Debates

O fanatismo e seus antídotos

● Um debate necessário e oportuno sobre o delírio coletivo

O autor mostra como distinguir e comparar fanatismo religioso e fanatismo ideológico, que conduz ao fanatismo político

O escritor israelense Amos Oz, em seu livro “Como curar um fanático”, do ano de 2016, argumenta que o fanatismo, muitas vezes, nasce no ambiente familiar quando alguém deseja que outros se transformem em algo que considera o melhor para essas pessoas.

Eu proponho outra compreensão: o fanatismo é de outra ordem: trata-se de um delírio de onipotência em que alguém deseja que todos os aspectos da Existência sejam idênticos a um único aspecto.

Assim: o fanatismo nasce nos primórdios da personalidade, imerso na modéstia, diante da inevitável constatação do indivíduo de que é a parte-pequena, de que as coisas são como são, portanto, independem dele.

E algo espetacular acontece, uma espécie de escolha: a modéstia será transformada em frustração, que invocará a fúria odiosa e permanente, constituindo-se na resposta à incapacidade de alteração da realidade.

No fanático, a fúria (declarada ou sutil) será permanente, tão eficaz ao ponto de submeter o prazer aos seus resultados.

E, me acompanhe: o espetacular do ocorrido reside na capacidade humana de distorcer realidades: movido pelo ódio, que submete o prazer, o indivíduo manifesta o “ato criativo invertido”.

O que significa que ele deseja a realidade a sua imagem e semelhança, e delira reduzindo a diversidade natural a uma sombra opaca de ignorância, estreiteza mental e individualismo.

E, me acompanhe: na sequência da inversão, o que resvala para a consciência manifesta uma mentalidade de crenças frágeis, rígidas e inquestionáveis.

No entanto, ele ainda não está pronto: esse indivíduo sabe que “uma andorinha só não faz verão”, e, individualista de nascença, recorre aos outros.

É simples: se alguém delira sozinho, é louco, mas o delírio coletivo possui a potência necessária para afirmar realidades.

Pensamento onipotente

E ele recorre à projeção mental para estender o pensamento onipotente sobre o maior número possível de pessoas (as semelhantes).

Agora sim, ele está pronto: o fanático se define no delírio individual e se redefine no delírio coletivo fazendo com que a distorção da realidade não reconheça limites.

Em outras palavras: todo fanático é a matriz do fanatismo.

E se autoproduz, numa espécie de clonagem, igualzinho em tudo.

Não queira compreendê-lo, ou dialogar, ou argumentar, ou refletir, ou apelar para o bom senso e todos os santos: o delírio é intransponível.

E, de todos os tipos variados, o fanatismo religioso é o mais concentrado na servidão incondicional associada à completa ausência de senso crítico: a maior limitação mental possível.

A ideia sobre um Deus, ou deuses (ou semideuses) é mágica e alucinatória: compõe o sentido da existência plena justificando comportamentos.

E pode se perpetuar por milênios.

Já o fanatismo ideológico, que conduz ao fanatismo político, é repartido, nem por isso, menos nefasto.

Até poderíamos considerá-lo um “delírio comedido” porque suas crenças afirmam determinados valores em contextos de épocas específicas.

E o curioso, nesse caso, corresponde à legião dos opositores, dos discordantes, dos que afirmam o contrário: eles formam a parte reversa, são matematicamente idênticos no funcionamento, e se consideram os libertários e grandiosos.

E como dizer a eles que são a mesma coisa?

É simples: fazer oposição aos fanáticos para afirmar determinada realidade é disputar o poder pelo melhor delírio.

Talvez exista uma chancezinha

Eis porque, no verso e reverso dos fanatismos ideológicos, não cabe a liberdade, nem a criatividade, nem as novidades, nem a responsabilidade.

E haveria uma solução?

Eu considero que a cura não existe para os fanáticos apoiados historicamente no delírio coletivo, os religiosos, por exemplo: o ambiente inviabiliza qualquer possibilidade de questionamento.

A vida para eles é um “fato consumado”.

E, para os delirantes em que a coletividade oscila os valores, ou nos casos em que determinada coletividade transforma pessoas comuns em fanáticos, ou ainda nos casos das coisas menos importantes, como o esporte, talvez exista, vamos lá, uma chancezinha (um para um milhão).

E quais as sugestões do consagrado escritor israelense?

Ele sugere possíveis antídotos para combater o fanatismo: um deles, o senso de humor: “Humor é relativismo, (…) humor é a capacidade de perceber que, não importa quão justo você é, e como as pessoas têm sido terrivelmente erradas em relação a você, há um aspecto da vida que é sempre um pouco engraçado”.

E, convenhamos, a sugestão é primorosa: a capacidade de “rir de si mesmo” anula o delírio coletivo ao mesmo tempo em que relativiza o delírio individual.

Há um sopro de esperança, portanto.

E, para finalizar, compartilho um segredo sobre delírios e realidades: eu gosto muito das ideias que acalantam: elas também são antídotos. Veja a dessa canção, por exemplo, (Força Estranha, de Caetano Veloso): “a coisa mais certa de todas as coisas não vale um caminho sob o Sol”.

Não é um verdadeiro sopro de esperança?

E mais…

Veja também no portal avŏsidade:

Reflexões sobre o preconceito

O pedófilo: do monólogo ao diálogo

Conviver faz bem à saúde

1968 Ditadura Abaixo

Dr. Fabio: parados no tempo

Dra. Ligia: pais são obrigados a vacinar os filhos?

Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então.
Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então.
É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É.
É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi.
É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi.
[. .]
Acompanhe o portal avosidade também no Facebook, Instagram e podcast+!

Fernando Luiz Cipriano

Psicólogo e doutor em Psicologia, filósofo e escritor; atua como psicoterapeuta há mais de 25 anos; realiza supervisão clínica, palestras e cursos; é autor de 'Matriz Terapêutica e os Equívocos da Prática em Psicologia', Annablume (2007), 'A Mulher Lagarto e Outras Histórias', Intermeios (duas edições 2014 e 2018) e 'O Cúpido Azul', Intermeios (2014)

Veja também

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.