Especialistas

Envelhecimento x aparência

● Qualquer pessoa pode lidar com seu próprio estilo

As mulheres maduras assumem o papel de mentoras dessa nova e atraente maneira de “envelhecer sem envelhecer”

Passamos grande parte de nossas vidas perseguindo ideais de beleza e comportamento, nos guiando sempre pelos critérios de aparência e pelo olhar do outro. Ao chegarmos à maturidade, estaríamos livres disso tudo?

A vida passa rapidamente e, se desejarmos ser protagonistas do nosso corpo e história, pelo menos na “última temporada da série”, é bom nos atentarmos às armadilhas, para desarmá-las ou simplesmente nos desviarmos delas.

Por exemplo, pensemos nos polêmicos cabelos brancos. Durante a fase aguda da pandemia, muitas mulheres abandonaram definitivamente a prática do tingimento dos cabelos, optando por deixar aparentes os fios brancos.

Nas redes sociais, postagens mostraram muitas imagens da “transição”, da cor para a falta dela, anunciando uma espécie de alforria, a liberdade de não ter de esconder os sinais do envelhecimento.

Porém, livres das colorações, os cabelos brancos teriam de ser especialmente tratados, caso contrário deixariam a dona da cabeça com aparência “desleixada”, com “cara de velha”, também disseram as redes sociais.

Os salões de beleza, a princípio ameaçados, voltaram a ser procurados para transformar os antigos “cabelos grisalhos” em referências de estilo e personalidade. O branco passa de mero sinal natural de envelhecimento a fator de empoderamento feminino, de distinção e estilo.

Lembremos que nos 1950/60/70, um conjunto de sinais anunciava a chegada do último terço de vida; dele faziam parte o embranquecimento dos cabelos, a flacidez, as rugas, a aposentadoria, cuidar dos netos (se os tivessem) ou viajar tudo o que não foi “viajado” durante o tempo de trabalhar e criar filhos.

Esses eram sinais claros de que, a partir de então, se deixaria o protagonismo para os mais jovens. Com ou sem mágoas e ressentimentos, “penduravam-se as chuteiras”.

O terrível gosto da exclusão

De lá para cá a expectativa de vida aumentou, ganhamos mais tempo de jogo e até prorrogação por cobrança de pênaltis.

Aceitar as perdas e declínios transformou-se em castigo: viver antecipadamente os fins, fim de festa, fim de jogo, e, pior, lutar insanamente para ser visto e lembrado na hora dos pênaltis.

A geração baby boomer tem uma batata quente nas mãos: envelhecer bem e feliz, ser produtiva e realizada, mantendo boa saúde, disposição e conquistando a cada década mais frescor de juventude.

Pele, dentes, corpo e cabelos brilhantes que enganam os que tentam adivinhar a sua idade (… “Nossa, não parece!”).

Talvez um indivíduo branco, cisgênero que teve acesso à educação e a escolha de uma profissão, provará pela primeira vez em sua vida o terrível gosto da exclusão quando estiver próximo dos 50 anos.

Apesar de estarmos nos atualizando, cuidando da saúde, da aparência e aptos ao trabalho, finalmente sentimos na pele o que sentem os grupos que sofrem discriminação por etnia, orientação sexual ou religiosa, entre outras.

Invisibilidade e exclusão com denominação própria: etarismo, o preconceito contra indivíduos ou grupos etários com base em estereótipos associados à idade.

É sabido que a população de idosos cresce a passos largos no Brasil, enquanto a taxa de natalidade cai. Em 2050, estima-se que quase 30% dos brasileiros terão 60 anos de idade ou mais.

Pesquisas recentes apontam que “95% dos consumidores acima dos 50 anos possuem um smartphone e 31% deles conhecem novas marcas pelas redes sociais. Outro dado é que pelo menos 39% deles fizeram uma compra pela internet nos últimos 12 meses” (site maturi.com em março de 2022).

A economia prateada

A economia prateada surge para explorar as necessidades dessa população, atendendo às suas demandas e, por outro lado, criando e reforçando estereótipos. Finalmente os 50 e 60+ se tornam visíveis ao mercado, como mais um nicho atrativo de consumidores.

Ao se apropriar do envelhecimento como produto, acaba padronizando e pasteurizando a imagem do idoso. O tipo mais cobiçado é o do “velho não velho”, aquele que envelhece com aparência jovem.

