Comportamento

Dra. Elaine: traumas de guerra

● Há os conflitos lá fora e os que estão dentro das pessoas

Já são mais de 3 milhões de pessoas que deixaram suas casas desde o início da invasão da Ucrânia pela Rússia em 2022

Desde o início do século 21, desastres naturais como tsunamis e terremotos, ataques terroristas, emergências de saúde, como os vírus ebola e covid-19, e intermináveis conflitos têm frequentemente provocado traumas na vida das pessoas.

Durante esses eventos, milhões de pessoas sofrem ferimentos graves, quase perdem ou de fato perdem as vidas, perdem entes queridos, testemunham a morte ou ferimento de alguém, se expõem a cenas traumáticas…

Algumas dessas vítimas desenvolvem transtorno de estresse pós-traumático (TEPT), um transtorno mental que ocorre após um trauma-evento (TE).

Já são mais de 3 milhões de pessoas que deixaram suas casas desde o início da invasão da Ucrânia pela Rússia em 2022.

Diante da ameaça de conflitos armados como a Ucrânia está vivenciando, na qual as pessoas precisam fazer escolhas de maneira ágil e sob grande pressão, como deixar o lar em busca de lugares mais seguros.

Principalmente se for preciso deixar algum familiar ou amigo para trás, o transtorno de estresse pós-traumático (TEPT) pode acometer pessoas de qualquer idade após essas vivências de situação de crise, como a guerra.

Os principais sintomas são: insônia, irritabilidade, mudanças de humor e inquietação inesperada.

Crianças expostas ao trauma

O diagnóstico e tratamento do estresse pós-traumático podem contribuir para a redução de danos associados à experiência do conflito, principalmente em relação às crianças expostas ao trauma.

O tratamento pode ser realizado a partir do acompanhamento psicológico e psiquiátrico, com o uso de medicação quando prescrita pelo profissional de saúde.

Outros tipos de terapia consistem na exposição prolongada e terapia de processamento cognitivo, que são técnicas vinculadas a um processo de colocar o indivíduo diante da situação traumática de forma gradual, com o objetivo de provocar a dessensibilização em relação ao evento traumático.

O apoio familiar e social também contribui para a prevenção ao transtorno de estresse pós-traumático.

Muitos indivíduos mostram grande resiliência diante de tais experiências e manifestam reações de estresse de curta duração ou subclínicas que diminuem com o tempo.

Tipos de sintomas

De acordo com o DSM-5 (Manual de Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais, 5.ª edição), o diagnóstico de TEPT requer referência aos seguintes critérios: experiências traumáticas, como: agressão sexual, ataque terrorista, terremoto grave, doenças fetais e testemunha de guerra, morte a tiros.

Traumas

Há presença de sintomas psiquiátricos de intrusão, evitação, alternância de cognição e humor, e hipervigilância e hiperexcitação nos meses e até anos seguintes.

Os termos são expressos da seguinte forma:

Intrusão: A experiência traumática se repete de forma vívida mesmo em um local não ameaçado, acompanhada por fortes emoções e sentimentos que foram experimentados durante o TE (por exemplo, um veterano de repente olhou para baixo e gritou com dor e medo em casa porque ele pensou na batalha que aconteceu no local próximo, depois de ouvir um barulho do lado de fora).

Evitação: Evitar memórias, pensamentos ou lembretes externos (por exemplo, pessoas e lugares) de TE (por exemplo, um sobrevivente de acidente de carro evitar andar ou estar perto de um automóvel).

Alternância negativa de cognição e humor: Tende-se a pensar negativamente sobre si mesmo em relação à TE (por exemplo, “O mundo é completamente perigoso”, “É tudo culpa minha”), com emoções negativas (por exemplo, medo, horror, raiva, culpa ou vergonha). Os pacientes clínicos vão sentir falta de emoções positivas, interesses em atividades significativas e capacidade de se relacionar com os outros.

Hipervigilância e hiperexcitação: A pessoa ficará facilmente assustada ou irritada (por exemplo, assustar com um leve toque no ombro), mesmo com comportamento autodestrutivo. Há também problemas de concentração e dormir.

