Comportamento

Dra. Elaine: o que é o TOC

● Palavra de especialista: entenda o que é o famoso transtorno

A autora explica que não há necessariamente piora progressiva, mas os rituais tendem a ficar sedimentados com o tempo

Muitos já devem ter ouvido falar, mas, será que as pessoas sabem do que se trata o Transtorno Obsessivo Compulsivo, mais conhecido por sua abreviação, TOC?

O TOC é um transtorno comum, ao contrário do que se pensa, que acomete cerca de 2% a 3% da população mundial.

O TOC pode estar associado a fatores biológicos, envolvendo questões genéticas e neuroquímicas do cérebro, e psicológicos, como problemas para lidar com inseguranças e ansiedades.

A caracterização do transtorno baseia-se na ocorrência primária de obsessões e/ou compulsões.

As obsessões são constituídas por pensamentos, ideias, impulsos e imagens, vivenciados como intrusivos e incômodos e podem derivar em situações de palavras, medos, preocupações, memórias, imagens, músicas ou cenas, causando ansiedade ou mal-estar relevantes ao indivíduo.

Tudo isso toma tempo e interfere negativamente nas atividades e/ou relacionamentos dos indivíduos.

Mas, quais seriam alguns exemplos de TOC? As obsessões que levam ao TOC podem ser: preocupações com limpeza e higiene; com a simetria dos objetos posicionados na casa; com a autoimagem; obsessões sexuais; acumulação (acumuladores); repetições e verificações.

A compulsões são definidas como comportamentos ou atos mentais repetitivos, realizados para diminuir o incômodo ou a ansiedade causada pelas obsessões ou para evitar que uma situação temida venha a ocorrer.

Assim, enquanto as obsessões causam desconforto emocional, os rituais compulsivos (sempre excessivos, irracionais ou mágicos) tendem a levar a um alívio emocional, mas não são prazerosos.

Não há necessariamente piora progressiva, mas os rituais tendem a ficar mais sedimentados com o tempo.

Rituais secretos

A maioria das pessoas com TOC está ciente de que seus comportamentos compulsivos são excessivos, mas, têm dificuldades em mudá-los.

Por isso, elas geralmente realizam os rituais de maneira secreta, mesmo quando esses rituais consomem muitas horas do dia.

Os sintomas do TOC têm forte impacto sobre a dinâmica de familiares e cuidadores.

Muitas vezes os membros da família acabam se ajustando aos sintomas e às exigências do paciente e até mesmo apoiam a realização dos rituais e dos comportamentos compulsivos, envolvidos em um progressivo processo de acomodação familiar.

Os sintomas obsessivos compulsivos interferem nas rotinas diárias, na vida social e no lazer da família, que muitas vezes ficam completamente comprometidos.

A lentidão, a perda de tempo, bem como alguns casos, a dependência para a realização das atividades mais simples, como fazer uma refeição, tomar banho, escovar os dentes ou trocar de roupa, e, sobretudo, a imposição de regrar, provocam conflitos quase permanentes, discussões irritadas, raiva e ressentimento, comprometendo a harmonia e o ambiente familiar.

As pessoas com Transtorno Obsessivo Compulsivo apresentam dificuldades nas relações interpessoais, principalmente nas que envolvem uma convivência mais íntima e constante.

Como diagnosticar

Para o diagnóstico do TOC é necessário que as obsessões e/ou as compulsões causem interferência ou limitação nas atividades da pessoa, que consumam tempo (ao menos uma hora por dia) e que causem sofrimento ou incômodo ao paciente ou a seus familiares.

O diagnóstico do TOC é clínico, não existindo nenhum exame laboratorial ou radiológico característico (patognomônico) da doença.

Diversos autores citam como consequências comuns do TOC a diminuição da autoestima e do bem-estar subjetivo e a interferência negativa na vida estudantil, profissional, familiar, afetiva e social.

Os tratamentos mais frequentes utilizados para o Transtorno Obsessivo Compulsivo são as abordagens medicamentosas que inibem a recaptação de serotonina e que atuam para reduzir a ansiedade, a terapia cognitivo-comportamental (TCC) de exposição e prevenção de rituais.

O tratamento deverá ser decidido por profissionais especializados e adaptado conforme as necessidades do indivíduo e pode ser individual ou em grupo.

As vantagens do tratamento individual incluem a maior facilidade para adaptar a terapia aos sintomas e às condições pessoais de cada paciente.

Algumas pessoas não procuram ajuda por vergonha e se sentem angustiadas por realizar ações que não aparentam sentido.

Com isso, acabam, na grande maioria das vezes, se escondendo para realizar tais rituais para não demonstrarem e nem mesmo terem que explicar para os outros suas atitudes.

Por isso, é muito importante a busca de ajuda profissional.

 

E mais…

Veja também no portal avŏsidade:

Expectativas e ansiedades para ‘22

Dra. Elaine: medos e fobias

O que é a Síndrome da Cabana?

É possível viver sem medo?

Dra. Olga Tessari: ansiedade

Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então.
Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois.
. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É.
É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É.
É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É.
É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É Oi.
[. .]
Acompanhe o portal avosidade também no Facebook, Instagram e podcast+!

Dra. Elaine Di Sarno

Psicóloga e Neuropsicóloga, mestre em Ciências pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP), especialista em Terapia Cognitivo Comportamental

Veja também

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.