Debates

A hipersexualização das meninas

● Forma física valorizada em detrimento das qualidades emocionais

Dicas importantes da especialista para o diálogo entre pais e filhas, num meio que instiga a sexualização e a erotização

A Associação Norte-Americana de Psicologia publicou em 2007 um documento denunciando a tendência de hipersexualização das meninas. O documento mostrava que isso pode envolver jogos de videogames, roupas, brinquedos, programas de TV.

A erotização vem por meio de modelos que o mercado impõe valorizando a forma física em detrimento das qualidades emocionais, pessoais e profissionais, instigando, precocemente, a sexualização e a erotização.

Desde então, a questão vem tomando outras proporções – maiores ainda – e tem sido observada em todas as classes sociais.

Historicamente, a sexualidade feminina é produzida pela dicotomia moral pureza/impureza, forjada entre o ter ou não vergonha, respeito e sensatez.

Atualmente, os meios de comunicação, contemplando vídeos, publicidade em geral, caminham juntos na tentativa de reforçar modelos de feminilidade que separam as mulheres entre as “recatadas” e as “vadias”.

Mas todas disponíveis para os homens, independentemente do grupo a que possam pertencer.

A figura feminina hipersexualizada refere-se a alguém cujo poder já não deriva de uma suposta inocência ou virtude, mas de seu capital físico, suas habilidades sexuais e maior subjetividade sexual.

Diante de todo esse contexto, o senso crítico e o desenvolvimento das meninas ficam prejudicados, impossibilitando que elas vivenciem todas as fases do seu desenvolvimento.

Na infância, a erotização dos corpos infantis compromete a formação identitária das crianças e coloca em risco até mesmo sua segurança.

Objetos usados em mulheres adultas (roupas, acessórios etc.) acabam trabalhando com o imaginário e, consequentemente, com o psicológico dos pequenos.

Costumes tidos como normais

A criança passa a considerar tais costumes como normais e, ao longo do tempo, essa atitude irá levá-la a supor que pode portar-se como uma adulta.

Durante a adolescência, a imagem corporal ou esquema corporal é a representação mental do próprio corpo, o modo como ele é percebido pelo indivíduo.

Compreende não só o que é percebido pelos sentidos, mas também ideias e sentimentos referentes ao próprio corpo, e ainda tem que lidar com novos desafios, trazidos pela globalização e forte influência dos meios de comunicação nos comportamentos humanos.

Daí elas se deparam com os modelos de beleza e com a extrema valorização da aparência veiculada pelos meios de comunicação.

É na adolescência também que os impulsos corporais, eróticos e emoções são explorados e experimentados.

Na dinâmica da hipersexualização fica evidente o risco de perderem o contato com seus próprios desejos corporais, tornando-se potenciais objetos usados por outros em suas próprias experiências.

O reconhecimento da menina como “poderosa” aponta uma sequência lógica na qual quanto mais se é desejada pelos garotos, maiores são o seu status e o sucesso pessoal.

Os pais e/ou responsáveis devem educar, cuidar, dar limites e evitar a exposição online e presencial dos filhos no sentido de evitar o risco de desenvolvimento de transtornos.

Sejam eles transtornos de ansiedade ou depressão, ou até doenças sexualmente transmissíveis, visto que do online há o caminho para o presencial, principalmente no final da adolescência.

O diálogo deve começar desde muito cedo e é fundamental. A linguagem deve ser sempre objetiva, simples, adequada conforme o grau de maturidade da criança.

Referências:
Associação Norte-Americana de Psicologia (APA): https://www.apa.org/
Relatório da Força-Tarefa da APA: https://www.apa.org/pi/women/programs/girls/report
Imagem: Netflix/Divulgação/filme Mignonnes

E mais…

Veja também outros artigos da Dra. Elaine no portal avŏsidade:

Dra. Elaine: traumas de guerra

E essa tal ansiedade?

Dra. Elaine: o que é o TOC

Expectativas e ansiedades para ‘22

Dra. Elaine: medos e fobias

O que é a Síndrome da Cabana?

Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois.
Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois.
É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. Hipersexualização.
É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. Hipersexualização.
É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi.
É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi.
[. .]
Acompanhe o portal avosidade também no Facebook, Instagram e podcast+!

Dra. Elaine Di Sarno

Psicóloga e Neuropsicóloga, mestre em Ciências pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP), especialista em Terapia Cognitivo Comportamental

Veja também

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.