Financeiramente bem-sucedido, cuida da saúde com boa alimentação e vitaminas milagrosas, também faz uso de hormônios, alguns que vêm sendo usados nos tratamentos antienvelhecimento, podendo ser associado a outros hormônios, suplementos alimentares, medicamentos antirradicais livres, entre outros.

Veste determinadas marcas, viaja, dança, se exercita fisicamente, faz cursos, trabalha e usa lingerie sensual, pois, claro, tem vida sexual ativa.

Também participa de grupos que lutam pela qualidade de vida dos mais velhos nas grandes cidades e pela retomada das atividades remuneradas, propondo sua volta ao mercado de trabalho ou a chance de se tornar “empreendedor de sucesso”.

Coexistem as personas do idoso produtivo e do fragilizado. Caricatura do antigo “vovô”, vez por outra essa figura ainda aparece nos comerciais, comprando em farmácias e supermercados ditos “amigos dos idosos”. Identificar-se com o “velhinho do comercial” significa estar fora do jogo.

O mercado prefere e incentiva o “não velho”, dono de seu próprio destino, aquele que irá de fato consumir produtos que lhe prometem a fonte da juventude.

Mas, para que incluir suplementos alimentares no seu dia a dia sem necessidades mostradas por exames e um médico nutrólogo?

E sobre os compostos vitamínicos, devemos ingerir quantidades extra de vitaminas sem saber se precisamos de reposição; mas, se precisamos, quais são as nossas deficiências? E quanto aos hormônios, quais são suas contraindicações?

Um eterno jovem

Iniciou-se a venda de aparelhos celulares “especiais para os mais velhos”, com ícones gigantes, alguns aplicativos já instalados e outras “facilidades” para os que querem aprender a utilizar as tecnologias do seu tempo.

Saber usar aplicativos foi vitória festejada num comercial em que uma mulher de uns 80 anos de idade se dizia “moderna e independente” por ser capaz de pedir comida de fast-foods.

Sinceramente não acreditei naquilo que vi! Então comer fast-food seria um hábito incentivado por pressupor o domínio do uso de aplicativos de entrega?

Importante lembrarmos que o sentido de ser contemporâneo vai além da inclusão tecnológica, no estrito conhecimento e uso da ferramenta.

Ser crítico e seletivo frente à avalanche de informações e ofertas é tão importante quanto utilizar-se satisfatoriamente da ferramenta. Sabemos disso até quando ensinamos às crianças o uso de ferramentas digitais.

As redes sociais se encarregam de vender produtos atrelados às ideias e aos desejos do que se quer parecer. O idoso idealizado anuncia todos aqueles produtos que farão do velho um eterno jovem.

Se partirmos do princípio que não se pode mais “parecer” velho, torna-se natural que sigamos os postulados. Novamente estaremos preocupados com o que muitos outros pensam e esperam de nós.

A aparência física e o modo de vestir fazem parte desse pacote embalado com papel de presente temático: “liberdade de ser o que se quiser”.

A mulher ainda é o alvo preferido desse falso projeto de liberdade. E para ser “livre”, ainda tem de se enquadrar nos padrões da sua faixa etária, da maternidade e do gênero (ainda com ressalvas).

Há décadas corpo, rosto, cabelos e roupas mantém as mulheres reféns de padrões e estereótipos disseminados, com boa margem de lucro, hoje em grande parte pelas redes sociais.

Estilo próprio

Os influenciadores (influencers), aparecem nesse momento para legitimar as “necessidades”.

Vendem de um tudo e emprestam seu próprio corpo para testar métodos milagrosos de emagrecimento, procedimentos indolores para rejuvenescimento facial, roupas que garantem a performance do “velho não velho”.

Em geral, mulheres maduras assumem o papel de mentoras dessa nova e atraente maneira de “envelhecer sem envelhecer”.

Voltamos ao início do texto, quando falo em seguir padrões de comportamento e estar preocupada com o olhar do outro.

Todo esse movimento do mercado prateado pode nos levar a uma certa estreiteza de visão, pois o que se mostra e se oferece ao consumidor faz parte de um critério prévio de seleção, como se fosse exatamente aquilo apropriado aos idosos.

Trago aqui duas perguntas e algumas reflexões sobre as formas de se vestir e se comportar.
1 – O que significa ter estilo?
2 – Posso ser meu personal stylist?

