Comportamento

Há tempo certo para maternar?

● Número crescente de mulheres reconhece sua própria autonomia

Mulheres estão descobrindo que a vida pode proporcionar outras experiências gratificantes além da maternidade

A mulher vem conquistando a cada década seu espaço em um mundo cada vez mais complexo. Atualmente, as mulheres exercem um papel fundamental para a economia mundial. Há tempo.

Além de atuarem em áreas historicamente masculinas, temos a ocupação de posições de poder, como cargos políticos e em empresas, com salários cada vez mais próximos aos dos homens. E a proteção contra a violência doméstica.

Aliada a essas mudanças há uma transformação também na visão que as mulheres têm de si mesmas: cada vez mais elas reconhecem sua própria autonomia e o poder de transformação da realidade.

O que se pode observar, especialmente no caso das mulheres das camadas médias e altas, é que, de geração para geração, vem diminuindo cada vez mais o número de filhos.

O que pode apontar para o fato de que um número crescente de mulheres está descobrindo que a vida pode proporcionar outras experiências emocionantes e gratificantes além da maternidade.

Essa consolidação da mulher no mercado de trabalho e a construção de uma carreira tem se tornado prioridade na vida da mulher pós-moderna. Diante disso, a maternidade tardia tem se tornado uma realidade mundial.

Alguns fatores importantes como: maior participação da mulher no mercado de trabalho, maior tempo de estudo e melhorias nos métodos anticoncepcionais têm contribuído para esse fenômeno.

Dentre outras causas que influenciam a decisão da maternidade, está o medo de que a criança nasça com alguma malformação ou síndromes, visto que tem aumentado o número desses casos.

No mais, para as algumas mulheres, surge o medo de gerar uma criança com a mesma doença neurológica crônica.

Outro fator que também contribui para essa decisão é a presença do animal de estimação em casa, pois todo o desejo, cuidado e zelo de um filho, são transferidos para o animal.

Movimento “childfree”

Assim, ter um bebê tardiamente é uma possibilidade cada vez mais plausível e que pode trazer benefícios para ambos, mãe e bebê. Por outro lado, optar por não ser mãe também faz parte da realidade atual, visto pelo movimento “childfree”.

Pois, a maternidade traz mudanças na vida da mulher, sejam no cotidiano, nos relacionamentos, no trabalho e até mesmo em termos de algumas características pessoais.

Antigamente, tornar-se mãe parecia inevitável, por outro lado, atualmente, evidenciam-se cada vez mais mulheres fazendo escolhas, priorizando outros fatores em detrimento da maternidade.

Atualmente, pela independência financeira, há a possibilidade de várias decisões que outrora eram mais difíceis: se quer se casar, com quem ter filhos, se quer ter filhos e em que momento, se quer optar por uma produção independente.

A família, geralmente, cria expectativas em torno da maternidade como algo maravilhoso que só traz alegrias, o que muitas vezes não se confirma.

Algumas mulheres não estão preparadas para enfrentar as dificuldades do período de gravidez e do pós-parto e para compreender o tempo de adaptação ao novo membro da família.

Tais situações podem provocar sentimento de frustração e culpa. Percebe-se, então, que outras possibilidades em relação à maternidade estão se abrindo para as mulheres.

Educar uma criança requer tempo, responsabilidades e outros conflitos que poderão existir, os quais muitas mulheres não estão dispostas a viver e cabe à família aceitar e conviver com a escolha das filhas de ser ou não ser mãe.

A importância da maternidade não está sendo negada, ao contrário, ela concede um importante lugar para as mulheres.

Mas apontar a maternidade como único meio para o destino feminino sugere um estreitamento no conjunto de opções, perante outras tantas possibilidades que ela pode vir a assumir.

Imagem: Zach Lucero / Unsplash

E mais…

Veja também outros artigos da Dra. Elaine no portal avŏsidade:

A hipersexualização das meninas

Dra. Elaine: traumas de guerra

E essa tal ansiedade?

Dra. Elaine: o que é o TOC

Expectativas e ansiedades para ‘22

Dra. Elaine: medos e fobias

O que é a Síndrome da Cabana?

Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Há tempo.
Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Há tempo.
É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi.
É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi.
[. .]
Acompanhe o portal avosidade também no Facebook, Instagram e podcast+!

Dra. Elaine Di Sarno

Psicóloga e Neuropsicóloga, mestre em Ciências pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP), especialista em Terapia Cognitivo Comportamental

Veja também

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.