Comportamento

Dra. Olga: sorrir faz bem à saúde

● É remédio sem efeitos colaterais e sem prescrição médica

É cientificamente comprovado que sorrir é bom para os músculos faciais, abdominais, coração e o sistema imunológico

Você sabia que sorrir faz bem à saúde? E, mais do que isso, o ato de sorrir melhora o humor, combate o estresse, a ansiedade, a depressão e muitas outras doenças, tanto físicas quanto emocionais?

É fato comprovado cientificamente que sorrir traz benefícios para a mente e o corpo, auxilia no bom funcionamento dos músculos faciais e abdominais, além dos sistemas respiratórios, cardiovascular e imunológico.

Vale dizer que o bom humor e o otimismo colaboram para evitar muitas doenças e melhorar o funcionamento do organismo como um todo! Além disso, sorrir deixa a vida muito mais leve no seu dia a dia!

Pessoas mal-humoradas, impacientes, irritadas, contrariadas, autoritárias e rígidas (inclusive consigo mesmas), que vivem num processo de tensão constante, muito maior do que o normal, provocam uma descarga exagerada de adrenalina e cortisol no organismo.

São hormônios que colaboram para uma pré-disposição maior de acidentes vasculares como os infartos, as anginas e até os AVC, conhecidos popularmente como derrames, além de colaborar para que surjam muitas outras doenças no organismo!

Em geral, pessoas com esse perfil apresentam uma baixa autoestima porque perdem a capacidade de confiar em si próprias, são ansiosas, tem medo de errar e de correr riscos, preocupam-se demais com a opinião dos outros, sentindo-se inferiorizadas diante de outras pessoas, o que pode levá-las ao isolamento, com muita dificuldade nas relações em todos os âmbitos de sua vida.

Baixa autoestima

A longo prazo, o estresse pode tomar conta da vida delas, causando distúrbios de ansiedade como as fobias, a síndrome do pânico e/ou depressão, além do surgimento de vários problemas de saúde tais como hipertensão arterial, distúrbios cardíacos, problemas digestivos, obesidade, alergias, dores, maior propensão a gripes e resfriados por conta da diminuição de sua imunidade, entre outros.

A baixa autoestima surge quando a pessoa supervaloriza os outros em detrimento de si mesma, quando julga que os outros são melhores do que ela, quando ela se sente diminuída ou inferiorizada diante deles e vive em função de agradá-los, esquecendo-se de agradar a si mesma, o que gera mau humor e irritação.

O caminho para acabar com a baixa autoestima é deixar de olhar apenas para os próprios defeitos (algo que todos temos) e perceber os fatores que levam à diminuição do próprio valor como pessoa e passar a resolvê-los, buscando sempre valorizar as suas conquistas e acertos, observando mais as suas qualidades, suas características positivas, seus talentos e seus dons.

Remédio sem efeitos colaterais

É preciso aceitar que a pessoa mais importante de sua vida é você mesmo(a) e que agradar-se deve ser sua prioridade principal na vida! Isso se chama amor-próprio! Além disso, manter a autoestima elevada é fundamental, não importa o que esteja acontecendo, porque ela é necessária para lidar com os problemas do dia a dia, promovendo uma visão mais otimista e positiva da vida.

Nesse sentido, o ato de sorrir e o bom humor colaboram para que a autoestima se mantenha elevada, evitando doenças e proporcionando uma vida longa e saudável. E por quê?

Encarar a vida com mais humor, mais leveza e menos sofrimento colabora para a valorização dos bons momentos vividos no dia a dia, não dando tanta importância para os fatos ruins em si e aos problemas, mas buscando formas de acabar com eles para que, dessa forma, se possa retomar o bom humor e a alegria de viver.

Mudar a forma de olhar para a vida não é fácil, mas vale a pena porque o único beneficiado é você mesmo(a) com uma vida mais leve, com mais saúde, disposição e alegria de viver!

Sorrir é um remédio sem efeitos colaterais, que não precisa de prescrição médica e é de graça. Por isso, vale a pena deixar de franzir a testa e soltar uma boa gargalhada, sempre que possível, porque os benefícios virão.

Imagem: Olly / Fotolia

E mais…

Veja também no outros textos da Dra. Olga no portal avŏsidade:

Dra. Olga: vantagens da convivência

Dra. Olga: faz bem fazer o bem

Dra. Olga: fofoca é do mal

Afinal, o que é o languishing?

É possível viver sem medo?

O sofrimento do cuidador do idoso

Dra. Olga: namoro na 3ª idade

Dra. Olga Tessari: depressão, o que é?

Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois.
Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois.
É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi.
É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi.
É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi.
[. .]
Acompanhe o portal avosidade também no Facebook, Instagram e podcast+!

Dra. Olga Tessari

Psicóloga (CRP06/19571), formada pela Universidade de São Paulo (USP), pesquisa e atua com novas abordagens da Psicologia Clínica em busca de resultados rápidos, efetivos e eficazes, voltados para uma vida plena e feliz; ama o que faz e segue estudando muito, com várias especializações na área; consultora empresarial, leva saúde emocional para as empresas; escritora, autora de 2 livros e coautora de muitos outros; realiza cursos, palestras e workshops pelo Brasil inteiro e segue atendendo em seu consultório ou online adolescentes, adultos, pais, casais, idosos e famílias inteiras que buscam, junto com ela, caminhos para serem felizes

Veja também

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.