Para responder às duas questões partimos do princípio de que o vestir é manifestação criativa do ser humano. Vestir é construir novas formas a partir de uma base, do seu próprio corpo; então roupas e acessórios seriam ferramentas para realizar construções.

Estilo é o modo como cada indivíduo expressa ideias, sentimentos e constrói identidade. Dentre as várias linguagens que expressam estilo, uma delas é o vestir.

A princípio qualquer pessoa pode lidar com seu próprio estilo desde que aceite seu corpo como ele é, que esteja confortável com sua idade cronológica e que tenha um certo conhecimento sobre si mesma.

Público feminino 60+

Exemplifico, hoje nas redes sociais vemos uma grande quantidade de confecções voltadas para o público feminino 60+. Em geral, roupas de malha com modelagem folgada, para não marcar quadris e torsos mais avantajados.

Escapam-se dos grandes decotes, que evidenciariam a flacidez dos seios e da pele do colo. Usam-se mangas, mesmo que no verão, para esconder eventual flacidez dos braços.

Cores e estampas, que no passado não habitavam armários e gavetas das idosas, funcionam como desafiadores da sobriedade antes obrigatória para as que desejavam ser elegantes.

Não podemos negar a existência de uma certa liberdade, porém se entendida literalmente, a moda para mulheres mais velhas corre o risco de uniformizar, como no passado, porém de modo mais informal e “libertário”.

Há mulheres que ficam felizes com seus decotes ou mostrando seus braços inteiros, que gostam da cintura marcada, embora a circunferência tenha aumentado. Outras gostam de comprimentos mais curtos de saias e vestidos.

Creio que possamos ser nossos próprios estilistas se escutarmos os nossos desejos tendo a coragem de ficarmos amigas do espelho, da nossa imagem. Vestir o que te cai bem, o que te deixa mais bonita, confiante e feliz.

Se entendemos o ato de vestir como construção criativa, pensemos nos acessórios como elementos que doam estilo a quem os usa.

Propondo que você faça uma busca em suas roupas e acessórios e selecione aqueles que “conversam” mais de perto com quem você é hoje (quem é você hoje?).

Se carrega objetos que não mais te representam, que tal fazer uma doação ou escolher uma amiga que poderá aproveitá-los melhor?

Vida que acontece agora

O tempo passa e nós passamos e “passeamos” com ele. Além do corpo mudamos nossa maneira de olhar, perceber a vida, de estar e de nos relacionar com as pessoas a nossa volta, do tipo de leitura, dos hobbies.

Novas sensações olfativas podem até nos levar a gostar de perfumes que não usaríamos antes e cores que jamais fizeram parte das nossas escolhas nos passam a ser atraentes.

Nesse sentido, ter 50, 60, 70, 80 ou mais anos de vida só nos traz mais ferramentas para criarmos e recriarmos a nós mesmas, desde que se faça o exercício de ser você o seu próprio autor.

Temos uma história pregressa, isso é certo, mas temos a vida, a nossa vida que está acontecendo agora.

Estamos inseridas numa realidade que pode ser modificada. E nada mais gratificante do que podermos exercer a criatividade para tratarmos a vida como uma obra em processo. E se a vida está aberta, a nossa imagem está em construção.

Imagem: Unsplash

E mais…

Veja também no portal avŏsidade:

Racismo é crime

A violência sexista contra a mulher

Síndrome do cuidador

Como construir espaços seguros para a terceira idade

Da caderneta ao bitcoin, o que mudou

Dra. Ligia: testamentos na pandemia

Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois.
Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois.
Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois.
Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois.
É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. Aparência.
É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. Aparência.
É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. Aparência.
É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. Aparência.
É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. Aparência.
É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. Aparência.
É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. Aparência.
 É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É.
[. .]
Acompanhe o portal avosidade também no Facebook, Instagram e podcast+!

Sylvia Rodrigues

Formada pela FAAP em Artes Visuais e mestra pela Unesp em Design de Produto; trabalhou com educação por muitos anos, do ensino infantil ao superior; artista visual e designer de estamparia, participou de várias exposições e tem trabalhos em acervos de museus nacionais; guiada pela arte, educação e pelo design vem estudando o envelhecimento e suas várias configurações

Veja também

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.