Estado de sensibilidade aumentada

Os sintomas do transtorno incluem memórias e pesadelos recorrentes e intrusivos relacionados ao trauma, irritabilidade, hipervigilância, caracterizada por um estado de sensibilidade aumentada a qualquer indício de ameaça ou preocupação exagerada com qualquer perigo potencial, dificuldade de sono, baixa concentração nas atividades e isolamento emocional.

Os sintomas de TEPT podem persistir por décadas e aumentar as tentativas de suicídio, acompanhadas de transtorno por uso de substâncias e prejuízos no relacionamento próximo e na função social.

Durante a Primeira Guerra Mundial, o psiquiatra Robert Eugen Gaupp relatou que a maioria dos sintomas de pacientes psiquiátricos (por exemplo, mudez, surdez, tremor geral, incapacidade de ficar em pé ou andar, episódios de perda de consciência e convulsões) foi consequência do medo e ansiedade, como resultado, por sua vez, da explosão de bombas e minas inimigas, e da visão de pessoas mutiladas ou mortas.

O psiquiatra francês Emmanuel Regis também descobriu que cerca de um quinto dos 88 casos de transtorno mental tinham causa física, mas todos os casos encontraram susto, choque emocional ao ver corpos mutilados, por exemplo. O termo “shell shock”, cunhado por uso popular, foi bem recebido entre as tropas.

Na Segunda Guerra Mundial, Charles Bradley usou pela primeira vez o termo de “exaustão” como diagnóstico inicial para todos os casos psiquiátricos de combate.

Abram Kardiner enfatizou a concomitância de fatores somáticos e psicológicos e identificou a neurose traumática como uma “fisioneurose”.

Estudiosos russos descreveram os sintomas pós-traumáticos como “afetivas reações de choque”, que foram observadas após eventos de guerra, terremotos ou acidentes ferroviários na forma de doenças agudas e crônicas em processo.

Após a Segunda Guerra e no Vietnã

Em 1945, as agudas “reações ao combate” e “reações após o combate” foram usadas por psiquiatras americanos em um tratado descrevendo 65 casos psiquiátricos de guerra. A Força Aérea dos EUA substituiu este último pelo eufemismo “fadiga operacional”.

Relatório de acompanhamento de cinco anos chamado “Neuroses de guerras traumáticas – cinco anos depois”, forneceu uma descrição quase exata do TEPT atual e seus sintomas.

Depois da Guerra do Vietnã (1964 a 1973), quase um quarto de todos os soldados exigiam algum tipo de ajuda psicológica. A crescente síndrome pós-Vietnã acabou levando à adoção do TEPT como uma categoria de diagnóstico em 1980 no DSM-III (3ª edição do DSM).

As mulheres eram duas vezes mais propensas a ter TEPT ao longo da vida do que homens (10,4% vs. 5,0%37 e 8,6% vs. 4,1%43).

Em relação à idade, acima de 65 anos tem a menor prevalência de TEPT (12,2%). Idade de 45 e 64 anos teve a maior prevalência (41,3%), seguida de 30 a 44 anos (31,8%) e 20 a 29 anos (14,8%).

Comparado aos casados, ser viúvo/separado/divorciado associou-se a maior possibilidade de sofrer de TEPT, enquanto nunca ser casado apresentou menor índice. Curiosamente, ser casado é um fator de proteção para encontrar TE.

Imagens: Israel Palacio e Diego Gonzalez/Unsplash

E mais…

Veja também outros artigos da Dra. Elaine no portal avŏsidade:

E essa tal ansiedade?

Dra. Elaine: o que é o TOC

Expectativas e ansiedades para ‘22

Dra. Elaine: medos e fobias

O que é a Síndrome da Cabana?

Então. Pois. Então. Pois. Traumas. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Traumas. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então.
Então. Pois. Então. Pois. Traumas. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Traumas. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então. Pois. Então.
É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. Traumas. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É.
É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. Traumas. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É. Oi. É.
[. .]
Acompanhe o portal avosidade também no Facebook, Instagram e podcast+!

Dra. Elaine Di Sarno

Psicóloga e Neuropsicóloga, mestre em Ciências pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP), especialista em Terapia Cognitivo Comportamental

Veja também

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.