Saúde

O idoso não pode morar sozinho

● A família assume um papel importante nessa fase da vida

Cerca de 30% das pessoas com 60 anos ou mais têm alguma dificuldade na atividade cotidiana e precisam de cuidados

O Brasil possui uma população de 32,9 milhões de idosos. De acordo com o Ministério da Saúde, cerca de 70% das pessoas com 60 anos ou mais são independentes para o autocuidado, mas 30% têm alguma dificuldade na atividade cotidiana, ou seja, precisam de cuidados específicos. Idoso

A família assume um papel importante nessa fase da vida. Cabe a ela um olhar atento para reconhecer comportamentos que possam sinalizar que o idoso precisa de supervisão para viver com segurança e conforto.

Vejamos a seguir alguns indicadores de que um idoso não pode mais morar sozinho.

Quedas e acidentes

O processo de envelhecimento natural pode acarretar a diminuição da visão, redução muscular e problemas que afetam o sistema motor, além de impactar no equilíbrio. As mulheres costumam ser mais ativas do que os homens e, por isso, são o grupo mais afetado pela situação.

Uma queda também pode impactar significativamente a qualidade de vida do idoso. Há riscos de lesões leves ou traumas ortopédicos graves, como fraturas que necessitem de cirurgia e longo período de hospitalização, gerando complicações a longo prazo.

Também fica o alerta de que, em alguns casos, cair pode ser um acidente fatal.

Esquecimentos frequentes

Episódios recorrentes de falhas da memória são indicativos de que a área cognitiva pode ter sido afetada. Esquecimento de situações cotidianas, como a panela no fogo ou mesmo o nome de um ente familiar próximo, são exemplos de alerta.

Com o envelhecimento, pode ocorrer a redução da atenção, da concentração e da capacidade de retenção da informação e de raciocínio, um cenário que compromete a segurança do idoso.

Além disso, é nessa fase da vida que o risco de síndromes demenciais, como o Alzheimer, se torna maior.

Dificuldades de executar atividades diárias

Tomar banho, alimentar-se de forma adequada, ingerir medicamentos e fazer compras são algumas atividades básicas diárias para quem vive de maneira independente.

Não conseguir cumprir essas tarefas pode sinalizar que a capacidade funcional está comprometida.

Outro alerta corresponde ao cuidado da casa. Se antes o lar se mantinha organizado e limpo e agora não mais, é preciso perceber que a autonomia não é a mesma.

Piora da condição da saúde

É importante ficar atento se o idoso tiver ganho ou perda de peso, apresentar dificuldades de locomoção ou, ainda, dores recorrentes.

De acordo com a Sociedade Brasileira de Geriatria e Gerontologia, má higiene e mudanças na aparência do idoso também devem ser consideradas.

O que fazer

Diante da situação, o primeiro passo é conversar com o idoso para que ele compreenda o que está acontecendo e os riscos da situação para sua segurança e bem-estar.

O diálogo deve ocorrer com muito respeito e paciência, não deve ser algo impositivo, nem gerar constrangimento.

Algumas soluções podem ser tomadas, como optar por uma instituição de longa permanência para idosos (ILPI).

Neste caso, é importante que a escolha seja por uma unidade com estruturas planejadas e adaptadas para receber idosos, que preze pela comodidade e socialização, como, por exemplo, a Cora Residencial Senior, onde eu trabalho.

Além disso, que reúna uma equipe multidisciplinar de especialistas em saúde.

Além de uma ILPI, a pessoa idosa também pode morar com um ente familiar, que será responsável pela assistência e apoio, contratar um cuidador diário ou uma empresa com profissionais especializados.

Uma premissa deve ser sempre considerada: idosos precisam de atenção, cuidado, carinho e uma equipe especializada em saúde para viver com tranquilidade, segurança e bem-estar.

Imagem: Freepik

E mais…

Veja também no portal avŏsidade:

Dra. Ana: elas vivem mais

Dra. Ana: estímulos cognitivos e Alzheimer

Por que qualidade de vida é tão importante?

Dra. Ana: cuidados essenciais com os idosos

Dra. Ana: população idosa e o isolamento

O movimento como remédio

Síndrome do cuidador

Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois.
Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois.
É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É.
É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É.
É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É.
[. .]
Acompanhe o portal avosidade também no Facebook, Instagram e podcast+!

Joely Malachia

Coordenadora de Qualidade e Práticas Assistenciais na Cora Residencial Senior

Veja também

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.