqueceu de mencionar as avós que não fazem por onde criar vínculos sinceros com os netos, que acham que os netos têm que amá-las somente por serem netos. Cativar é essencial, e cultivar também. A falta de respeito com a mãe do seu neto é vista por ele, assim como a falta de respeito com a família do neto. Crianças observam TUDO. Eu não tenho mais minha mãe nem meu pai. Os dois faleceram muito antes de eu ter minha filha. Adoraria ter um vínculo de mãe e filha com a avó da minha filha. NÃO GENERALIZE, POIS INCORRE EM SER INJUSTA COM MUITAS MULHERES QUE SOFREM. Fica a dica.

  117. Val Cerpa said:

    Não entendi pq a maioria se enfureceu com a Dra.
    Eu não sou avó. Tenho um filho de 23 anos. E achei as dicas da Dra. maravilhosas.
    Eu sou uma pessoa muito gentil, as pessoas costumam gostar muito de mim. E qdo eu for a sogra eu não quero ser a intrometida. E vou seguir as dicas da Dra., para q eu fique “no meu quadrado”.
    Pq, como algumas disseram, algumas vezes achando q estamos ajudando, podemos é estar atrapalhando. E infelizmente essa rixa entre sogra e nora sempre existirá. Sorte de quem ultrapassa essa barreira. Eu por exemplo tive uma sogra q sempre me ajudou, mas tbm sempre foi uma pessoa muito chata, por vezes até bem tóxica. Mas, eu consegui contornar isso. Sem criar clima, eu me afastava, demorava um pouco mais para visitá-la.

  118. Lilian said:

    Entendendo que existem casos e casos. Em ambos deve haver “respeito”. Eu sou avó e sogra.
    Nunca dei palpite algum na educação ou relacionamento da família que meu filho começou. Meu problema vai mais além. Religiosidade.
    Os pais da minha nora se dizem “cristãos” berço evangélico. E que eu não sou um exemplo na educação dele.
    Não posso ver meu neto, o vejo raramente e sob vigilância. A mãe da minha nora (pastora) teve um sonho “profético” que eu não posso nem chegar perto do neto dela, que tbm é meu, pq posso matar meu neto que eu amoooo mesmo sem contato.
    Me sinto muito triste, me calo, às vezes choro sozinha para que meu marido e outros filhos não vejam, para não criar um clima ruim deles com o irmão que se casou. Tento não demonstrar minha tristeza.
    É uma situação difícil, pois nem sei como agir. Ela prefere deixar o filho com “as irmãs da igreja”, pois eu não sou uma pessoa confiável.
    Falta respeito. Só me procura ou me dá uma dose de alegria de ver meu neto por meia hora, raramente, se precisar de algum favor e assim para receber o que precisa o prêmio é ver o rostinho dele.
    Me sinto totalmente excluída da vida do meu filho e cada dia mais incrédula com a religiosidade de algumas pessoas.

  119. Privado said:

    Sempre fui a favor da minha nora, sempre a tratei como filha. Quando ela e meu filho namoravam, ela mais ficava na minha casa do que na casa dos pais. Era divertida, sorridente, viajava com a gente. Quando ficou gravida, fiz de tudo para ajudar, acompanhei pré natal, levei para fazer o parto. Depois que o bebê nasceu, morou comigo cerca de 9 a 10 meses. Até aí, eu era a sogra perfeita. Quando ela foi morar junto com meu filho, começaram a me deixar ver cada vez menos minha neta e hj não posso nem ver minha neta prq não vou na casa deles e não aceito ela na minha casa mais…
    Sendo assim, o banana do meu filho nem sair com a crianca para trazer para eu ver pode. Sinto falta da minha neta, pensei em procurar a justiça, mas tenho medo…
    Depois que ela foi embora, ela mudou muito, começou a se aproximar da mãe dela e da minha outra nora e até onde sei comecaram com sussessões de comentários desagradáveis a meu respeito, de coisas que eu não concordava, pois ela não queria vacinar a criança e eu ameacei a dar parte dela por negligência, não levava e não faz acompamhamento com pediatra, e com isso foi um desentendimento atrás do outro.
    Aí, minha outra nora que tbm é outra ingrata que, enquanto o meu filho só chutava ela, aí eu servia para intermediar por ela. Casou, aí deixei de prestar.
    Juntatam as duas e eu hj só choro a falta da minha neta…
    Fui mãe pras duas e elas só tinham uma boa relação comigo por puro interesse, mas a vida é assim o que me consola é que meus netos vão crescer e aí eles vão decidir se querem conviver comigo ou não.
    Por agora eu só peço a Deus que os abençoe e proteja e sigo amando de longe.

*

Topo